Revista Rua

2018-12-06T11:03:17+00:00 Histórias, Viagens

Explorerssaurus, um mundo para explorar… a dois!

Andreia Filipa Ferreira
Andreia Filipa Ferreira3 Dezembro, 2018
Explorerssaurus, um mundo para explorar… a dois!

Raquel e Miguel são dois jovens portugueses que vivem à descoberta do mundo. Apaixonados por viagens – e um pelo outro -, este casal conta as suas aventuras através da página de Instagram Explorerssaurus_. Com uma lista de países já visitados sempre em crescimento, Raquel e Miguel contam à RUA as peripécias de um dia a dia de viajantes profissionais.

Em primeiro lugar, gostaríamos muito de conhecer a razão de terem partido à aventura. Como tudo começou?

Sempre fomos apaixonados por descobrir o mundo. Antes de nos conhecermos, a Raquel viajava sozinha e eu viajava com os meus amigos com alguma frequência. Entretanto a Raquel foi estudar para Valência e estivemos numa relação à distância durante meio ano. Decidimos encontrarmo-nos em diferentes cidades, em vez de nos vermos sempre no Porto ou em Valência. E assim começou a nossa aventura! Durante esse período visitamos juntos Marrakech, Barcelona, Paris, Veneza, Milão e Frankfurt.

São a prova de que os exploradores não estão extintos. Viajar juntos, explorar os mais belos locais do mundo, é hoje a vossa profissão? Como se apresentariam aos portugueses?

Infelizmente ainda não viajamos a tempo inteiro, mas em breve planeamos partir só com um bilhete de ida. Eu trabalho como gestor de uma empresa de construção civil e a Raquel está a acabar a tese em engenharia biomédica. Nós poupamos dinheiro e tentamos fazer pelo menos uma viagem por mês. Aproveitamos sempre fins de semana e feriados e reservamos com bastante tempo de antecedência para conseguirmos melhores preços. A partir de janeiro de 2019 este vai ser o nosso trabalho a tempo inteiro. Somos um casal apaixonado pelo mundo e pretendemos contar a nossa história através da fotografia!

Antes de partirem em viagem, acreditamos que tenham existido alguns receios. Querem falar-nos sobre isso? Quais foram as vossas principais preocupações?

Para sermos sinceros nunca pensamos sobre isso. São viagens curtas, o período mais longo que estivemos longe de casa foi somente um mês. Além disso, quando se faz aquilo que se gosta nem há espaço para preocupações. Claro que durante as viagens, por vezes, surgem pequenas situações que nos fazem sentir mais inseguros. Em Marrakech, fomos perseguidos por um homem até ao nosso riad e ele foi agressivo connosco. Em Singapura, o Miguel esqueceu-se da carteira no Uber e tinha todos os seus documentos e cartões de crédito. Mas são tudo coisas que podem acontecer na nossa cidade. O nosso único receio é não termos tempo suficiente para produzirmos o conteúdo que gostaríamos! Talvez a partir do próximo ano, a maior problemática vão ser as saudades.

Há quanto tempo viajam e quais os países que já visitaram?

Nós namoramos há um ano e sete meses e já estivemos em Singapura, Indonésia, Marrocos, Espanha, Itália, França, Alemanha, Estados Unidos da América, Bahamas, Cuba, México, Turquia, Malta, Emirados Árabes Unidos, Grécia, Malta e Croácia.

Tendo em conta os locais que já descobriram, conseguem nomear os mais belos sítios que já conheceram? O que mais apreciaram nos destinos?

Sem dúvida alguma, o nosso destino de eleição é Bali! Dos sítios mais completos que já visitamos. Tem uma imensidão de vida selvagem e aquática, praias paradisíacas, montanhas, vulcões, templos… e as pessoas são de uma simpatia extraordinária. Nunca fomos tão bem-recebidos como lá. Bali fez-nos sentir em casa, mesmo estando a milhares de quilómetros de distância.
Capadócia presenteou-nos com os melhores nasceres de sol da nossa vida. Tudo sobre esta região da Turquia é mágico. Os hotéis construídos em cavernas antigas, as centenas de balões de ar quente no céu, explorar as colinas a cavalo… impossível não ficarmos rendidos a um local assim.
Também ficamos deslumbrados com Exuma, nas Bahamas. A água mais cristalina que já vimos nas nossas vidas. Nadar com mantas e tubarões foi sem dúvida uma experiência única!

É impossível não ficarmos invejosos quando consultamos o vosso Instagram e vemos as fotografias deslumbrantes que postam. Há um cuidado muito grande com essa partilha com os vossos seguidores, correto? Tentam sempre mostrar os detalhes da vossa viagem?

Nas nossas histórias tentamos sempre mostrar os detalhes. Os sítios onde ficamos, os restaurantes onde comemos e os locais que visitamos, as adversidades pelas quais passamos, assim como também alguns dos nossos momentos bons. Tentamos não mostrar demasiado, porque gostamos de aproveitar algum tempo para nós, longe do telemóvel e das redes sociais. Obviamente, os nossos posts não recriam totalmente a realidade que vivemos, são imagens que criamos pensadas ao pormenor. Os acessórios, a roupa, os locais, os ângulos, a composição, a edição… Cada fotografia foi previamente pensada e construída, os momentos espontâneos e os locais inesperados que encontramos são um bónus!

Voltando às peripécias, querem falar-nos sobre mais algumas aventuras?

Nesta última viagem a Marrakech, um senhor abordou a Raquel e colocou-lhe uma cobra à volta do pescoço e ela começou aos berros no meio da praça principal e nem assim ele lha tirava…
Quando estivemos em Oludeniz, na Turquia, subimos ao topo de uma montanha para fotografar ao pôr do sol. Quando chegamos lá, um senhor abordou-nos a dizer que estava à procura de uma pessoa para fazer um salto de parapente com ele. Passados cinco minutos, a Raquel estava a saltar de um precipício com um desconhecido. Como foi uma decisão tão espontânea, ela saltou sem telemóvel e carteira. Ainda teve que pedir dinheiro ao senhor para lhe pagar o autocarro para o hotel. Ela adorou de tal forma a experiência que no dia seguinte saltei eu com o mesmo senhor. Ainda hoje mantemos contacto.
No México, roubaram-nos a GoPro num cenote enquanto estávamos a nadar. Ficamos super tristes, tanto pela perda do material como por todos os vídeos que lá estavam e não conseguimos recuperar.
O facto de às vezes virem ter connosco na rua porque nos reconhecem do Instagram é ainda toda uma peripécia para nós também!

As pessoas com quem se cruzam no percurso é uma das principais vantagens de viajar? Como tem sido conhecer pessoas com culturas tão diferentes da portuguesa?

Provavelmente, a coisa que mais gostamos não é de conhecer sítios novos, é de conhecer pessoas novas. Há sempre algo para aprender! Desde uma mera receita de culinária, como os hábitos do quotidiano, às condições de vida e trabalho. Quando se visitam apenas os sítios turísticos é fácil ficar com uma ideia errada e muitas vezes fantasiada sobre os locais que visitamos. Por exemplo, Havana nas fotografias parece um destino de sonho. E a cidade é realmente bonita. Porém, tivemos a sorte (ou azar) de conhecer um barbeiro que nos mostrou a sua casa. Vivia num prédio que nós pensávamos estar inabitado. Completamente em ruínas e nada seguro para quem lá vivia. Uma única divisão era cozinha, quarto e sala. O salário mensal médio da população são 10$. Há coisas que custam ouvir, mas ainda mais ver…

Podemos falar um pouco sobre alojamento? Onde têm vivido neste tempo? Como tem sido a experiência em termos de alojamento?

Tal como dissemos, apenas fizemos viagens de curta duração. Ficamos hospedados em hotéis, hostels e apartamentos de AirBnb. Para o ano vamos alugar uma casa em Bali e viver lá.

O que está nos vossos planos futuros? Que locais querem conhecer?

Temos bilhete de ida comprado para a Índia. Depois… depois nem nós sabemos! (risos) Vamos explorar o Sudoeste Asiático e escolhemos Bali como nossa base. Destinos como o Sri Lanka, Maldivas, Tailândia, Malásia, Filipinas e Singapura estão nos nossos planos também.

São portugueses, à descoberta do mundo. Que mensagem deixariam àqueles que sempre pensaram em viajar pelo mundo, mas nunca tiveram a coragem de avançar?

Escrevam numa folha tudo aquilo que vos faz querer ficar e tudo aquilo que vos faz querer partir. O balanço das duas vai-vos dar a resposta final. Nunca desistam dos vossos sonhos só porque alguém vos diz que vai ser difícil. Claro que muitas das vezes não é fácil, mas por isso é que cada dia é tão especial. Só temos uma vida. Siga aproveitá-la!

E, sobretudo, há uma mensagem de amor, correto? Viajar pelo mundo na companhia da cara metade é o dia a dia perfeito?

Nós temos a sorte de ter a companhia constante um do outro, mas nem tudo é um mar de rosas. Para nós viajar é um trabalho. Infelizmente, não desfrutamos tanto quanto aquilo que aparenta nas nossas fotos. Mas foi o trabalho que escolhemos para nós e preferimo-lo a qualquer outro. Mais que a mensagem de perfeição, queremos passar a imagem de felicidade. Viajar, conhecer novos sítios, culturas e pessoas é o que nos preenche aos dois. Todas as peripécias e aventuras que acontecem só servem para fortalecer a nossa relação. E, acima de tudo, somos muito gratos por ter esta oportunidade de percorrer o mundo com o apoio dos nossos amigos, familiares e seguidores. Sem eles o nosso sonho não seria possível.

Partilhar Artigo:
Fechar