Revista Rua

2019-11-11T12:50:29+00:00 Cinema, Cultura

Beatriz Batarda foi a grande homenageada da quinta edição do Ymotion

O grande percurso da atriz que protagonizou a série Sara este ano foi aplaudido na sessão de encerramento da quinta edição do Ymotion, o festival de cinema jovem de Famalicão.
Andreia Filipa Ferreira11 Novembro, 2019
Beatriz Batarda foi a grande homenageada da quinta edição do Ymotion
O grande percurso da atriz que protagonizou a série Sara este ano foi aplaudido na sessão de encerramento da quinta edição do Ymotion, o festival de cinema jovem de Famalicão.

No passado sábado, dia 9 de novembro, o Centro de Estudos Camilianos, na freguesia famalicense de Seide, foi o palco escolhido para a atribuição dos prémios da quinta edição do Ymotion – Festival de Cinema Jovem de Famalicão. Com 44 curtas metragens a concurso, provenientes de mais de 170 candidaturas de jovens realizadores de todo o país, Pedro Cabeleira foi um dos grandes vencedores da noite, arrecadando o prémio de Melhor Filme e Melhor Elenco com Filomena, a história de uma empregada doméstica que sonha mais alto do que as suas possibilidades. Nas restantes categorias, destaque para Estranha Casa na Bruma, de Guilherme Daniel (Prémio de Fotografia), Direito à Memória, de Rúben Sevivas (Melhor Documentário), Equinox, de Bruno Carnide (Melhor Argumento e Melhor Animação), Billy: The Kid e Jonnhy: The Punisher, de César Santos (Prémio Escolas Secundárias) e O Jardim, de Bruno Moreira (Prémio Público). Os prémios foram atribuídos por um comité de jurados de luxo: o argumentista Tiago R. Santos, a atriz Soraia Chaves, o professor, ilustrador e animador digital Pedro Mota Teixeira, o humorista e argumentista Nuno Markl, o jornalista Tiago Fernandes Alves, o apresentador do Cinebox Vitor Moura e a realizadora e atriz Inês Sá Frias.

De acordo com o comissário do Ymotion, o crítico de cinema Rui Pedro Tendinha, esta edição do Ymotion foi um exemplo: “Eu sinto que o Ymotion apareceu, deu tempo para as pessoas perceberem o seu conceito e agora já é uma referência, o que é ótimo! Agora, há outro passo a dar: consolidar o festival e encontrar uma linha, que envolva algumas retrospetivas e homenagens. Criar uma ideia de cinefilia que o demarque, sem ser radical, mas que aproxime as pessoas, que faça as pessoas perceberem a mais valia que podem encontrar aqui… que é o cinema de qualidade! Queremos que o Ymotion seja associado a filmes bons, a jovens cineastas”, afirmou.

Já a atriz Beatriz Batarda foi a homenageada deste ano, num reconhecimento público pela sua já vasta carreira no teatro, na televisão e no cinema. Acompanhada pelas suas três filhas, que carinhosamente distingui como a sua “missão mais querida”, a atriz viajou até Famalicão para se dirigir sobretudo aos jovens talentos da plateia, apelidando-os de “heróis” e, ao mesmo tempo, “desgraçados”, destacando as dificuldades da área do audiovisual em Portugal. “Não se iludam porque vocês são os desgraçados (…) Vocês são os desgraçados porque estão condenados a viver uma vida em risco”. Em entrevista à RUA, a atriz afirmou estar contente com o reconhecimento: “É sempre bom sermos reconhecidos pelo nosso trabalho, que é um trabalho que eu faço com muita paixão há 25 anos. É muito bom fazer parte das aspirações dos jovens, fazer parte do crescimento da juventude do meu país. Há 13 anos que estou ligada ao ensino da representação, em teatro e cinema, e é um trabalho que eu gosto muito de fazer. É como ser pai e mãe. É criar pontes para que os jovens descubram qual é o seu caminho pessoal. Porque não há fórmulas”, disse Beatriz Batarda. Questionada a propósito da importância de seguir os sonhos apesar da exigência da área, a atriz respondeu que a “excelência é sempre difícil”. “Tudo depende da seriedade com que nós nos queremos comprometer com um percurso de vida. Mas o caminho não é sempre a direito, podemos nos desviar do caminho e está tudo bem”, rematou.

Rui Pedro Tendinha acredita que o “percurso incrível” de Beatriz Batarda é mérito mais do que suficiente para a atribuição deste prémio carreira: “É importante não olharmos só para a idade das pessoas, é o percurso. A Beatriz já tem um percurso incrível, ela começou cedo, mas acho que um prémio de carreira, de homenagem, não precisa de olhar para a idade. Quem sabe um dia atribuiremos um prémio a uma atriz ainda mais jovem. Acho que só dar prémios a consagrados dá preguiça”, diz, bem-disposto. Olhando para o Ymotion como um incentivo para atores e realizadores mais jovens, o crítico de cinema não quis deixar de aproveitar o momento para analisar esta fase do cinema em Portugal, que parece ter vivido bons dias com Variações, de João Maia, e A Herdade, de Tiago Guedes. “Eu, por acaso, acho que isto foi um momento. Tão cedo, se calhar, não vamos voltar a ter isto, mas mostrou que com projetos ideais vamos lá. É necessário perceber porque é que estes filmes resultaram. Se calhar, agora, os produtores nacionais perceberam que é preciso um certo tipo de cinema que não trate um espetador assim de forma tão banal. Se virmos bem, o Variações não era um filme assim tão popularucho… e as pessoas gostaram!”, revela Rui Pedro Tendinha.

Jurados e convidados da quinta edição do Ymotion

Ainda a atriz Isabela Valadeiro se juntou a esta noite de encerramento de mais uma edição do festival de cinema jovem do Município de Famalicão, coordenado pela vereadora da Juventude Sofia Fernandes. A atriz reconhecida do público graças ao seu papel como Aisha, na novela Valor da Vida e Telma, em Golpe de Sorte, falou com a RUA sobre a importância deste género de festivais. “É a primeira vez que tenho a oportunidade de amadrinhar um festival de cinema. Acho que é muito bom existirem iniciativas como esta, que permitem a mostra de talentos e criatividade dos jovens. É importante e é fundamental! Acho que devia apostar-se em iniciativas destas também noutras regiões do país – e eu que sou alentejana tenho de puxar a brasa à minha sardinha. Talvez a ideia possa, um dia, partir de mim. Considero que é cada vez mais importante o acesso à cultura e, por isso, estou muito honrada com este convite. Confesso que o cinema é uma área que me interessa, apesar de eu estar mais envolvida na televisão. Estou muito feliz e muito grata por este convite e quero parabenizar todos os nomeadas e todos os jovens corajosos que decidiram realmente fazer estas curtas”, assegurou a atriz, acrescentando ainda: “Esta é uma área que que exige muita emoção, muito amor pela camisola. É uma área difícil a nível financeiro e a nível emocional… portanto, quando se ama é bom haver esta luta e esta coragem. É muito bonito ver esta coragem num festival jovem, com tantas inscrições. Revela que há muitos jovens que já têm muitas ideias e que encaram a cultura como uma área fundamental nas nossas vidas. Estamos num bom caminho, eu acho”.

O Ymotion continua agora o seu percurso levando às escolas os filmes vencedores desta edição, proporcionando aos jovens conversas com realizadores, produtores e atores reconhecidos.

Partilhar Artigo: