Revista Rua

2019-05-09T11:54:10+00:00 Cultura, Outras Artes, Pintura

8ª Bienal de Arte Contemporânea da Maia vai ao encontro da comunidade em contentores

Redação
Redação9 Maio, 2019
8ª Bienal de Arte Contemporânea da Maia vai ao encontro da comunidade em contentores

Num ano em que a Maia celebra 500 anos da atribuição do Foral Manuelino ao concelho, esta oitava edição, que decorre de 11 de maio a 27 de julho, questiona os limites e as fronteiras contemporâneas dos territórios. Tendo como mote “Import/Export”, o evento reflete sobre a relação entre as pessoas e a identidade, num mundo cada vez mais global.

Import/Export é o mote da edição que, pela primeira vez, se estende pelo território da Maia, com intervenções em contentores, que convidam à reflexão e à partilha de visões sobre a relação entre as cidades e a sua comunidade. Tanto a exposição como as atividades paralelas são de entrada livre e gratuita. Pensada para democratizar o acesso à cultura e instigar novos pensamentos e comportamentos sobre as cidades, a Bienal de Arte Contemporânea da Maia vai ao encontro da comunidade. Este ano, o evento assenta em 4 clusters de programação – arquitetura, design, artes plásticas e novos media – que se desdobram em 16 contentores, dispersos por sete locais do concelho.

No total, reúne a visão de mais de 40 artistas nacionais e internacionais (Alemanha, Espanha, Estados Unidos da América, Dinamarca, Holanda, França, Inglaterra, Itália, Macedónia, Suíça, Venezuela), através de 24 novas criações e 26 eventos – apresentações de livros, conversas, happenings, performances, visitas, workshops.

A curadoria geral está a cargo da arquiteta Andreia Garcia, que convidou especialistas de cada área para assumir a co curadoria dos diferentes eixos disciplinares.

Na disciplina da arquitetura, sob a tutela de Diogo Aguiar, comissário da Concreta – Feira de Construção, Reabilitação, Arquitetura e Design organizada pela Exponor Exhibitions, e o espanhol Javier Peña Ibáñez, curador comissário do festival Concêntrico em Logroño, as propostas irão incidir sobre o conceito de limite, numa abordagem heterogénea de práticas e visões que caracteriza a arquitetura contemporânea.

Convergindo várias dimensões, o cluster de artes plásticas pretende convocar os visitantes a refletir e intervir ativamente. A área é orientada por Luís Albuquerque Pinho, arquiteto e curador residente no Node Center Berlin, e Luís Pinto Nunes, coordenador do Museu e Gabinete de Exposições da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Na área de design, com curadoria de Vera Sachetti, crítica e curadora associada da Bienal de Istambul’18, com base em Basileia, Suíça, serão apresentados quatro projetos de cariz material e imaterial que refletem sobre o rumo do design contemporâneo. Aqui também a abordagem será multidisciplinar, colocando sempre em questionamento o papel interventivo do design nos dias de hoje.

Os novos media serão também alvo de reflexão na Bienal, com curadoria da investigadora Sara Orsi, promovendo uma base de reflexão e partilha de conhecimento, em muito direcionada para a inclusão de modelos de partilha de criação e pensamento.

Cada área irá intervir sobre quatro contentores, num total de 16, distribuídos por sete locais – Praça Doutor Vieira de Carvalho, Parque da Cidade Desportiva, Maninhos, Castelo da Maia, Mandim, Feira de Pedras Rubras e Parque da Pícua, onde podem estar isolados ou coexistir com outros contentores. Esta interligação dos clusters pretende estimular a criação de sinergias entre os vários temas, os artistas e a comunidade.

O evento conta também com uma agenda de atividades paralelas, tais como workshops, performances artísticas e lançamentos exclusivos de publicações. A inauguração está agendada para dia 11 de maio às 15h, terminando com uma festa com curadoria da lovers&lollypops, no New Café Gin Club, na Maia, a partir das 23h.

A Bienal de Arte Contemporânea da Maia é uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal da Maia. O acesso às exposições e atividades paralelas é livre, gratuito e sujeito à lotação dos vários espaços.

Partilhar Artigo: