Revista Rua

2020-03-11T11:29:03+00:00 Cultura, Outras Artes

365 Algarve: festivais, música e encontros culturais a encerrar o inverno

São mais de 400 iniciativas culturais, trazendo à região algarvia mais de uma centena de concertos, cerca de 50 espetáculos de teatro e atividades a não perder.
Ventania Music & Food Experience © Ventania - Festival de Artes Performativas do Barlavento
Redação9 Março, 2020
365 Algarve: festivais, música e encontros culturais a encerrar o inverno
São mais de 400 iniciativas culturais, trazendo à região algarvia mais de uma centena de concertos, cerca de 50 espetáculos de teatro e atividades a não perder.

A 4ª. edição do 365 Algarve prolonga-se até maio, promovendo um incomparável ciclo de programação que parte da ideia de território, enquanto paisagem à escala humana. Ao todo são mais de 400 iniciativas culturais, trazendo à região algarvia mais de uma centena de concertos, cerca de 50 espetáculos de teatro e atividades a não perder.

O inverno encerra-se com os já tradicionais festivais de março, assim como os inúmeros espetáculos, eventos de circo contemporâneo, peças de teatro e muita dança, que prometem momentos perfeitos para toda a família.

De 13 de março a 30 de maio acontece a 6ª. edição do Festival “Encontros do DeVIR”, que este ano apresenta-se segundo o tema O Resgate. O arranque será em Faro, numa noite imperdível, na qual o festival irá promover duas versões da Sagração da Primavera de Stravinsky: Le Sacre du Printemps, do destacado coreógrafo francês, Xavier Le Roy, e La Consagración de la Primavera, do premiado criador espanhol, Roger Bernat. O desafio de Roger Bernat será novamente lançado a 14 de março, em Loulé, altura em que decorre também o Ciclo Pina Bausch, uma pequena homenagem a uma das maiores coreógrafas e bailarinas do século XX, assim como um workshop que resultará num vídeo e numa performance, o espetáculo Debout! e ainda uma masterclass orientada por Raphaëlle Delaunay.

A 21 de março, Faro recebe um novo encontro, desta vez com Jêrome Bel, um dos mais desconcertantes criadores do nosso tempo, que trará Rectrospective, um manifesto contra as alterações climáticas. Este evento conta ainda com a leitura de um texto inédito de Jacinto Lucas Pires, com ilustração em tempo real. No fim de semana seguinte, a 27 de março, o Encontros do DeVIR resgata o solo Talvez Ela Pudesse Dançar Primeiro e Pensar Depois, um marco importante no percurso da destacada coreógrafa Vera Mantero na história da dança contemporânea portuguesa. Do Líbano, chega Under the Flesh, um espetáculo intenso que se propõe a questionar o corpo em situações limite, como é o caso das guerras que alimentam movimentos migratórios políticos, com a Europa como destino.

De 14 a 22 de março, a 2ª. edição do Ventania – Festival de Artes Performativas do Barlavento trará inúmeros eventos de circo contemporâneo, artes visuais, teatro, dança e gastronomia. Também a 14 de março, a iniciativa Tome e Embrulhe irá distribuir sacos de papel pelos locais de comércio tradicional, nomeadamente, os mercados municipais de Sagres e de Lagoa. Ainda no mesmo dia, saem à rua The Invisible March, num percurso performativo que surge em jeito de manifesto artístico sobre a poluição dos oceanos, assim como Atempo, um espetáculo de circo contemporâneo que mistura impressionantes acrobacias de forças combinadas, danças e teatro físico. Também Windy promete surpreender o público, através de uma instalação que propõe uma reflexão ecológica, com paisagem sonora.

Ventania Music & Food Experience é uma experiência performativa e gastronómica que acontecerá no interior agrícola do concelho de Lagos, a 15 de março, e depois em Portimão, no dia 21 do mesmo mês. Ainda no dia 20 de março, Lagos recebe a estreia de Clean Water Act, uma encomenda de criação dirigida à bailarina e coreógrafa Jenny Jacobsson, que pretende abordar o impacto da ação humana na água dos oceanos. No mesmo dia, será apresentada, pela primeira vez em Portugal, 02 Oxigen, uma performance que convida o espectador a refletir sobre como poderia sobreviver numa sociedade onde o acesso ao oxigénio se torna um luxo.

O Dia Mundial da Floresta será comemorado a 21 de março, com a apresentação do espetáculo Terras, promovido pela Companhia de Dança KALE, em Portimão.

O festival termina a 22 de março, na Lagoa, com a estreia da Sinfonia nº. 7 de Jorge Salgueiro, Ritual de Evocação dos Elementos, interpretada por uma orquestra de formação sinfónica e músicos selecionados, assim como a performance O Grande Embrulho, que reunirá linguagens de dança, música e manipulação de objetos num espetáculo com uma forte mensagem ecológica.

Toda a programação pode ser consultada no site do 365 Algarve.

Partilhar Artigo: