Revista Rua

2019-08-07T10:23:44+01:00 Cultura, Música

Bons Sons: o festival de verão de que todos falam

A 10.ª edição do Bons Sons começa já dia 8 de agosto, quinta-feira. Mas, o que tem este festival de tão especial?
Redação6 Agosto, 2019
Bons Sons: o festival de verão de que todos falam
A 10.ª edição do Bons Sons começa já dia 8 de agosto, quinta-feira. Mas, o que tem este festival de tão especial?

O Bons Sons é um festival de música portuguesa que promete aos festivaleiros uma experiência única. Porquê? Ora vamos aos factos: em primeiro lugar, o festival realiza-se na Aldeia de Cem Soldos, na freguesia da Madalena, em Tomar e podemos encontrá-la a cerca de cinco quilómetros de Tomar e a 12 de Torres Novas, percorrendo a estrada nacional 349-3. A aldeia é literalmente fechada para receber os festivaleiros, que circulam no perímetro que acolhe oito palcos integrados harmoniosamente nas ruas, praças, largos… ou até na igreja. Desta forma, um dos destaques principais do Bons Sons é, para além da música – como é óbvio –, o envolvimento entre a comunidade e os visitantes. Aliás, são os habitantes de Cem Soldos que recebem os festivaleiros, numa relação de partilha e de companhia.

Curiosidade: Em 1192, no reinado de D. Sancho I, já se falava do lugar de Cem Soldos. Diz-se que o nome deriva do facto de, neste local, ter existido um destacamento militar de cerca de cem homens, aos quais, periodicamente, eram enviados “100 soldos” como pagamento dos seus serviços. Hoje a aldeia tem cerca de mil habitante e um verdadeiro espírito comunitário.

De 8 a 11 de agosto, a aldeia de Cem Soldos ganha então nova vida. Para além da música – já lá vamos, calma! –, a aldeia recebe feiras de artesanato, exposições de arte e inúmeras atividades de animação de rua. A aldeia é, toda ela, recinto de festival e, por isso, à chegada, o visitante coloca a respetiva pulseira que lhe dá acesso à aldeia e aos locais de espetáculo. A partir deste momento, deixe-se levar pelo ambiente e confraternize com os habitantes de Cem Soldos!

Não esquecer: o Bons Sons é um festival cashless, ou seja, não pode ser efetuado nenhum pagamento com dinheiro vivo em qualquer ponto do recinto. Por isso, os festivaleiros têm obrigatoriamente que carregar as suas pulseiras, podendo pedir a devolução do dinheiro não gasto até às 5h de cada dia de festival.

Vamos então à música! Com o objetivo de promover os seus lugares e as suas tradições, o Bons Sons tem os seus palcos espalhados pela aldeia, convidando o público a conhecer projetos emergentes da música nacional – e recordar nomes já consagrados. No site oficial do festival podemos ler que a divulgação da música portuguesa é o ponto central: “Organizado pela associação cultural local Sport Club Operário de Cem Soldos (SCOCS), o Bons Sons pretende ser uma plataforma de divulgação de música portuguesa, onde o público descobre projetos emergentes e reencontra músicos consagrados”. Nesta lógica, o programa deste ano do Bons Sons junta Tiago Bettencourt, Luísa Sobral ou Diabo na Cruz a nomes como Budda Power Blues, Noiserv, Dino D’Santiago, X-Wife, Stereossauro, Moullinex, Paraguai, Sensible Soccers, Baleia Baleia, Joana Espadinha, Glockenwise… O ideal é conhecer o cartaz completo aqui!

Como chegar?

Para chegar ao Bons Sons, de carro, basta seguir até Tomar ou Torres Novas e, depois, seguir a Estrada Nacional 349-3 até Cem Soldos. Há vários parques de estacionamento nas imediações da aldeia. No entanto, se preferir deslocar-se de transportes públicos, o ideal é consultar os horários da CP – Comboios de Portugal com destino a Tomar ou Paialvo. A CP oferece um desconto de 30% num bilhete de ida e volta aos portadores de bilhete para o festival. Chegando à estação de comboios ou de autocarros de Tomar ou estação de comboios de Paialvo, há ligações, de hora em hora, para Cem Soldos. O bilhete de ida e volta custa 1,50€. Para mais informações, clique aqui.

Os bilhetes para o Bons Sons encontram-se à venda em todos os locais habituais, a preços que vão dos 25 euros (diário) aos 50 euros (passe geral). O campismo é gratuito para os portadores do passe geral.

Partilhar Artigo: