Revista Rua

2019-10-11T17:57:50+01:00 Opinião

As Pessoas Sensíveis

Sociedade
Redação
11 Outubro, 2019
As Pessoas Sensíveis

Existe um fantástico poema da Sophia de Mello Breyner Andresen, intitulado “As pessoas sensíveis”. Não sendo meu propósito analisar esse poema hoje (ainda que aconselhe vivamente que o leiam!) irei apenas referir que, nele, Sophia denuncia aqueles que ela considera hipócritas, que sugam o trabalho dos outros e que se apresentam, a nível religioso, cheios de devoção. E é sobre pessoas hipócritas que hoje me apetece tecer alguns comentários. Não propriamente aqueles que vivem do trabalho dos outros e que se apresentam como “falsos santos”, mas daqueles que me sugam um pouco de vida, bem-estar e até de alegria pela sua forma de estar e de ver a vida e por se apresentarem como, também eles, “falsos santos”.

A nossa vida está recheada de pessoas hipócritas. As pessoas de que vou falar consideram, normalmente, que ocupam uma certa posição na sociedade e que desempenham um certo papel nela. Tenho por hábito identificá-los com uma imagem que me ficou das minhas aulas de história: o baixinho e gordo pequeno-burguês. Claro que é apenas uma imagem fictícia e que muitos dos que identifico não se assemelham, fisicamente, à caracterização que acabo de fazer. Tem sobretudo a ver com uma certa forma de estar na vida. São pessoas muito “sensíveis” que se preocupam com os problemas de toda a gente e, sobretudo, com a forma de viver de cada um. Pessoas que se preocupam com a moral. Pessoas que apontam o dedo na esperança que o dedo acusador não lhes seja apontado a eles!

Não sejamos ingénuos. Não são pessoas preocupadas com a vida dos outros por serem totalmente altruístas. Nada disso. Gostam de estar aqui e ali, percorrer vários locais, falar com toda a gente e incluir-se em todas as conversas, quais “libelinhas” para assim ter pleno conhecimento da vida de toda a gente. Assim poderão fazer uma das coisas que mais gosto lhes dá: tecer comentários (habitualmente pouco positivos) sobre toda a gente.

Imagem representativa

São pessoas que raramente dizem o que pensam sobre um assunto. Dizem o que se espera que eles digam. Por isso tentam nunca entrar em conflito com ninguém. É claro que, pelas costas, outro galo cantará. Munidos das preciosas informações que foram recolhendo aqui e ali, irão usá-las a fim de mostrar o quão erradas são as outras pessoas e o quanto eles são corretos, vivendo pelas regras! Por isso esses “sensíveis” enchem o discurso de frases feitas como “a moral e os bons costumes”, o “apresentar-se com decoro” e outras que tais. Apontam o dedo a todos aqueles que fogem do estilo de vida que consideram correto (casamento, filhos, casa, carro e cão). Os divorciados, os solteiros, os que escolheram a profissão antes da relação, os que têm opções sexuais diferentes, os que vestem de um modo diferente, os que têm a coragem de ser e fazer diferente, entre tantos outros, são seres merecedores de desconfiança e de crítica. Afinal essa gente põe em causa o estado das coisas! O mundo pode ficar desarrumado!

Os “livres” são pessoas que não vivem de acordo com as regras pré-estabelecidas. O grande problema para “os sensíveis” são essas pessoas que decidiram ser diferentes, decidiram quebrar as regras. São corajosos que decidiram pegar a vida pelos cornos, como se de um touro se tratasse, e que não aceitam que ela, a vida, lhes dê menos do que eles merecem. Não se acomodam. Por isso têm coragem de lutar pela felicidade nem que essa felicidade implique mudar de vida, mudar de cidade ou país, divorciar… Vivem pelo que acham correto e provam que o mundo é cheio de cor. E isso afronta os “sensíveis” que veem o mundo a preto e branco. Para eles tudo é muito bem definido, sejam cores, sejam regras, sejam formas de viver. Claro que não poderão aceitar qualquer pessoa que lhes mostre que viver é misturar toda uma série de tons, misturar as regras e obedecer apenas à mais importante: ser feliz.

“Os “livres” são pessoas que não vivem de acordo com as regras pré-estabelecidas. O grande problema para “os sensíveis” são essas pessoas que decidiram ser diferentes, decidiram quebrar as regras. São corajosos que decidiram pegar a vida pelos cornos, como se de um touro se tratasse, e que não aceitam que ela, a vida, lhes dê menos do que eles merecem. Não se acomodam.”

Os “sensíveis” consideram os “livres” como uma ameaça ao seu mundinho construído com tanto cuidado. Por isso o “livre” lhe causa tanta brotoeja. Esses seres cheios de liberdade podem causar brechas naquela vida de fachada. Ao estarem de bem com a vida poderão dar a entender aos outros que existem várias formas de ser feliz e que o importante é viver. Poderão dar a entender que é legítimo recusar-se a viver um dia atrás do outros sem ter outro objetivo que não seja o sobreviver a uma vida sensaborona. Poderão dar a entender que a vida é para ser vivida e não suportada. Os “livres” perceberam isso. Os “sensíveis” eventualmente terão percebido mas falta-lhes a coragem para seguir essa máxima. E é por isso que os “sensíveis” tanto criticam e apontam os dedos aos “livres”. Uns descobriram que há um caminho a trilhar, por vezes difícil, para ser feliz. Os outros acomodaram-se a um papel que a sociedade lhes impôs. Sentaram-se a ver a vida passar e revoltam-se quando veem alguém em grande atividade a ser feliz, à sua maneira.

O que realmente me incomoda nos “sensíveis”? O embaterem contra mim com as suas ideias pré-concebidas e roubarem-me, nem que seja por instantes, a minha paz e a minha alegria de viver… Só por isso falo neles. Voltando ao poema da Sophia citado termino dizendo: “Perdoai-lhes Senhor/ Porque eles sabem o que fazem”.

Sobre a autora:
Estefânia Barroso é professora e, nas horas vagas, cronista e contista.
Gere o blog steff’s world – a soma dos dias.

Partilhar Artigo: