Revista Rua

2019-03-07T14:07:49+00:00 Cultura, Fotografia

Abdel Queta Tavares em exposição até 30 de março

A Underdogs Gallery, situada no Poço do Bispo em Lisboa apresenta até dia 30 de março a primeira exposição fotográfica de Abdel Queta Tavares, Nha Fala. Fotografias que são a sua voz.
Fotografia ©César Reis
Cláudia Paiva Silva
Cláudia Paiva Silva6 Março, 2019
Abdel Queta Tavares em exposição até 30 de março
A Underdogs Gallery, situada no Poço do Bispo em Lisboa apresenta até dia 30 de março a primeira exposição fotográfica de Abdel Queta Tavares, Nha Fala. Fotografias que são a sua voz.

Nha Fala de Abdel Queta Tavares é cor, é estilo e é também interculturalidade, provando que num mundo politicamente correto, as suas fotos não têm espaço nem dão lugar para o negativismo que implicam as apropriações culturais.

Nascido na Guiné-Bissau em 1992, assume-se como fotógrafo, diretor criativo e stylist, e as imagens agora apresentadas, um grito de liberdade e uma revelação do seu génio multifacetado assim o comprovam. A Estética da Diversidade, de onde esta Nha Fala é resultado, apresenta um universo marcado pelo cruzamento entre cenários, adereços, guarda-roupa, escolhidos a dedo por este mestre-de-cerimónias, apostando em modelos singulares, pessoas únicas que se cruzaram pelo seu caminho e que, por uma razão ou outra, lhe captaram a atenção e souberam criar uma ligação com o artista. Sendo que a maioria são de origem africana, num apego à terra sentido dentro de Abdel, também se encontram nestas telas captadas por máquina fotográfica, outras pessoas e outras culturas, num intercâmbio racial em harmonia com um mundo global.

Fotografia ©César Reis

Destacam-se os movimentos, as poses coreográficas, as cores dos tecidos e das maquilhagens, o chapéu vermelho que caracteriza o autor, e que o tornou mundialmente conhecido quando o fotógrafo britânico David Cantor o retratou e a sua imagem apareceu na National Portrait Gallery. Destaca-se tudo o que faz com que Abdel se torne único dentro do género, a alegria das pessoas, os sorrisos, as chamas e que exultam quando são fotografados, mas principalmente a mestria de fazer com que todos se sintam bem e à vontade. Nas palavras de Annie Costa, uma das convidadas a fazer parte desta família, trabalhar com Abdel numa tarde de verão só poderia ter sido em Lisboa, depois de uma viagem ter sido adiada: “Enquanto fotógrafo de retrato, tiramos algumas fotos, sendo que a de perfil foi a escolhida para exposição. Creio que a foto espelha bem a minha interpretação de olhar de esperança (risos) e o Abdel conseguiu captar bem isto”

Um marco de luz e cor, pela inteligência e mestria de Abdel, a pedir que a primavera chegue mais depressa e nos aqueça a todos, aceitando as nossas semelhanças e diferenças, e que nos envolva num forte abraço em forma de brisa humana.

Partilhar Artigo: