Revista Rua

2018-05-04T10:26:48+00:00 Bússola, Viagens

Veneza, a magia do Carnaval

Partilhar Artigo:
Rita Almeida
Rita Almeida2 Fevereiro, 2018
Veneza, a magia do Carnaval
Partilhar Artigo:

Situada no nordeste de Itália, a cidade de Veneza é constituída por pequenas ilhas separadas por canais e ligadas por pontes. O passeio pelo Canal Grande, que é o maior e mais importante canal da cidade, é um dos pontos de atração. Mas há muito mais para ver e por onde se perder.  Pode acrescentar ao seu roteiro a Basílica de São Marcos, a igreja mais famosa e um dos melhores exemplos da arquitetura bizantina. Veneza é conhecida pela beleza da sua arquitetura e obras de arte, mas também pelo seu Carnaval, no mês de fevereiro.

A festa carnavalesca tem a duração de dez dias com grande afluência de turistas à cidade. Foi instituída em 1094, ano em que a Basílica de São Marcos foi consagrada pelo Doge Vitale Falier. Vindo de uma família poderosa, Falier propôs que todos tivessem direito a usufruir de um período de jogos e diversão pública antes do início da quaresma. A partir de então, todos os anos se fazia a festa, que começava bem antes do mês de fevereiro.

No século XVI, a nobreza disfarçava-se para sair e misturava-se com o povo. As máscaras eram e são o elemento mais importante do carnaval veneziano. Os trajes são do século XVIII, constituídos por máscaras nobres, caretas brancas, um chapéu de três pontas e roupa de seda negra, denominada de baúta, que era utilizada pelos homens. As mulheres usavam a moretta, uma máscara preta de veludo oval, que encaixava no resto por meio de um botão que devia ficar dentro da sua boca, impedindo-as de se expressarem. Era uma época de muita diversão e folia. Entre elas, o mattaccino, uma brincadeira em que, com um estilingue, se atiravam ovos nas damas venezianas. Por sorte, os ovos eram esvaziados e preenchidos com água de rosa. Algumas manifestações eram cruéis, como a caça ao touro, onde o animal era decapitado para aclamar a maestria dos açougueiros.

No final do século XVIII, Napoleão decretou o fim do Carnaval em Veneza. E foi só no século XX que a festividade renasceu, devido à atuação de um grupo de cidadãos, que saíram pelas ruas com fantasias, jogos, máscaras. Hoje, em fevereiro, Veneza recebe pessoas do mundo inteiro para ver ou participar no Carnaval. É feito de magia e de respeito pelas tradições que nem o tempo nem ninguém consegue apagar.

Partilhar Artigo:
Fechar