Revista Rua

2020-09-07T16:23:23+00:00 Cultura, Outras Artes

A Oficina apresenta a renovada agenda cultural até ao final do ano

De setembro a dezembro, Guimarães será palco de todas as artes, recebendo uma programação diversa e inclusiva que passará pelo teatro, pela dança, a música e a formação, através de concertos, exposições e instalações artísticas.
Maria Inês Neto
Maria Inês Neto7 Setembro, 2020
A Oficina apresenta a renovada agenda cultural até ao final do ano
De setembro a dezembro, Guimarães será palco de todas as artes, recebendo uma programação diversa e inclusiva que passará pelo teatro, pela dança, a música e a formação, através de concertos, exposições e instalações artísticas.

A Oficina apresenta a nova programação cultural que agitará a cidade de Guimarães nos próximos meses, promovendo o desassossego e a vibração por força das artes. Em segurança, o regresso aos auditórios e espaços culturais d’A Oficina promete um ciclo de atividades estimulante a todos os que queiram participar nesta desafiante jornada.

De setembro a dezembro, Guimarães será palco de todas as artes, recebendo uma programação diversa e inclusiva que passará pelo teatro, pela dança, a música e a formação, através de concertos, exposições e instalações artísticas, bem como os já tradicionais e reconhecidos festivais Westway LAB e Guimarães Jazz. No mês em que o Centro Cultural Vila Flor (CCVF) comemora os seus 15 anos, a agenda cultural promove um roteiro que passará por vários espaços vimaranenses, como o Centro Internacional das Artes José de Guimarães e a Casa da Memória de Guimarães. Este mês de celebração é ainda marcado por instalações artísticas (intervencionadas pelo artista Nelson Duarte e pelo coletivo Berru) no exterior do CCVF, mais concretamente na fachada de vidro do Pequeno Auditório e na praça coberta.

O aniversário deste que é um dos pontos centrais da cultural em Guimarães será celebrado no dia 12 de setembro com a exposição Observatório Natural, a inaugurar às 18h00, nos jardins do CCVF, nesta que é uma parceria que une Câmara Municipal de Guimarães, Fundação de Serralves, A Oficina e Laboratório da Paisagem. As imagens em exposição foram captadas pelo fotógrafo Jorge Sarmento, que procurou captar diferentes locais da cidade, mostrando as diversas espécies da fauna e flora da região. Ainda nesse dia, a partir das 21h30, o palco do Grande Auditório recebe a voz de Teresa Salgueiro, que inaugurou este mesmo espaço cultural, num concerto especial que será acompanhado pela Orquestra de Guimarães. Esta coprodução d’A Oficina e da Câmara Municipal de Guimarães tem entrada livre, com a particularidade de os bilhetes poderem ser levantados no dia do espetáculo, estando limitados a dois bilhetes por pessoa.

No fim de semana seguinte, a 19 de setembro, as honras de destaque vão para Tiago Rodrigues – recentemente distinguido com o Prémio Pessoa 2019 – num momento que marca a estreia absoluta da sua mais recentemente encenação, Catarina e a beleza de matar fascistas, num regresso do teatro a este grande equipamento cultural. Já em outubro, um mês invulgar para este acontecimento, será altura de receber a 7ª. edição do festival Westway LAB, que acontecerá nos dias 14, 15, 16 e 17. Depois de ter sido transposto da primavera para o outono, o festival apresentará uma nova configuração híbrida que conjuga a experiência presencial com acesso digital a conteúdos importantes. Desta forma, na impossibilidade de manter a tradição de unir artistas nacionais e internacionais para processos de criação, na abertura do festival será celebrado o legado das últimas seis edições das residências artísticas.

De seguida, terá lugar um programa de concertos a decorrer no Grande Auditório do CCVF, o qual irá reunir nomes e projetos artísticos, como: The Legendary Tigerman, Valter Lobo, Mão Morta Redux, Tó Trips, The Lemon Lovers, Miramar, Evols, Seiva e IAN – estes dois últimos são uma estreita colaboração com a plataforma Why Portugal.

As Conferências PRO, que contarão com a participação de nomes como Roberta Medina e Rob Challice, acontecem nos dias 15, 16 e 17 e serão difundidas através de uma plataforma digital criada para o efeito, pela AMEI – Associação de Músicos Artistas e Editoras Independentes, com o intuito de dar a conhecer Guimarães ao mundo. A demonstração do talento e a partilha do conhecimento assumem um novo contexto, que pretende unir o espaço territorial e virtual. Ainda sobre o Westway LAB, o festival terá bilhetes diários a 12,5€ para os dias 16 e 17 de outubro, estando ainda disponível um passe para os dois dias com o valor de 20€. Os concertos do dia 15 serão de entrada gratuita.

O dia 24 de outubro traz Camané & Mário Laginha, pelas 21h30, a Guimarães, com o mais recente projeto Aqui Está-se Sossegado, ao passo que o sábado seguinte, dia 31, colocará de novo a dança em cima do palco, com a peça Romeu e Julieta, numa apresentação a cargo da Útero. Novembro trará Afonso Cabral ao CCVF para pisar o palco do Café Concerto, às 23h00, para apresentar o seu primeiro álbum em nome próprio, Morada.

Radiohead Jazz Symphony ©D.R.

Segue-se o incontornável regresso do Guimarães Jazz numa vigorosa 29ª. edição que se apresenta com mais 100 músicos portugueses, ao longo de nove concertos, no CCVF e no CIAJG, neste que é já “um festival para tempos incertos”, como refere o programador do evento, Ivo Martins. O programa desta edição permitirá reunir, como é já habitual, diferentes abordagens, através de nomes como: Andy Sheppard Costa Oeste, Duo Set, The Book of Void, César Cardoso Ensemble, os projetos Big Band ESMAE, Porta-Jazz (interpretado por Hugo Raro, Miguel Amaral, Rui Teixeira e Alex Lázaro) e Sonoscopia (este último interpretado por Miguel Carvalhais, Pedro Tudela, Gustavo Costa e Rodrigo Carvalho). A este elenco irão juntar-se ainda os concertos Radiohead Jazz Symphony & Orquestra de Guimarães, Julian Arguëlles “Aqui e Agor” e Pedro Melo Alves Omniae Large Ensemble.

O primeiro sábado de dezembro, dia 5, trará a exposição O Palácio, uma mostra dedicada aos 15 anos de Arte Contemporânea apresentados no Palácio Vila Flor, que se estenderá neste espaço cultural até março. Ainda nesse dia, já no CIAJG, é altura de assistir ao concerto dos Bing & Ruth, um projeto do compositor e pianista americano, David Moore.

Estas são apenas alguns dos destaques da programação que se avizinha para os últimos meses do ano, em Guimarães, ao passo que ainda serão reveladas diversas iniciativas no âmbito da programação de Educação e Mediação Cultural (EMC) d’A Oficina, uma vertente que manteve vários projetos a decorrer nos últimos meses e com uma grande dinâmica de oficinas, assim como outras ações culturais.

Os ingressos para a programação podem ser adquiridos nas bilheteiras do CCVF, CIAGJ, Casa da Memória de Guimarães ou a Loja Oficina, bem como nas lojas Fnac, Worten e El Corte Inglés ou no site d’A Oficina.

Partilhar Artigo: