Revista Rua

2020-07-22T15:22:45+00:00 Bússola, Viagens

Caminhar pelos trilhos de Portugal

©D.R.
Redação
Redação22 Julho, 2020
Caminhar pelos trilhos de Portugal

Alguns dos melhores percursos pedestres do mundo encontram-se em Portugal. Aproveitando o clima ameno do nosso país – considerado um dos melhores para atividade ao ar livre -, é tempo de explorar os melhores trilhos que Portugal tem para oferecer.

©D.R.

Fisgas do Ermelo

O trilho das Fisgas do Ermelo é um dos trilhos mais emblemáticos de Portugal e fica em plena serra do Alvão, no concelho de Mondim de Basto. Este trilho é um percurso pedestre que circunda as Cascatas do rio Oslo que, com os seus imponentes 200 metros de altura, são umas das cascatas mais altas de Portugal.

O Trilho das Fisgas de Ermelo, com a designação de PR3 – Fisgas de Ermelo, permite aos caminhantes conhecer parte da lindíssima Serra do Alvão. Um novo trilho, com início na aldeia de Ermelo, permite percorrer a área das Fisgas, contemplando-as de diversas perspetivas. O trilho atravessa uma série de paisagens verdadeiramente surpreendentes.

Este trilho pode ser feito em qualquer altura do ano, mas a primavera e o outono serão as melhores alturas devido às altas temperaturas que se fazem sentir no verão.

Rota Do Javali e do Poço do Inferno (Manteigas)

Estas duas rotas são talvez das mais emblemáticas da Serra da Estrela e podem ser facilmente combinadas já que, no total, perfazem 14 km. Ao longo deste percurso pedestre encontramos florestas magníficas, mas também as quedas de água da ribeira de Leandres, as imponentes cascatas do Poço do Inferno e a soberba vista panorâmica sobre Manteigas.

Ao percorrer a Rota do Javali surgem estruturas de relevante interesse, como a Casa do Guarda-Florestal dos Carvalhais ou o Viveiro Florestal das Moitas.

Durante o percurso da Rota do Poço verifica-se um dualismo de paisagem, natural e humanizada, marcada pelo diferente tipo de vegetação, com florestas de folhosas e resinosas.

Rota Vicentina

Embora não se trate propriamente de um trilho, mas sim de uma rede de percursos que totaliza cerca de 450 km ao longo da Costa Vicentina, é excelente para quem se quer estrear em caminhadas mais longas.

A rede de percursos da Rota Vicentina compreende o Caminho Histórico, o Trilho dos Pescadores, vários Percursos Circulares e atravessa as regiões do Alentejo e do Algarve. O Caminho Histórico é o mais longo de toda a rede, com cerca de 230 km, e liga Santiago do Cacém ao Cabo de São Vicente.

Já a secção mais emblemática do Trilho dos Pescadores liga Porto Covo a Odeceixe e conta com cerca de 80 km. É um percurso exclusivamente pedestre e exigente. Está organizado em cinco etapas e quatro percursos complementares e constitui um desafio devido ao contacto permanente com o vento do mar, com a rudeza da paisagem costeira e com a presença de uma natureza selvagem e persistente.

Percurso dos 7 Vales Suspensos – Lagoa

Eleito em 2019 como a melhor caminhada da Europa, este é talvez um dos trilhos mais bonitos do Algarve. Situado no concelho de Lagoa, este percurso tem sensivelmente seis quilómetros (12 km de ida e volta) e é feito ao longo da arriba costeira, entre a Praia da Marinha e a Praia Vale de Centeanes, e brinda o caminhante com fantásticas paisagens do litoral algarvio.

Pelo caminho atravessamos, literalmente, sete vales suspensos, que outrora estiveram associados à foz de uma linha de água que se despenhava diretamente no mar e podemos vislumbrar praias de areia branca e águas cristalinas no fundo das falésias.

A ida e a volta têm uma duração média de seis horas e é aconselhável que seja feito nas estações intermédias (primavera e outono) para evitar temperaturas extremas ou chuvas. Se quiser aproveitar para conhecer o percurso no verão, convém iniciar a caminhada bem cedo pela manhã para aproveitar as temperaturas mais frescas.

Partilhar Artigo: