Revista Rua

2020-05-04T11:06:41+00:00 Opinião

Diz que é uma espécie de Ode

Sociedade
Ana Marques
Ana Marques
4 Maio, 2020
Diz que é uma espécie de Ode

Ah e tal o mundo está diferente. Mas que é isto? Mas quem é que ousa dizer uma coisa dessas? Eu, se bem que por aí também se ouvem expressões de um variadíssimo tipo de estapafúrdia mais ridícula do ano.

A tese que hoje venho com muito orgulho aqui defender perante vós, e que começa com as palavras “Ah e tal”, é de uma necessidade extrema, pois que ninguém fala disso, porque temos pessoas, todos os santos dias, a falarem de como o mundo está diferente. Apelo a que de se deixe de dizer isso, sendo que há coisas bem mais importantes a falar do que a economia em caos, a austeridade que se adivinha, os pobres a tornarem-se aos montes que nem cogumelos, etecetera. Pois, está bem, em algumas coisas até são capazes de ter razão. Porém, em que é que mudou ir às compras e ficar a fofocar despreocupadamente nas filas de supermercado, hã? Exatamente, absolutamente nada, ou quase nada. Aliás, se for preciso, por causa de toda esta situação envolvente, pois que nos envolve a todos, levamos uma carrada de tempo a falar não só da Maria que trabalha na charcutaria, que como toda a gente sabe na semana passada, faz hoje oito dias, o desgraçado do marido a deixou, como também ficamos a saber exclusivos de quarentenas que nem aos ouvidos das paredes da redação da Revista Maria chegam. Polémica! Alerta polémica da que se compra naquele papelão de Knorr e se vende a torto e a direito na Rua Augusta e se enganam uns quantos ávidos.

E isto é giro e igualmente engraçado, caso contrário não estaria a trazer para aqui tais observações, porque claramente o que eu mais estimo nos meus escritos é a consciência da função pedagógica que um leitor meu consome, num tamanho leque sociocultural. Assim sendo, este episódio relata-se a partir de um hipermercado situado na terrinha – sim, porque isto de dizer-se por aí que é só mato e pastores tem a sua verdade, mas não só.

A espera faz-se na rua, com os devidamente dois metros de distância, tendo por exemplificação e cumprimento que se espera do cliente umas quantas grades no chão, onde cada pessoa se alapa (aparentemente) sossegadinho da vida à espera da sua vez. Eu e o meu irmão aguardamos na segunda grade, enquanto atrás se ouvem uns zunzuns agradáveis à curiosidade seletiva do ouvido. De repente, ouve-se um homem em zaragatas, e eis que ele diz:

“Isto realmente! Estamos para aqui ao sol, à espera, como se o vírus por aqui andasse a atrapalhar a vida da gente.”

O pessoal espectador como eu vira-se para ele, olha-o, nada dizem, e viram os seus corpos para as suas vidas centrais novamente. Ele torna a resmungar, agora tendo por resultado experimental fracassado o não apoio da sua audiência. Eu, que tenho um pensar de estribilho malformado, imagino o mesmo homem a resmungar para a sua multidão ali exasperada pela sua vez, mas em jeito de declamação poética.

E, neste esperar que me causa uma quantidade horrenda de varizes, construo o poema que eu esperaria – e preferia – ouvir sair daquela boca:

Oh, latas de atum!

Conversas que esperais,

Eu que lá em casa sou só um,

Na prateleira será que me aguardais?

Vede, gente!

Como aqui já há uma enchente!

Corre por mim o suor,

Como o rio na nascente!

Eu estou que nem me posso já!

Levarei com vós algum chá?

Quero a carne de porco,

Quero umas tiras e um frango,

Sabeis porque aqui vim eu?

Porque vos quis cantar este tango.

Oh, ovos e farinha!

É bem que vos deixeis estar no lugar,

Pois eu ainda quero levar uma asinha,

Para mais tarde eu fritar.

E vós, fiambre e queijo,

Que é feito da vossa existência?

Ainda tereis paciência,

Para aguardar sem desistência?

Não vos deixeis cair em tentação,

Porque agora haverá sempre uma mão,

Que vos pegue e leve,

E por aí se ouve que não chegue!

Sobre o autor:

Estudo Ciências da Comunicação. Sou uma espécie de Camilo Castelo Branco: escrevo coisas aborrecidas e poucos reconhecem o meu talento. Há quem diga que tenho algum humor, eu digo que emano comédia.

Partilhar Artigo: