Revista Rua

2019-08-06T14:58:15+01:00 Cultura, Outras Artes, Radar

A Oficina traz uma programação irrecusável para a próxima temporada

Já é conhecida a programação de setembro no CCVF, em Guimarães.
Annette, Adele, e Lee; ensaio pre-geral; CNB; Teatro Camões; Espectáculo; Dança; Lisboa; ©Hugo David 2019
Maria Inês Neto6 Agosto, 2019
A Oficina traz uma programação irrecusável para a próxima temporada
Já é conhecida a programação de setembro no CCVF, em Guimarães.

As oficinas do Teatro Oficina (OTO) são a ferramenta formativa do Teatro Oficina, a companhia de teatro de Guimarães, dirigida a jovens e não-tão-jovens entusiastas do teatro. Durante um ano as oficinas serão um espaço de encontro, partilha e aprendizagem sobre a arte performativa. Na temporada de 2019/20, os alunos das OTO repartem-se em três turmas: Jovens (dos oito aos 12 anos), Iniciação e Criação. A orientação das OTO está a cargo de Manuela Ferreira e a criação final de Nuno Preto.

O programa cultural arranca no fim de semana de 6 e 7 de setembro com Manta, nos jardins do Centro Cultural Vila Flor (CCVF). Os dois dias de programação do Manta constroem-se entre as costas do Oceano Atlântico, de Portugal aos EUA, passando pelo Brasil. Na sexta-feira, Bruno Pernadas sobe ao palco acompanhado pelos seus cúmplices habituais com o disco Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them. O músico voltará ao palco no dia seguinte num concerto especial para público infantil. A primeira noite começa com Momo, que apresentará o seu novo disco, enquanto a noite de sábado arranca com o rock de influências folk de Serushiô, banda de Sérgio Silva. O Manta encerra com a poderosa voz de Holly Miranda, que se apresenta a solo num concerto em formato intimista.

Annette, Adele, e Lee; ensaio pre-geral; CNB; Teatro Camões; Espectáculo; Dança; Lisboa; © Hugo David 2019

Na Loja Oficina vendem-se Cantarinhas dos Namorados, peças do Bordado de Guimarães e outras de obras de artesanato vimaranense. No mesmo espaço surgem exposições e oficinas regulares com o património e a história em primeiro plano.

No sábado, dia 14 de setembro, Rui Lopes e Victor Hugo Pontes voltam a criar para o elenco da Companhia Nacional de Bailado, num programa duplo para uma só noite. Annette, Adele, e Lee é a nova criação de Lopes Graça e toma o nome de três bailarinos de sapateado. Já Madrugada é uma peça de Victor Hugo Pontes, que põe os bailarinos clássicos perante a ideia de festa e exaustão, levando-os até um estado onde a reação é o único movimento que lhes resta. Madrugada é um espetáculo em transe. Já no dia 17, é no Grande Auditório que Joana Gama e Luís Fernandes apresentam a peça At the still point of the turning world, um trabalho original que cruza o piano e a eletrónica, com a cumplicidade de José Alberto Gomes na orquestração e arranjos.

De 20 de setembro a 31 de dezembro, na Casa do Pátio, é inaugurada a exposição que resulta do trabalho do fotojornalista Hugo Delgado.

Ainda em setembro, dia 21 (sábado), o vimaranense Manuel de Oliveira apresenta o mais recente trabalho discográfico, [Entre], onde a sua guitarra ibérica se cruza com outros sons tradicionais, incluindo os do acordeão de João Frade e do violoncelo de Sandra Martins, músicos que o acompanham em palco neste concerto.

MANTA 2019 Holly Miranda

O CIAJG – Centro Internacional das Artes José de Guimarães – recebe, a 29 de setembro, uma visita performativa. Ponto de Fuga tem direção e dramaturgia de Nuno Preto. Ainda no CIAJG, até dia 6 de outubro, acontece o 2º ciclo de exposições. Geometria Sónica é uma exposição com curadoria de Nuno Faria, uma versão do projeto que, durante cerca de um ano, reuniu um conjunto de artistas que trabalharam a partir do contexto institucional do Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas – em diferentes plataformas físicas e conceptuais. Também a exposição de estruturas escultóricas e pictórica de Carlos Bunga, originalmente apresentada no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), documenta as construções de grande escala que o artista cria e destrói como performance.

A programação cultural pode ser conhecida na íntegra no site do CCVF.

Partilhar Artigo: