Revista Rua

2021-01-28T17:37:59+00:00 Cultura, Outras Artes, Radar

Conheça um pouco mais de Siza Vieira em arquivos online

Para descobrir um pouco mais deste artista, uma parte dos trabalhos estão disponíveis no arquivo online de cada uma das instituições.
Fotografia ©Nuno Sampaio
Redação28 Janeiro, 2021
Conheça um pouco mais de Siza Vieira em arquivos online
Para descobrir um pouco mais deste artista, uma parte dos trabalhos estão disponíveis no arquivo online de cada uma das instituições.

Por Mariana Sousa Lopes

Em 2014, o arquiteto Álvaro Siza Vieira doou uma parte dos seus trabalhos à Fundação de Serralves, Fundação Calouste Gulbenkian e o Centro Canadiano de Arquitetura, que estão disponíveis de forma livre e gratuita em arquivos online.

Siza Vieira nasceu em 1933, em Matosinhos. Um dos seus primeiros projetos foi “4 Casas em Matosinhos”, realizado ainda como estudante na Escola Superior de Belas Artes, onde chegou a trabalhar como professor. Desde esse momento que lhe eram reconhecidas várias características inovadoras na arte do arquiteto. Algumas das suas referências para a criação foram Frank Lloyd Wright, Adolf Loos e Alvar Aalto.

O arquiteto tem várias obras espalhadas pelo mundo, como em Espanha na Faculdade de Ciências da Comunicação, Centro Galego de Arte Contemporânea, entre outros. Em 2019 foi-lhe atribuído o Prémio Nacional de Arquitetura espanhol, é o primeiro e único português com este galardão. Países Baixos, Itália, Bélgica, Brasil, Coreia do Sul e Estados Unidos são alguns dos outros lugares onde é possível descobrir um pouco do percurso de Siza.

Siza Vieira é um dos arquitetos com maior destaque a nível internacional recebendo dezenas de prémios, um dos mais importantes foi em 1992 com o prémio Pritzker, pela Fundação Hyatt de Chicago. Algumas das distinções de prémios internacionais foram a Medalha da Medalha de Ouro da Fundação Alvar Aalto, o Prémio Prince of Wales da Harvard University e o Prémio Europeu de Arquitetura da Comissão das Comunidades Europeias/Fundação Mies Van der Rohe. Em Portugal, um dos momentos mais memoráveis foi a reconstrução do Chiado, depois dos incêndios de 1988, o pavilhão para a Expo’98, Faculdade de Arquitetura do Porto e foi responsável pela construção do Museu de Arte Contemporânea do Porto.

Fotografia ©Nuno Sampaio

Em 2014, o arquiteto decidiu doar um arquivo, com 60 mil desenhos, 500 maquetes e 282 cadernos de esboços à Fundação de Serralves, à Fundação Calouste Gulbenkian e ao CCA (Canadian Centre for Architecture). Às redações, o artista referiu que: “É meu desejo que o trabalho de tantos anos seja de algum modo útil, como contribuição para o estudo e debate sobre a arquitetura, particularmente em Portugal, numa perspetiva oposta ao isolamento (como já hoje sucede e é imprescindível)”.

A Fundação de Serralves situa-se no Porto, e contém vários espaços: o Museu de Siza Vieira, Casa de Serralves, o Parque de Serralves e a Casa do Cinema de Manoel de Oliveira. O principal objetivo da fundação é “estimular o interesse e o conhecimento de públicos de diferentes origens e idades pela arte contemporânea, pela arquitetura, pela paisagem e por temas críticos para a sociedade e seu futuro”. Em 2019, realizaram a exposição “in/disciplina”, onde são retratadas seis décadas de vida de Siza, através de vários cadernos de esquissos.

A Fundação Calouste Gulbenkian situa-se no centro de Lisboa, tem como intuito “melhorar a qualidade de vida das pessoas através da arte, da beneficência, da ciência e da educação”. Na Gulbenkian há um museu, orquestra e coro, biblioteca de arte e arquivo, jardim e o instituto de investigação científica.

Por último, o CCA situa-se em Montreal, e tem como objetivo sensibilizar o público para a arquitetura e promover a pesquisa e inovação. O local foi escolhido por ser um dos lugares mais privilegiados de obras de arquitetura.

As fundações portuguesas receberam, principalmente, trabalhos entre 1958 e 2006 e o CCA projetos internacionais de 1958 até à data.

Para descobrir um pouco mais deste artista, uma parte dos trabalhos estão disponíveis no arquivo online de cada uma das instituições.

Partilhar Artigo: