Revista Rua

2018-08-20T12:21:14+00:00 Viagens

À conquista de Silicon Valley

António Trincão é um jovem bracarense que vive em São Francisco
Filipa Santos Sousa
Filipa Santos Sousa2 Fevereiro, 2018
À conquista de Silicon Valley
António Trincão é um jovem bracarense que vive em São Francisco

Apaixonado por música e entretenimento, António Trincão é um bracarense que fez de São Francisco (EUA) a sua nova casa quando o espírito empreendedor tomou conta dele. No maior centro tecnológico do mundo, Silicon Valley, António e o amigo João Raminhos dão vida à YouCanEvent.

Cenário assíduo nas películas de Hollywood, São Francisco é reconhecida por ser a ‘casa’ de inúmeras empresas de referência. Quem lá passa, não estranha os diversos registos publicitários de ‘gigantes’ como a FacebookApple ou Google. Desde julho último, a língua portuguesa faz-se também ouvir devido à aposta da YouCanEvent – fundada por António Trincão e João Raminhos – neste competitivo mercado. “É o primeiro marketplace no mundo que redesenha a forma como criamos eventos. Através de dois passos, conseguimos obter propostas dos mais variados fornecedores para a realização de uma iniciativa”, explica António, licenciado em Negócios Internacionais, pela Universidade do Minho e membro da Azeituna (tuna universitária). Hoje, o jovem é CEO da YouCanEvent e promete não ficar por aqui, deixando antever o lançamento de um “projeto na plataforma de realidade aumentada”, que permitirá aos clientes visualizar o seu evento/ideia num formato 3D.

Com uma vontade imensa por fazer a diferença, o percurso da YouCanEvent começou em 2015, no iEMinho – Instituto Empresarial do Minho. Depois, seguiu-se Lisboa e os EUA. “Em abril de 2017, fomos convidados para participar no Blue Startups [que foi criado por Henk Rogers, um dos nossos mentores e cofundador do jogo Tetris]. Foi, então, quando participamos nesse programa, que decorreu entre Honolulu e São Francisco, que decidimos ficar e construir a nossa startup, daqui para o mundo”, declara António Trincão.

Numa cidade tão desenvolvida e repleta de ofertas para os tempos livres, a adaptação revelou-se uma tarefa relativamente fácil. A par disso, a existência de um grupo denominado “Portuguese in SF”, que reúne mensalmente cerca de 20 a 50 portugueses, faz minorar as habituais saudades. A quantidade de mentes brilhantes completamente apaixonadas pelo que fazem, conta o jovem empreendedor, é outro dos aspetos que o deixa fascinado pela cidade de São Francisco. “A cidade é incrível. Tem tudo o que se pode desejar numa cidade desenvolvida: oportunidades, trabalho, cosmopolitismo, arranha-céus, vida noturna, restaurantes e bares, arquitetura, arte, parques…”, diz-nos António. Algo que também não falta em São Francisco são milionários e clubes privados. De facto, um dos episódios mais caricatos que António viveu está, precisamente, relacionado com este ponto. Vestido com calças de fato de treino, o minhoto foi convidado por uma investidora para ir até ao Battery Club – um desses tais sítios cuja entrada é restrita. “Quando entrei, a rececionista tentou parar-me, mas a investidora disse que eu estava com ela. Fomos então para um dos bares internos do clube, vi logo um baixo e uma guitarra ao canto e, obviamente, decidi começar a tocar. Rapidamente, juntou-se um outro membro e criou-se um ambiente fantástico. Ouvi alguém dizer: “é isto que adoro em São Francisco: jovens milionários que vêm para clubes privados vestidos de fato de treino e simplesmente não querem saber”. Ou seja, passei por jovem milionário quando, na realidade, eu estava vestido para o meu exercício diário e fui apanhado de surpresa com a chamada da investidora”, conta-nos, bem-disposto, o jovem minhoto.

Realçando o Golden Gate Park, a Crocodile Street, a zona de Haight, North Beach, a Union Square, o Pier 5 e 39 e o Hard Rock como pontos de visita obrigatória, António deixa um convite aos minhotos: “Se têm o desejo de revolucionar o mundo e construir algo com impacto para a vida de milhares de milhões de pessoas, São Francisco certamente é o local para conhecerem”.

Partilhar Artigo:
Fechar