Revista Rua

2021-10-12T12:06:55+01:00 Cinema, Cultura

10 curiosidades que provavelmente não sabia sobre Squid Game

Squid Game é a série mais vista de todos os tempos da Netflix. Atenção: este artigo contém spoilers!
©Youngkyu Park/Netflix
Redação12 Outubro, 2021
10 curiosidades que provavelmente não sabia sobre Squid Game
Squid Game é a série mais vista de todos os tempos da Netflix. Atenção: este artigo contém spoilers!

Por: Diana Ferreira

Squid Game, a série mais falada do momento, desvenda várias curiosidades que a tornam ainda mais surpreendente. Sabia que o guião foi recusado durante dez anos? Isto leva-nos a pensar que este drama sul-coreano, ainda que levante questões muito atuais, poderá refletir uma problemática de há já uma década.

“Todos vocês que aqui estão, apresentam-se numa situação extrema. Têm todos uma dívida que não podem pagar”, é desta forma que o espectador rapidamente percebe que as 456 pessoas envolvidas no jogo clandestino que percorre todo o enredo se encontram num autêntico desespero. Toda a gente no grupo aceita, deliberadamente, participar num concurso que consiste numa série de jogos de infância e aparentemente “familiares”, mas que escondem algumas lições. O resultado tanto pode ser a vitória e a riqueza ou, literalmente, a morte.

A série sul-coreana foi apresentada na Netflix a 17 de setembro e tem vindo a revolucionar o mundo ao liderar o top das produções mais vistas em, pelo menos, 90 países. É ainda a série mais vista de todos os tempos da Netflix, tendo já ultrapassado o recorde de 82 milhões de visualizações de Bridgerton. Além disso, representa uma nova conquista no mundo audiovisual, em que a barreira da linguagem fica cada vez mais desvanecida.

Não queremos ser spoilers, mas deixamos algumas curiosidades que provavelmente desconhecia sobre a série do momento:

©Netflix

O diretor Hwang Dong-huyk escreveu o guião de Squid Game em 2008.

Numa conferência de imprensa, Hwang diz ter terminado o guião da série sul-coreana em 2009. Começou a escrevê-lo no ano anterior, quando estava em dívida, tal como os 456 participantes do Squid Game. Nessa altura, pensou que se houvesse mesmo um jogo como este, ele teria participado. Aliás, a um certo ponto, Hwang teve de vender o seu computador e parar a escrita do guião para poder pagar algumas dívidas.

Squid Game foi constantemente rejeitado pelos investidores até a Netflix finalmente decidir apostar na série.

Foi muito difícil atrair investidores e atores porque, há doze anos, o género e o enredo de Squid Game eram considerados brutais e não convencionais. Em 2019, cerca de uma década depois do guião estar finalizado, a Netflix decidiu investir na série, hoje considerada intrigante e relacionável.

O nome da série e a premissa do jogo foram inspirados pelo “jogo da lula” (traduzido de squid game), que, de acordo com Hwang Dong-huyk, simboliza a sociedade.

O jogo da lula era o jogo preferido do criador da série em criança. “Era um dos jogos mais físicos, mas também um dos meus preferidos. Senti que este jogo de infância mais simbólico representa a sociedade em que vivemos hoje”, disse Hwang Dong-huyk numa entrevista ao Radio Times.

Squid Game foi originalmente pensado com um filme.

Quando a Netflix financiou o projeto, o diretor Hwang Dong-huyk tornou o filme numa série, adicionando mais detalhes e enredo à história e novas personagens, como Jun-Ho, que não estava no primeiro rascunho de Squid Game.

©Netflix

As máscaras que o staff do Squid Game usa são uma mistura das máscaras de esgrima e de máscaras tradicionais coreanas chamadas de Haehotal.

As formas nas máscaras apontam a hierarquia do staff. Os membros com o quadrado são os que estão mais elevados a nível hierárquico, supervisionando os trabalhadores e os jogadores. Os triângulos, por sua vez, são os protetores e os que aplicam as regras, sempre armados. Finalmente, os círculos são os que limpam, cozinham e descartam os corpos dos jogadores eliminados.

Os dormitórios foram pensados de forma a parecerem um autêntico armazém.

A disposição das camas como se fossem prateleiras e, ao mesmo tempo, lugares numa arena, apontam para a maneira como as pessoas são tratadas como meros objetos. Reforçam, também, a natureza competitiva e hierarquizada da sociedade.

Lee Jung-jae trabalhou diretamente com Hwang Dong-huyk para aprofundar a caracterização de Seung Gi-hun.

O ator trabalhou na caracterização da sua personagem para torná-la amigável e para que os espectadores gostassem dele. Por exemplo, no primeiro episódio, o momento em que Gi-hun pausa para apanhar o café de Sae-byeok foi improvisado.

A música evoca familiaridade num mundo não familiar.

Ao contrário do que costumamos ver em cenas violentas, nas quais as músicas de fundo são dramáticas para aumentar a tensão, em Squid Game acontece precisamente o contrário. O diretor musical da série, Jung Jael-il, recorreu a música reconfortante para atrair o conforto no meio de um jogo completamente perturbador. É o caso da música Fly Me To The Moon, usada na cena do “Macaquinho de Chinês”, que, sendo calma, acentua o contraste com a cena grotesca de mortes a acontecer no momento.

O número de telefone nos cartões para o Squid Game é verdadeiro.

Nos cartões de negócio que os participantes recebem para poderem participar no Squid Game, o número de telefone é um número verdadeiro. A respetiva identidade do número foi bombardeada de chamadas e mensagens a ponto de não conseguir seguir com a sua rotina, o que levou a Netflix a editar a série para remover o número.

O diretor de Squid Game perdeu seis dentes durante as gravações.

Durante a produção da série, que terminou em novembro de 2020, o diretor Hwang Dong-huyk perdeu seis dentes. Até hoje, do lado esquerdo, ainda lhe faltam dois molares que ainda não teve tempo de substituir.

Partilhar Artigo: