Revista Rua

2021-10-06T10:38:53+01:00 Gastronomia, Histórias, Sabores

Duas décadas de Duplo PR a honrar o melhor da região duriense

A Duplo PR consegue atingir a perfeita ambivalência entre os dois mundos: o da consultoria e o da produção vinícola.
©D.R.
Maria Inês Neto1 Outubro, 2021
Duas décadas de Duplo PR a honrar o melhor da região duriense
A Duplo PR consegue atingir a perfeita ambivalência entre os dois mundos: o da consultoria e o da produção vinícola.

São 20 anos da Duplo PR, uma empresa de consultoria enológica que nasce com o objetivo de auxiliar a produção vinícola, através de conhecimento técnico capaz de honrar o melhor do Douro. A par desta comemoração, há mais motivos para celebrar: uma década da ITER, a marca de vinhos própria da Duplo PR, com o lançamento de uma nova referência.

O local escolhido para dar a conhecer e celebrar a novidade foi o restaurante Oficina, do chef Marco Gomes, que se encontra na rua Miguel Bombarda (no Porto). Neste que pretende ser um ponto de encontros, o menu foi pensado para combinar na perfeição com os vinhos da marca.

Desde o início, a Duplo PR procurou respeitar as tradições do Douro ao cruzá-las com uma visão futurista e inovadora, no sentido de preservar eternamente a riqueza da região. Apresenta-se como uma empresa de consultoria enológica que garante um acompanhamento técnico aos vários clientes que integram o seu portefólio, num caminho que vai desde a vindima ao engarrafamento do vinho. A conceção e renovação de adegas, a internacionalização dos produtos, a criação de marcas e a promoção dos respetivos valores são os pilares que ditam a concretização de sonhos de muitos pequenos produtores, que conseguem atingir mais sucesso com o auxílio técnico da Duplo PR. A empresa é criada em 2001, enquanto sociedade, pelas mãos do enólogo António Rosas – que continua a gerir a Duplo PR – a quem se junta mais tarde a enóloga Filipa Pizarro, ao abraçar o projeto em 2007 com um desafio irrecusável: criar uma marca de vinho própria, que viria a chamar ITER. Atualmente, a equipa fica preenchida com mais duas enólogas, Flávia Batista e Raquel Veiga. Ambas as marcas (Duplo PR e ITER) são apresentadas em edições muito limitadas, com uma produção a rondar entre as 15 mil e as 25 mil garrafas. Ao traduzir-se em “trajeto” e “caminho”, o nome ITER não poderia ter mais significado para Filipa: “Consegui unificar na marca o sentido deste projeto. Por um lado, o meu caminho enquanto enóloga, mas sobretudo enquanto apaixonada por aquilo que faço e pela minha região”.

Equipa Duplo PR ©Lino Silva

A paixão pelos vinhos levou à produção própria, com a experimentação de novos terroirs. O primeiro vinho a ser apresentado é o 2PR Grande Reserva Tinto, (colheita de 2005), que continua a ser produzido ainda hoje, chegando o ITER, dois anos depois – um vinho de autoria de Filipa Pizarro. No ano em que se assinalam duas décadas de consultoria pelas mãos da Duplo PR, a ITER anuncia um novo vinho, o ITER – 10 Years Celebration – Tinto 2017, que marca dez anos do projeto pessoal de Filipa. Curiosamente, tanto a Duplo PR como a própria marca ITER não têm uma vinha nem uma adega própria, no sentido de a produção de vinhos não ser sobrecarregada comercialmente, o que possibilita mais vantagens: “Dá-nos total autonomia e diligência da escolha por si só, aquando adequado face à nossa vontade (de produzir) e à qualidade. A Duplo PR não tem um único pé de vinha, mas encontra nessa ausência de propriedade novas experiências em novos terroirs, com diferentes castas e perfis de produção”, partilha Filipa, acrescentando: “Ao fim de 20 anos de consultoria, temos algum conhecimento sobre a região do Douro e como enólogos temos mais experiência técnica e (felizmente) também as portas abertas de adegas onde somos técnicos”. Enquanto marca própria, apresenta-se como um projeto de nicho em que o foco passa por conseguir que cada garrafa seja um espelho dos valores da marca, bem como garantir que não se tratam de produtos massificados e em que “de uma forma bonita e honesta” é possível atingir a perfeita ambivalência entre os dois mundos: o da consultoria e o da produção vinícola.

A par destes projetos, a Duplo PR mantém uma aposta forte no apoio a pequenos negócios ou a produtores de quinta sem equipas fixas de enologia. Com este acompanhamento, pequenos produtores conseguem ter acesso a uma enologia de qualidade e que garantirá a criação de excelentes vinhos no mercado. Do portefólio da Duplo PR, destacam-se sete produtores de quinta, sendo que, entre eles, encontramos a Casa Brites Aguiar, a Foz do Tua, a Quinta do Soque e a Quinta das Bajancas, que se encontram maioritariamente na Região Demarcada no Douro. “Alguns dos clientes mais antigos estão connosco, continuamente, há 18 anos”, partilha um dos sócios-fundadores da Duplo PR, António Rosas. Quanto à caracterização dos clientes da empresa, há certos detalhes que são distintivos e essenciais para garantir a concretização de um acompanhamento contínuo. “Para nós, é muito importante encontrar pessoas que estejam interessadas em fazer um caminho na procura pela qualidade para acrescentar valor. É fundamental, quando abrimos uma garrafa, ter a satisfação de apresentar um bom vinho, seja ele mais modesto e para o dia a dia, como um vinho de grande complexidade”, afirma António Rosas, acrescentando: “Por outro lado, valorizamos que nos deem a liberdade para sermos nós a decidir o patamar qualitativo a que corresponde cada vinho, quer seja um Colheita, um Reserva ou um Grande Reserva”.

O novo ITER – 10 Years Celebration – Tinto 2017 é comemorativo e pretende dar a conhecer a história e o percurso da marca até aos dias de hoje. “Todos nós temos uma história e a da ITER escreve-se em 2007. Percorre um caminho nem sempre fácil e, se não houvesse uma grande carga emocional, provavelmente o projeto não teria vingado. Mas vingou, consolidou-se e com a colheita de 2017 – que foi muito generosa e com uma média qualitativa muito interessante – fazia todo o sentido celebrar este capítulo de dez anos”, destaca Filipa. À semelhança da primeira edição, também esta é bastante limitada, atingindo apenas as 1200 garrafas, e caracteriza-se por duas fases de estágio do vinho: dois anos em barrica e outros dois em garrafa, chegando agora ao mercado com uma imagem forte e muito representativa dos valores da marca. Cada garrafa é apresentada numa caixa individual e é adornada com elementos em metal, produzidos manualmente, num reflexo da ousadia e elegância da ITER.

Ao embarcar para uma nova década de atuação da Duplo PR e celebrando este ITER que acaba de chegar, António Rosas encara os próximos desafios com alguma tranquilidade e motivação: “Vemos o futuro com um sorriso. Estamos bem consolidados e demos boas provas ao mercado, pelo que não nos espantaria se tivéssemos mais pessoas a requisitar o nosso acompanhamento. A vertente dos vinhos próprios está também muito bem encaminhada e temos perspetivas para chegar a outros setores”, afirma António, prevendo que o enoturismo poderá ser uma forte aposta futuramente, por “marcar positivamente quem nos visita e criar uma maior afiliação com os vinhos”.

Partilhar Artigo: