Revista Rua

2021-02-01T14:55:42+00:00 Radar

#CONVERSASCOMSERRALVES: já conhecemos a programação desta semana

Estas sessões decorrem online, sempre ao final da tarde, às 18h00, com participação gratuita e inscrição obrigatória.
Treetop Walk de Serralves | Fotografia © FG+SG
Redação1 Fevereiro, 2021
#CONVERSASCOMSERRALVES: já conhecemos a programação desta semana
Estas sessões decorrem online, sempre ao final da tarde, às 18h00, com participação gratuita e inscrição obrigatória.

Por Sofia Rodrigues

A iniciativa #ConversasComSerralves promove, no âmbito do SOLE – Serralves Online Experience, um programa de conversas transversal a todas as áreas de atuação de Serralves – as artes plásticas, a arquitetura, o cinema, as artes performativas, o ambiente, a ciência, a paisagem, a arquitetura e a reflexão sobre diferentes temas críticos para a sociedade e o seu futuro.

Estas sessões decorrem online, sempre ao final da tarde, às 18h00, com participação gratuita e inscrição obrigatória.

Na segunda-feira, dia 1 de fevereiro, às 18h00, ocorre a conversa online Arquitetura sustentável: o Treetop Walk de Serralves – já lá estava, com o arquiteto Carlos Castanheira, autor do projeto, e moderação da arquiteta Ana Tostões, historiadora de Arquitetura, Professora Catedrática no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa e Presidente da Docomomo International.

Nesta conversa, serão aprofundadas as várias vertentes e desafios inerentes à conceção e construção do Treetop Walk de Serralves, um exemplo de arquitetura e construção sustentável, pela forma como foi concebido e implementado, designadamente, através do reaproveitamento de madeira, do respeito pela flora circundante e da acessibilidade a pessoas com mobilidade condicionada.

Na terça feira, dia 2 de fevereiro às 18h00, decorrerá a sessão Comunicação: do físico ao digital, que terá como oradores Carlos Magno, jornalista e professor, Amílcar Correia, jornalista e diretor-adjunto do jornal Público, e moderação de Jorge Sobrado, professor e vereador da Cultura e Ciência, Património, Turismo e Marketing Territorial da Câmara Municipal de Viseu.

A comunicação tem assumido diferentes formas e expressões ao longo dos tempos. O digital tem-se imposto. O que persiste, ou persistirá, de físico? Os intervenientes nesta conversa têm uma vasta e multifacetada vivência. Partilharão o seu pensamento e diferentes perspetivas, estimulando a reflexão sobre uma temática inerente ao modo como nos relacionamos.

Na quarta feira, dia 3 de fevereiro às 18h00, terá lugar a sessão A propósito da produção fotográfica de Manoel de Oliveira, uma conversa entre Emília Tavares, conservadora e curadora para a área da Fotografia e Novos Media no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, e António Preto, diretor da Casa do Cinema Manoel de Oliveira, em Serralves.

A produção fotográfica de Manoel de Oliveira abre novas perspetivas sobre o seu cinema e a apresentação destas imagens, até agora desconhecidas, é um importante contributo para a reflexão acerca do papel que a fotografia desempenhou no seu percurso.

Na quinta feira, dia 4 de fevereiro às 18h00, a sessão Plásticos no mar: um desafio global terá como oradora Paula Sobral, Bióloga, Doutorada e Agregada em Ciências do Ambiente, e como moderadora Arminda Deusdado, jornalista, produtora e realizadora (Farol de Ideias).

Trata-se de uma questão global de grande complexidade, desde a sua origem e dinâmica no ambiente, aos impactos económicos e ecológicos que provoca, e sendo transversal a vários setores da sociedade, são inúmeros os desafios que se colocam na sua prevenção e redução.

A 7ª sessão do Ciclo #ConversasComSerralves, intitulada A propósito de pólipos cnidários reparados pelo olhar do observador, será uma conversa entre o artista Hugo Canoilas e Marta Moreira de Almeida, co-curadora da exposição do artista, atualmente patente em Serralves, e terá lugar na sexta-feira, dia 5 de fevereiro, às 18h00.
A conversa com o artista discutirá a sua mais recente produção e, sobretudo, a exposição especificamente concebida para Serralves, inaugurada em outubro de 2020. Esta exposição proporciona uma experiência imersiva no espaço e explora algumas das preocupações que melhor definem a prática de Hugo Canoilas.

Partilhar Artigo: