Revista Rua

2021-03-17T16:59:14+00:00 Bem-Estar

Dormir mal causa disfunções que levam a doenças, envelhecimento precoce e morte prematura

No seu estudo, Fabiano de Abreu assinala que dormir é, de facto, de extrema importância para o bem-estar humano.
Redação17 Março, 2021
Dormir mal causa disfunções que levam a doenças, envelhecimento precoce e morte prematura
No seu estudo, Fabiano de Abreu assinala que dormir é, de facto, de extrema importância para o bem-estar humano.
Fabiano de Abreu

O investigador e neurocientista luso-descendente Fabiano de Abreu estudou como funciona o processo do sono e a sua importância para a saúde. O seu novo estudo, “Dormir pouco ou tarde causa disfunções que acarretam em doenças, envelhecimento precoce e morte prematura”, foi recentemente aprovado pela academia científica e publicado na revista científica Brazilian Journal of Development.

No seu estudo, Fabiano de Abreu assinala que dormir é, de facto, de extrema importância para o bem-estar humano. “Dormir é mais importante do que se alimentar”, já que “dormir é um reset no cérebro, o momento em que este se aprimora, fazendo, inclusive, a limpeza necessária e repondo energia. Contudo, o cérebro não fica totalmente apagado, mas está ativo, a processar as memórias ao longo do dia”. “Quando dormimos, há reparos celulares com oxigénio, glicose e a limpeza de dejetos. Quando não há este processo, as reações dos órgãos a estímulos e instruções ficam debilitadas. Um exemplo é a adenosina, envolvida na regulação de importantes mecanismos no SNC e no sono, que se acumula e intoxica o sangue, diminuindo o ritmo da pessoa consoante as horas que passa acordada”, explica Abreu.

A falta de sono ou da qualidade dele está associada, muitas vezes, a outras doenças. “O défice de sono tem sido associado com o maior risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2, obesidade, doenças cardiovasculares e depressão”, refere. Manter boas noites de sono acarreta, por isso, uma série de benefícios, tanto físicos como mentais. “Uma boa rotina noturna não só mantém a boa imunidade, como também melhora a concentração, memória, humor, criatividade, disposição e controlo do stress. São necessárias 7 a 8 horas de sono, dependendo do organismo, que depende da genética. Privar o sono pode resultar em inúmeras doenças como consequência da disfunção dos neurotransmissores, doenças provenientes do sistema imunológico debilitado ou danos cerebrais. Humor e sono usam os mesmos neurotransmissores, pelo que privar o sono causa os mesmos sintomas da depressão”, assinala o investigador.

Há ainda alguns mitos sobre o sono que devem cair por terra. Uma noite perdida está para sempre perdida. Abreu alerta que “há quem pense que compensar o sono resolve. Mas isso não é verdade, já que a noite é feita para dormir e não o dia. Para compensar uma noite mal dormida, devemos dormir diversas outras noites bem dormidas para atingir o equilíbrio ao regular o ciclo circadiano”.

Dormir é, assim, um dos pilares para uma saúde sustentável, para o bem-estar físico e mental. “O resultado de noites mal dormidas é a disfunção nos nossos neurotransmissores, descontrolando todo o processo biológico responsável pela nossa saúde e bem-estar geral, o que pode levar a doenças em diferentes períodos da vida, causando envelhecimento precoce e levando à morte prematura”, conclui.

Sobre Fabiano de Abreu

Doutor e Mestre em Psicologia da Saúde pela Université Libre des Sciences de l’Homme de Paris; Doutor e Mestre em Ciências da Saúde na área de Psicologia e Neurociência pela Emil Brunner World University; Mestre em psicanálise pelo Instituto e Faculdade Gaio, Unesco; Pós-Graduação em Neuropsicologia pela Cognos de Portugal; Três Pós-Graduações em neurociência, cognitiva, infantil, aprendizagem pela Faveni; Especialização em propriedade elétrica dos Neurónios em Harvard; Especialista em Nutrição Clínica pela TrainingHouse de Portugal. Neurocientista, Neuropsicólogo, Psicólogo, Psicanalista, Jornalista e Filósofo integrante da Sociedade Portuguesa de Neurociências (SPN), da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNEC) e da Federation of European Neuroscience Societies (FENS).

Partilhar Artigo: