Revista Rua

2021-01-20T10:43:59+00:00 Negócios

Ambitious: a reputada marca portuguesa na conquista de mercados internacionais

Fomos conhecer as raízes desta marca portuguesa que tem vindo a conquistar o mercado internacional.
Pedro Lopes e Pedro Santana | Fotografia ©Nuno Sampaio
Maria Inês Neto19 Janeiro, 2021
Ambitious: a reputada marca portuguesa na conquista de mercados internacionais
Fomos conhecer as raízes desta marca portuguesa que tem vindo a conquistar o mercado internacional.

Definida por uma atitude estética muito jovem, moderna e futurista, a Ambitious pretende revolucionar o setor do calçado masculino, apresentando propostas essenciais que se diferenciam pelo selo de qualidade associado. Fomos conhecer as raízes desta marca portuguesa que tem vindo a conquistar o mercado internacional.

A Ambitious nasce no seio de um negócio de fábrica, criado em 1994, por dois irmãos que são ainda hoje sócios da empresa e a quem se veio juntar uma terceira pessoa aquando a criação da marca. Inicialmente, o negócio passava apenas por processos de corte e costura para diversas marcas nacionais e internacionais de produção de calçado. Os anos passaram e trouxeram com eles novas técnicas, novos desafios, a conquista de novos mercados, assim como a necessidade de internacionalização e a vontade de criar uma marca própria, que chegaria por volta de 2008. Uma marca contemporânea e exclusiva de calçado masculino, mas com uma enorme herança no setor da produção têxtil, o que assegura um importante selo diferenciador de qualidade durante todo o processo, desde a escolha dos materiais e do design dos modelos até ao produto final, sendo que tudo acontece dentro de portas. Sediada em Guimarães – a capital portuguesa da indústria do calçado – a Ambitious representa cerca de 30% a 40% da produção na fábrica, ao passo que a restante parcela se destina à produção em massa para diversas marcas que valorizam precisamente a autenticidade da Ambitious. Segundo o brand manager da marca: “Para nós é muito importante o made in Portugal e o know-how que é transportado para cada sapato. É um selo de qualidade que nos diferencia”.

Moderna, futurista e, como não poderia deixar de ser, ambiciosa, falamos de uma marca que nasce com o propósito de testemunhar o legado que dita a sua história. “O foco da marca é quase exclusivamente o calçado masculino, numa vertente mais desportiva e não tão clássica, ainda que dentro da coleção se encontrem sapatos mais casuais, mas a grande aposta está nos sneakers”, conta-nos o diretor de comunicação da Ambitious, Pedro Santana, acrescentando: “Procuramos andar sempre em cima das últimas tendências. O fashion forward é um dos nossos pilares e acreditamos que o design é uma das nossas forças, aliando sempre à qualidade de produção que está associada ao calçado português”.

Com o mercado italiano a ditar as principais trocas, quer de importação de materiais como de exportação de produtos, a marca mantém uma forte aposta na produção nacional, uma vez que, “são os dois países com maior reputação na produção de calçado”, segundo Pedro Santana. Já na parte da venda dos produtos, a marca garante que cerca de 90% é enviado para mercados internacionais. “Não somos caso único, mas, infelizmente, os portugueses ainda têm algum preconceito perante marcas nacionais. Entre cerca de 48 mercados, o português ainda é um dos que detém menor representatividade para nós”, partilha o brand manager. Quer isto dizer que não falamos diretamente do consumidor português, mas na dificuldade em chegar a superfícies multimarca, uma vez que não existe ainda uma loja própria da Ambitious – um projeto desejado, mas a seu tempo.

No início deste ano, a Ambitious anuncia o lançamento inesperado da primeira coleção-cápsula de roupa, que assenta numa nova visão estratégica da marca, no sentido de permitir a entrada em novos mercados complementares ao produto base da Ambitious: o calçado. “Para nós, tendo este novo tipo de cliente, fazia sentido ganhar espaço na vertente de vestuário, para que possam reconhecer a Ambitious como uma marca mais completa”, partilha Pedro Lopes. Também definida por um estilo muito jovem e uma estética que nos remete para a década de 90, onde é visível uma explosão de cores em padrões irreverentes, esta coleção-cápsula é um escape à monotonia do dito convencional. Recorrendo a técnicas inteligentes de design, linhas simples e assertivas, bem como uma atenção meticulosa aos detalhes essenciais, prevalecem os materiais puros em toda a coleção, transmitindo uma identidade que era já muito própria da Ambitious. “O nosso objetivo é que a marca ofereça opções para um look total”, conta-nos Pedro Lopes. Desta coleção, destacam-se as silhuetas confortáveis, que vão desde estilos mais skinny ao moderno oversized, aliando o culto da tendência de streetwear ao melhor do sportswear.

Com um lançamento muito ansiado em pleno contexto de pandemia, a marca garante que a aceitação a esta coleção-cápsula foi surpreendente, ainda que denotem um forte impacto negativo no negócio – situação que se alastra a praticamente todo o setor da indústria têxtil. Para o diretor de comunicação: “O nosso maior mercado era o italiano, que foi logo um dos mais afetados da Europa. O norte de Itália continua com a maioria das lojas fechadas e, portanto, não há forma de vender”. Se entendermos a moda como um ciclo, percebemos que qualquer quebra irá afetar a continuidade da cadeia de produção. Na generalidade, a impossibilidade de importar o material e escoar a produção levou a uma quebra de vendas, obrigando a que muitas marcas se voltassem para o online numa tentativa de colmatar este desafio. O mesmo aconteceu com a Ambitious. “Apesar de ter sofrido um pouco, a marca acabou por crescer em alguns mercados e está a ganhar cada vez mais o seu espaço a nível internacional e, aos poucos, também em Portugal”, conta-nos o brand manager, acrescentando: “Foi um ano muito desafiante, porque não dependia só de nós. É por isso que é importante mostrar a dificuldade do setor de produção de calçado, assim como dependência de mãos capazes”.

Ainda que em tempos tão incertos para o setor, a marca está assumidamente “ambiciosa” e segura da vontade de continuar a levar o cunho da qualidade nacional além-fronteiras.

Partilhar Artigo: