Revista Rua

2020-09-15T11:02:15+00:00 Radar, Sabores, Vinhos

Chegou o Barca-Velha 2011 – A 20ª colheita do mítico vinho do douro

©D.R.
Redação
Redação15 Setembro, 2020
Chegou o Barca-Velha 2011 – A 20ª colheita do mítico vinho do douro

Depois do tão aguardado anúncio, é chegado o momento de Casa Ferreirinha Barca-Velha 2011 ver a luz do dia. A nova colheita do mais mítico vinho do Douro chega agora ao mercado, marcando mais um capítulo de uma história com quase 70 anos.

Barca-Velha é muito mais do que um vinho, muito mais do que uma marca. A sua história conta-se e reconta-se, numa eterna busca pela perfeição que acontece não quando o homem quer, mas quando a natureza entende. Já desde a década de 40 que Fernando Nicolau de Almeida idealizava um vinho tinto do Douro assente na mesma filosofia de qualidade e de guarda dos Portos Vintage. E assim foi! Fruto de um sonho e nascido de um rasgo de pioneirismo e inovação para a época, as 20 colheitas lançadas entre 1952 e 2011 privilegiam um mesmo denominador comum: a combinação entre qualidade máxima e tempo. A arte de saber esperar!

Uma vez engarrafado o vinho, a superação ao teste do tempo permitiu lançar este Barca-Velha 2011 com a mesma certeza dos seus antecessores, contribuindo de forma decisiva para a equação o extraordinário ano de 2011, “um dos melhores de sempre no Douro”para o enólogo Luís Sottomayor, que desde 2007 lidera a equipa de enologia da Casa Ferreirinha.

Para Fernando da Cunha Guedes, Presidente da Sogrape, este é mais um lançamento com enorme carga emocional, “pela viagem que este vinho propõe e pela ansiedade de desvendar e saborear a obra resultante de tão longa espera”. Até hoje, passaram-se nove anos desde a vindima excecional de 2011 na Quinta da Leda, berço deste vinho. Nove anos que, nas palavras de Luís Sottomayor, reforçam que “o vinho é que manda”. “Esta é uma decisão puramente enológica, cem por cento alheia a pressas ou pressões”.

Partilhar Artigo: