Revista Rua

2021-03-30T14:14:04+01:00 Bússola, Viagens

American Tourister x Revista Rua: À viagem com Leonor Macedo

Leonor Macedo tem apenas 22 anos, mas já conta várias viagens no seu "currículo".
Andreia Filipa Ferreira
Andreia Filipa Ferreira29 Março, 2021
American Tourister x Revista Rua: À viagem com Leonor Macedo
Leonor Macedo tem apenas 22 anos, mas já conta várias viagens no seu "currículo".

Bilhete de Identidade:

Nome: Leonor Macedo

Idade: 22 anos

Curiosidade sobre a própria: Adoro viajar, é a coisa que mais gosto de fazer. Quando era pequenina não gostava nada de andar de avião, mas quando percebi onde me levava, deixei-me logo desse medo!

Como escolhe os destinos de viagem?

Não sou muito esquisita na escolha de destinos. Gostava de conhecer o mundo inteiro e, portanto, qualquer que seja o destino sei que a experiência vai valer a pena. No entanto, normalmente na escolha de um destino, tenho em conta se é quente e se tem mar. Para mim, uma viagem a um sítio paradisíaco, quente e com mar é sempre uma boa ideia! São duas coisas que pondero muito na escolha de um destino.

Top 3 de viagens inesquecíveis?

Ásia: fiz uma viagem por vários países da Ásia (Singapura, Camboja, Filipinas, Bali) e acho que este é o número 1 do meu Top.

Porquê: Foi uma viagem inesquecível. Vi várias realidades muito diferentes. Passei dois meses nesta viagem e adorei várias coisas. O povo asiático é um povo muito simpático, sempre disponível para ajudar e essa foi uma das coisas que fez da minha experiência uma experiência tão especial. As praias paradisíacas, toda a natureza, quase que selvagem, foram também aspetos que me fizeram apaixonar por estes destinos. Destes países todos, o que mais gostei foi, sem dúvida, Siargao, uma ilha nas Filipinas. Aquilo que mais adorei em Siargao foi a dimensão da natureza. Nunca vi um sítio com tantas palmeiras, tanto verde… E onde as palmeiras acabavam, começavam praias paradisíacas de areia branca e água super transparente (e quente, para mim até quente demais). É, sem dúvida, um sítio onde quero voltar.

Onde ficar: Em Siargao – Lamari; Em Canngu – The Starling Villa, Fig Villa; Em El Nido – Frangipani El Nido;

Onde comer: Em Siargao – Shaka Café, CEV: Ceviche & Kinilaw, Buddha Thai Cuisine, Altrove Siargao, Isla Cusina, Bravo. Em Bali: Single FIn, The Loft, The Cashew Tree, District 6, Echo Beach Club, Café Organic, The Common, Deus, La Bandida, Crate Café,…

O que ver: Muita coisa mesmo! Em Canggu ir ver o Pretty Poison à noite – uma skate bowl onde ficam skaters profissionais a andar de skate e tudo à volta em ambiente de bar a ver. Um grande ambiente. Em Siargão ir ao Cloud 9, muitas Caves giras para visitar. Muitas ilhas paradisíacas, muitos sítios para se saltar com uma corda para o mar. Ir a The Maasin River Rope Swing… lindo!

Bali: Já estive em Bali 2 vezes e das duas vezes tive experiências muito distintas, mas ambas únicas e inesquecíveis. Da primeira vez estive a fazer voluntariado durante duas semanas e apaixonei-me pelo povo. Durante essas duas semanas dormi em casa de uns locais e foi uma experiência única, senti que fazia mesmo parte deles. O meu voluntariado era com crianças e o meu papel era ensinar inglês e regras básicas de higiene (coisas que para nós são indispensáveis e quase nascem connosco, como lavar os dentes ou as mãos, e que para eles é uma coisa que nem sempre faz parte da realidade). Foi muito bom ter contacto com uma realidade tão diferente. Brincar com aqueles miúdos e ver os sorrisos grandes nas caras deles foi único. Da segunda vez que fui, foi uma viagem mais de descanso e de lazer. Foi incrível também. Apesar de já conhecer a maior parte dos sítios, pareceu que estava outra vez a ver tudo pela primeira vez. Há muitas coisas para fazer e aquilo que mais me apaixona em Bali é todo o lifestyle descontraído, pé descalço, surf, comida ótima, não há pressas para nada. Outro aspeto muito positivo nesta viagem é que com um budget muito reduzido conseguimos ter experiências únicas. É tudo muito barato.

 

Rio de Janeiro: Esta viagem fiz já há bastantes anos com o meu pai. Adorei conhecer o Rio. Aquilo que mais me apaixonou foi a boa disposição das pessoas. A alegria e descontração que todos tinham. Lembro-me de, às 21h00, ver pessoas a chegarem do trabalho e irem dar um mergulho à praia antes de ir para casa, juntarem-se a jogar volley na praia, ou num bar a beber uma caipirinha e a porem a conversa em dia. Parece que é um povo que não para, que procuram sempre momentos de alegria e de convívio. E gostei muito disso! Há sempre muitas coisas a acontecer, muita praia, muito calor, muita música. É, sem dúvida, um destino onde quero voltar. Foi muito especial ter feito esta viagem também com o meu pai, é uma viagem que vai ficar para a vida.

Histórias curiosas ou peripécias inesquecíveis que tenham acontecido durante uma viagem?

Uma peripécia que nunca me vou esquecer: estava numa ilha pequenina nas Filipinas (que decidi ir visitar à última da hora. Não estava mesmo planeado) e precisava de apanhar um barco para outra ilha onde ia ficar hospedada. Fomos até ao porto, compramos o bilhete e sentamo-nos à espera. Estava muita gente, muito calor e a espera parecia nunca mais acabar. Até que nos avisaram que o barco estava três horas atrasado. Esperamos, esperamos e quando finalmente estava quase na hora, começou uma agitação e percebemos que o barco que tinha saído antes do nosso (à hora que supostamente devíamos ter ido nós) tinha quase virado com a tempestade e teve de voltar para trás. Corria até uma notícia que tinha caído alguém ao mar. Disseram-nos que tínhamos de esperar até às 8 da manhã do próximo dia para ver se havia lugar no barco da manhã. Estavam filas enormes e não tínhamos onde ficar. Até que vimos um grupo muito agitado a abordar várias pessoas sobre uma solução. Era um outro porto, a três horas de distância de carro, que ainda tinha um último barco do dia e que como era noutra ponta da ilha não era tão afetado pela tempestade. Precisávamos de reunir dez pessoas para poder apanhar um transfer para o outro porto. Rapidamente começámos a abordar vários grupos até reunirmos as outras oito pessoas. Foram três horas de caminho até lá e, quando chegamos, a fila para os bilhetes já era enorme. No meio disto tudo não comíamos há horas e por causa da tempestade não havia eletricidade na ilha e os sítios estavam todos fechados. Havia só um McDonalds com uma fila interminável. Entretanto, depois de várias horas na fila acabamos por perder o último barco do dia e quando conseguimos o nosso bilhete para o primeiro barco da manhã disseram-nos que havia um alerta de tempestade e tínhamos de ficar dentro de um ginásio em fila até à hora do barco. Ficamos 28h num ginásio fechados com mais 300 pessoas, uns a dormir no chão em fila e outros em pé à luta pelos últimos bilhetes. Foram horas intermináveis. Quando finalmente era de manhã, soubemos que algumas pessoas tinham oferecido mais dinheiro pelos bilhetes e que os nossos bilhetes tinham de ficar para outros barcos mais tarde… Foram quase dois dias à espera de um barco! Parecia mentira quando chegamos à outra ilha. Chegamos a dormir de pé… Acho que nunca me vou esquecer desta experiência.

Qual a situação mais maravilhosa, chocante ou diferente que viveu em viagem?

Não foi durante uma viagem, mas é sem dúvida uma das situações mais maravilhosas que vivi: estar a surfar e aparecerem vários golfinhos ao meu lado. Foram cinco minutos mágicos.

O que aprendeu numa viagem que ficou como ensinamento para a vida ou que se tornou marcante?

Sermos flexíveis. Aceitarmos a realidade como ela é e tirar o melhor partido dela. Acredito que nada nos acontece por acaso e cada situação em que somos postos quer-nos ensinar algo. Temos de saber ouvir e crescer com isso.

O que não pode faltar numa mala de viagem American Tourister?

Um fato de banho! Seja uma viagem de calor, frio ou mesmo de neve é uma coisa que levo sempre comigo!

Dicas de viagem que acha úteis?

Não levar demasiada coisa!

O melhor de viajar é…?

Conhecer novas realidades, novas pessoas, novas experiências. Desligar da nossa própria realidade e rotina durante uns dias.

Bucket list (locais a visitar, comidas a experimentar, experiências a ter, sítios onde ficar, etc.)?

A minha bucket list é infinita, mas no top destinos estão: México, Costa Rica, Califórnia, Nicarágua, Maldivas, Sri Lanka…

Para conhecer melhor a Leonor Macedo e acompanhar as suas viagens, visite a sua página aqui.

Partilhar Artigo: