Revista Rua

2018-11-19T16:21:29+00:00 Cultura, Música, Radar

Guimarães celebrou o jazz

Foram quase duas semanas de celebração do jazz no ciclo Guimarães Jazz.
Miguel Estima
Miguel Estima19 Novembro, 2018
Guimarães celebrou o jazz
Foram quase duas semanas de celebração do jazz no ciclo Guimarães Jazz.

Guimarães vestiu-se de jazz durante mais de dez dias. Do Centro Cultural Vila Flor aos espaços de restauração e até ao centro comercial, o jazz marcou a sua presença na cidade berço.

Depois de termos dado conta do concerto de abertura a cargo do contrabaixista Dave Holland e do seu quarteto AZIZA, a Revista Rua marcou presença em mais sete concertos. Regressamos a Guimarães no primeiro sábado do festival, para uma dose dupla de concertos. Em sessão da tarde e no pequeno auditório esteve o Pablo Held Trio. No ativo há doze anos e já com nove álbuns editados, este trio constitui um dos melhores exemplos da vibrante cena jazzística atual da Alemanha, país de onde são provenientes alguns dos mais criativos músicos e projetos de jazz europeus. A atuação do Pablo Held ficou marcada por um improviso, sem set list, embora que na sinopse esteva a referência que a maioria dos temas seriam provenientes do mais recente disco Investigations.

Curta pausa para jantar e regresso ao Vila Flor para a estreia absoluta no Guimarães Jazz de um projeto protagonizado pelo trompetista, arranjador e compositor Steven Bernstein, uma das figuras centrais da cena musical nova-iorquina dos últimos trinta anos, num encontro inédito com Catherine Russell, uma singular cantora de jazz e blues que personifica um espírito de independência musical, acompanhados pela Millennial Territory Orchestra, a big band fundada e liderada por Bernstein com o intuito de proceder a uma revisitação do património do jazz de Nova Orleães no início do século XX.

A expansão do festival para dez dias consecutivos levou à criação de dois espaços/concertos distintos, um direcionado para o jazz europeu e outro para o jazz mais a sul de Portugal. Este ano proporcionado pelo multipremiado acordeonista João Barradas que se apresentou em formato quarteto, acompanhado de um grupo de instrumentistas do qual se destaca a presença do saxofonista norte-americano Greg Osby. Na bateria estava a galega Naíma Acuña e no contrabaixo o italiano Luca Alemanno. Vieram apresentar o quarteto Own Thoughts From Abroad, uma formação que gravou um disco recentemente (que será lançado no início do próximo ano). Um jazz com uma sonoridade muito própria já que tem como centralidade o som do acordeão, misturado com três instrumentos mais, criando uma atmosfera muito própria no universo jazzístico, inclusive pelas diferentes geografias dos músicos.

O penúltimo dia do festival esteve reservado para a estreia do quarteto de Avishai Cohen, o trompetista. Originário de Telavive e baseado atualmente em Nova Iorque, Cohen é, apesar da sua juventude, um dos mais relevantes trompetistas do jazz da atualidade, detentor de uma sensibilidade musical pontuada por um multiculturalismo inclusivo e sincrético. Sendo o quarteto oriundo de uma geografia pouco habituada ao jazz, o momento criado foi verdadeiramente único.

E, por fim, o último dia do festival começou com o contrabaixista Matt Ulery, que esteve a orientar a Big Band da ESMAE, nas oficinas e nas aberturas das jam’s que aconteceram quase todas as noites do festival. Apresentou a nova formação Delicate Charms em estreia nacional, aproveitando o festival para explorar algo novo.

A edição de 2018 do Guimarães Jazz encerrou com sala esgotada para o grande momento da big band.  Este momento de celebração do legado de uma das figuras fundamentais da música do século XX, o contrabaixista e compositor Charles Mingus, cuja obra permanece no imaginário coletivo como um símbolo do espírito inconformista e radicalmente inovador que fez do jazz uma das expressões artísticas mais marcantes e revolucionárias da modernidade. Um concerto pautado com um ensemble de músicos excepcionais, proporcionando momentos verdadeiramente vibrantes ao longo das quase duas horas de concerto.

Partilhar Artigo:
Fechar