Revista Rua

2021-07-29T15:27:15+01:00 Cultura, Música

30 anos de jazz na Praça da Erva

O Gajo e Yamandu Costa dão o mote de saída para o festival deste ano.
Miguel Estima29 Julho, 2021
30 anos de jazz na Praça da Erva
O Gajo e Yamandu Costa dão o mote de saída para o festival deste ano.

Este ano, e novamente por causa da pandemia, o festival mudou a sua localização, realizando-se no Centro Cultural de Viana do Castelo.

A abrir o festival esteve o projeto O Gajo, de João Morais, que em 2016 escolhe a Viola Campaniça para expressar a sua arte. Se em 2020 a pandemia travou os concertos e quase toda a atividade cultural, não travou a capacidade criativa d’O Gajo que, numa resposta a essa paragem, mergulhou na composição de um novo disco. Novas ideias, novas fórmulas e pela primeira vez em formato trio, o novo disco Subterrâneos chega a 15 de março de 2021.Com Carlos Barretto no Contrabaixo e José Salgueiro na Percussão, as composições ganham nova dimensão e levam a Viola Campaniça para novos territórios que ao vivo prometem momentos arrebatadores.

Yamandu Costa é um guitarrista tocado pelo génio. Cresceu no seio das tradições gaúchas, mas cedo construiu uma linguagem musical sem fronteiras. A sua criatividade desenvolve-se sobre uma técnica absolutamente virtuosa, num arrebatamento que faz de Yamandu um fenómeno da música instrumental brasileira de todos os tempos. Nestes concertos a solo, formato em que se entrega na plenitude, revela-nos uma profunda intimidade com o seu ‘violão’. Foi um privilégio receber Yamandu Costa na abertura do Festival de Jazz da Praça da Erva!

O festival continua nos próximos dias tendo hoje, 29, Pimenta Caseira e Yanagui, no dia 30 Par Azar e João Cabrita e, para fechar, no sábado 31, Grey City, Augusto Baschera e João Bernardo fechando com o projeto  “À Espera do Futuro” – trio Beatriz Nunes/Paula Sousa/André Rosinha.

Todos os concertos têm início às 20h30.

Partilhar Artigo: