Revista Rua

2020-10-06T15:31:52+00:00 Opinião

Está a pagar comissão de gestão de conta no seu banco?

Finanças Pessoais
Carina Meireles
Carina Meireles
6 Outubro, 2020
Está a pagar comissão de gestão de conta no seu banco?

Uma das coisas mais importantes que deve ter em atenção são as despesas que paga com o seu banco.

Estamos a pagar todos os meses por serviços associados às contas bancárias, que muitas vezes não utilizamos e não fazemos contas ao que contempla os chamados “pacotes” de conta.

Está a tornar-se cada vez mais caro em alguns bancos ter uma conta à ordem e a tendência é, de ano para ano, aumentar.

Paga comissão por ter uma conta à ordem no seu banco? Se sim, pense bem, porque hoje em dia no mercado existem alternativas que podem ser vantajosas, como por exemplo, os bancos online, que têm condições competitivas para quem se torna cliente e, ao mesmo tempo, possibilitam a não cobrança de comissões mensais.

Desde o início de 2018 que mudar de banco é mais fácil. Isto quer dizer que o banco que quer abandonar pode ajudar na mudança, na transferência de débitos diretos, de ordens permanentes, para a nova instituição. Para isso é muito fácil, sendo necessário apenas preencher o pedido no banco em que pretende abrir conta, se existir ainda saldo a favor do cliente na conta antiga é enviado para a nova conta bancária.

Como em muitos serviços, este tipo de pedidos ainda demoram o seu tempo, de acordo com os prazos legais, sendo muitas das vezes mais rápido o cliente fazer ele mesmo a transição, estando já a conta nova aberta no banco que vai passar a trabalhar.

Este tipo de serviços podem ter custos associados, pelo que deve ter sempre em atenção se compensa o facto de ter de esperar para ficar tudo resolvido e se não será mais vantajoso, após a abertura da nova conta, fazer por exemplo online os pedidos de alteração de dados para a nova conta.

O encerramento da respetiva conta tem que ter sempre por base que não existirão responsabilidades como cartões e pendentes créditos pessoais ou habitação, porque caso existam as contas não poderão ser encerradas sem a liquidação destas mesmas responsabilidades, que por exemplo, poderão ser por transferência de Crédito Habitação.

Uma outra alternativa à redução de custos com as contas passa por ter uma Conta de “Serviços mínimos bancários”, que permite ao titular poder usufruir de grande parte dos produtos que tem com a conta à ordem atual, mas com um custo significativamente mais reduzido (comissão máxima anual 4,38€ + Imposto de selo a 4% para 2020).

Apenas tem que chegar ao seu banco e pedir para alterar para este tipo de conta, não precisando de anular a que já tem, apenas alterar (“mudar a designação”) e cumprir com os seguintes requisitos:

1 – Não pode ter outras contas de depósitos à ordem, seja em que banco for.

2 – Se detiver outras contas noutros bancos, pode ser apenas co-titular de uma conta de serviços mínimos com uma pessoa com mais de 65 anos de idade ou grau de invalidez permanente igual ou superior a 60% e que não tenha outras contas à ordem, ficando esta pessoa como titular.

3 – Cumprindo os requisitos referidos no ponto 2) anterior, pode ter uma conta de serviços mínimos sendo apenas o único titular, desde que não tenha outras contas à ordem.

Portanto, caso cumpra os requisitos, é uma excelente opção para reduzir comissões ou até mesmo não as ter. Grande parte dos bancos detêm este tipo de conta, pelo que, de uma forma cómoda, poderá fazer a alteração. O banco não poderá indicar que não é possível! É possível, desde que cumpra os requisitos.

E, já sabe, pode sempre fazer as contas das comissões através do documento que os bancos são obrigados a enviar aos clientes em janeiro, por email ou por carta, ou disponível no Homebanking, onde poderá consultar as comissões de cada serviço e o número de vezes que foi utilizado, o total de comissões do ano anterior, as taxas de juro da conta à ordem e total recebido e taxas de juro dos saldos a negativo com o respetivo total cobrado, caso exista.

Logo, não se esqueça de olhar para as despesas que paga, por ter a sua conta à ordem e fazer as contas.

Não deixe de acompanhar estas e outras dicas na Revista Rua e através das redes sociais: Instagram, Facebook ou Linkedin.

Sobre a autora

“Olho para tudo na vida como um desafio, uma oportunidade para fazer algo diferente e para aprender coisas novas.”
Movida pelo conhecimento e a aprendizagem constante, que a levou a concluir o Mestrado em Gestão Comercial, seguido do MBA em Marketing e Direção Comercial. Com quase duas décadas de carreira na banca, é uma profissional com experiência consolidada na área financeira e comercial, com um vasto conhecimento teórico, prático e técnico neste sector, ajudando sempre desta forma quem a procura (particulares e empresas). Leva ainda toda esta experiência e know-how mais longe, partilhando-a em sala de aula enquanto Docente do Ensino Superior. Gosta de pessoas e de trabalhar com equipas. Mais recentemente, teve várias participações televisivas com rubricas financeiras e tem crónicas mensais em jornais e revistas sobre Finanças Pessoais e ainda uma rubrica semanal numa Rádio.

Partilhar Artigo: