Revista Rua

Apreciar. Minhotos pelo Mundo

«Cracóvia é a surpresa mais agradável da minha vida»

Tiago Fernandes está em Cracóvia, na Polónia.

Filipa Santos Sousa

Texto: Filipa Santos Sousa |

Com vontade de ajudar, Tiago Fernandes partiu sozinho para uma experiência de voluntariado em Cracóvia. Rendido aos traços pitorescos e à história da cidade, acabou por encontrar trabalho numa multinacional, pelo que não equaciona regressar tão cedo a Portugal.

Situada nas margens do rio Vístula, Cracóvia é considerada uma das cidades mais antigas da Polónia. De tal modo, o seu centro histórico foi inscrito na lista de Património Mundial da UNESCO, em 1978. Polo económico, académico e artístico do seu país, este destino distingue-se, precisamente, pela sua riqueza de origens diversas. As suas praças, ruas e edifícios recordam-nos os tempos medievais. Mas, em todo lado, há vestígios das mais diferentes épocas. Foi neste cenário pitoresco que Tiago Fernandes, de 27 anos, encontrou a sua nova casa. Natural de Viana do Castelo, que segundo o próprio é a “mais bela cidade de Portugal”, chegou a Cracóvia, em fevereiro, para praticar voluntariado numa escola especial para alunos com múltiplas desabilidades.

Apesar de a adaptação nunca ser algo muito fácil, o jovem perdeu-se de amores por Cracóvia. “A experiência foi única, intensa e enriquecedora. Parti sozinho, com algum receio à mistura face às responsabilidades inerentes à atividade como voluntário”, explica. Licenciado em Engenharia Eletrónica e decidido a prolongar a sua estadia, começou a procurar trabalho e atualmente é IT Analyst para as línguas portuguesa e inglesa numa empresa multinacional. No entanto, esta não é a sua estreia no estrangeiro, uma vez mais movido pela vontade de ajudar o próximo. “É a segunda vez que estou a viver fora de Portugal, depois de no ano passado ter estado dois meses na Letónia, também como voluntário”, conta.

Tiago teve, assim, a oportunidade de conhecer dois destinos e realidades diferentes da sempre misteriosa Europa de Leste. Mas foi, precisamente, aí que encontrou um novo destino, uma espécie de segunda casa. Não obstante, claro, as saudades que sente “da comida e, sobretudo, do mar e das praias” portuguesas. “A cidade é a surpresa mais agradável da minha vida. Recheada de História, Cracóvia foi das cidades menos fustigadas pela II Grande Guerra, tendo toda a sua parte histórica sobrevivido à calamidade”, sublinha. Todavia, um dos sítios que aconselha como ponto de visita – o bairro de Kazimierz – não deixa de ser um dos maiores berços da cultura judaica, que sofreu as agruras da segregação durante a ocupação nazi. De facto, a cidade serviu mesmo de cenário às rodagens da célebre película de Steven Spielberg – A Lista de Schindler.

Mas Cracóvia está repleta de “tesourinhos a visitar”, como a “cidade velha, as minas de Sal e o Parque Nacional de Zakopane”, salienta o jovem vianense, ao acrescentar que estas são apenas “algumas das muitas atrações turísticas duma cidade que respira multiculturalidade”. Por outro lado, o idioma representou, obviamente, uma das principais adversidades à sua integração. “Contudo, hoje em dia já sei o básico e espero com o tempo tornar-me fluente”, ambiciona. E regressar a Portugal? “Muito sinceramente, não me vejo a regressar tão cedo”, responde. Para rematar, deixa uma mensagem a todos os minhotos que gostam de viajar: “Aconselho vivamente por tudo o que Cracóvia representa historicamente, pela sua beleza natural e pela oportunidade única que é conhecer um pouco da cultura e do povo polaco. É muito mais do que a vodka e do que o pierogi!”


4 vídeos 817 followers