Revista Rua

2020-03-26T10:37:36+00:00 Cultura, Outras Artes, Radar

A zet gallery e o dstgroup vão premiar uma obra artística, num concurso para artistas nacionais e internacionais

Este prémio conta com o apoio do Instituto de Ciência e Inovação para a Bio-Sustentabilidade (IB-S) da Universidade do Minho.
©D.R.
Redação
Redação13 Fevereiro, 2020
A zet gallery e o dstgroup vão premiar uma obra artística, num concurso para artistas nacionais e internacionais
Este prémio conta com o apoio do Instituto de Ciência e Inovação para a Bio-Sustentabilidade (IB-S) da Universidade do Minho.

O dstgroup e a zet gallery anunciaram ontem, em Braga, o prémio Arte em Espaço Público & Sustentabilidade – uma iniciativa inovadora que pretende afirmar um pensamento estratégico sobre a economia circular, a partir da criação artística contemporânea.

Este prémio conta com o apoio do Instituto de Ciência e Inovação para a Bio-Sustentabilidade (IB-S) da Universidade do Minho. O desafio passa por apresentar uma obra de arte para este espaço público, sendo que a mesma deve ser criada a partir de resíduos industriais ou provenientes da construção e demolição de edifícios. O vencedor do prémio será distinguido com um valor monetário de 7500€ e terá a sua criação artística exposta num espaço público da cidade minhota.

Esta open call é destinada a artistas nacionais e internacionais, estando disponível até ao dia 3 de abril – data limite para a submissão das propostas conceptuais e dos portefólios que cumpram os requisitos previstos no regulamento. O prémio aposta num modelo que terá por base a apresentação livre de propostas e não a pré-seleção de autores, de forma a fixar o conceito relacional sob o mote do projeto Arte Em Espaço Público & Sustentabilidade, como marca do grupo e da galeria, afirmando, assim, um leque de relações possíveis entre a criação artística, a natureza e a indústria.

Posteriormente, a 8 de maio, serão anunciadas as três propostas que passam à fase seguinte, terminando o prazo para a entrega das maquetes ou projetos 3D das obras a realizar no dia 26 de junho. Entre estas datas está prevista uma visita ao campus dtsgroup, permitindo aos artistas a possibilidade de avaliarem e selecionarem os resíduos disponíveis no centro logístico do grupo, liderado por José Teixeira, para a execução das respetivas criações. A 21 de julho será revelado o vencedor do prémio final, sendo que, a 3 de outubro, será inaugurada a obra de arte já no seu destino final: um espaço público da cidade de Braga, ainda a acordar por parte dos promotores do prémio e da Câmara Municipal de Braga.

A constituição do júri que avaliará todas as fases do concurso é diferenciadora e um ponto importante a ter em conta nesta iniciativa. Trata-se de um júri multidisciplinar que combina diferentes áreas do saber e sensibilidades, estabelecendo um cruzamento com outros projetos culturais promovidos pelo dstgroup. É o caso da vencedora do Grande Prémio de Literatura dst 2019, Lídia Jorge, que integra este grupo de avaliadores, juntamente com João Castro Silva, professor na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, e André Rangel, docente na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, instituições com as quais a zet gallery tem vindo a desenvolver diversos projetos comuns. O IB-S (Universidade do Minho), um parceiro privilegiado do dstgroup em vários projetos inovadores, integra também o painel de jurados, através do seu diretor-executivo, Tiago Miranda, a quem se junta, ainda, Ricardo Portela, administrador da bysteel fs, uma empresa também do grupo.

Partilhar Artigo: