Revista Rua

2023-10-28T16:35:46+01:00 Bem-Estar, Em Destaque

Estas três estâncias termais são Património UNESCO

Há dois anos, a UNESCO designou 11 estâncias como Património da Humanidade. Estes são três bons exemplos.
Redação28 Outubro, 2023
Estas três estâncias termais são Património UNESCO
Há dois anos, a UNESCO designou 11 estâncias como Património da Humanidade. Estes são três bons exemplos.

A tradição termal europeia remonta à Antiguidade, mas atingiu o auge nos séculos XVIII e XIX. Há dois anos, a UNESCO designou 11 estâncias como Património da Humanidade por serem excelentes testemunhos dessa tradição. Distribuem-se pela Áustria, Bélgica, França, Itália, República Checa, Grã-Bretanha – e Alemanha, esta representada com três estâncias no grupo Great Spa Towns of Europe.

Visitá-las significa desfrutar de modernos tratamentos à base de águas termais, em lugares de exceção, onde cada recanto evoca história e glamour. Melhor ainda, pode rentabilizar a viagem optando por percorrer a Wellness Route: integra duas das estâncias e ainda outros sitos Património Mundial, nove no total, num percurso de 11 dias entre Frankfurt e Munique disponível aqui.

Eis alguns dos principais atrativos de cada destino.

Baden-Baden

É a mais famosa estância alemã a nível internacional, provavelmente pelo seu exclusivo estilo de vida e apreço pelas artes, além das qualidades benéficas das suas águas termais. Estas são indicadas para o alívio de problemas circulatórios, das articulações ou das vias respiratórias e estão disponíveis quer no balneário romano Friedrichsbad quer no moderno Caracalla Therme e nos spas de vários hotéis, destacando-se o centenário Brenners Park-Hotel & Spa, desde sempre frequentado pela realeza, chefes de estado e celebridades.

Artistas também se deixaram encantar por esta estância, nomeadamente Marlene Dietrich, que classificou o Casino Baden-Baden como o “mais belo casino do mundo”; ou Johannes Brahms, que aqui passou os seus verões entre 1865 e 1874. A casa onde residiu foi transformada em museu, atualmente encerrado para renovação, mas há outros a conhecer: o Frieder Burda, desenhado pelo premiado arquiteto norte-americano Richard Meier e dedicado à arte moderna, com obras de Max Beckmann, Pablo Picasso, por exemplo; o Stadtmuseum Baden-Baden, que contempla criações recentes em forma de pintura e escultura mas também de vídeo; ou o Museu Fabergé, do colecionador russo A. Ivanov, com cerca de 1.500 peças.

A música também ocupa lugar de destaque em Baden-Baden, que acolhe a maior casa de ópera e concertos da Alemanha, a Festspielhaus, onde atuam os melhores cantores líricos, orquestras internacionais – como a Metropolitan Opera New York – e reputadas companhias de bailado.

A estância fica a 70 quilómetros de Estugarda, servida por voos diretos, e a Ryanair voa para o aeroporto Karlsruhe/Baden-Baden.

Mais informações aqui.

Bad Ems ©Dominik Ketz

Bad Ems

A cerca de 70 quilómetros de Frankfurt, é uma antiga cidade imperial à beira do rio Lahn, em pleno parque natural. Em tempos foi frequentada pelo imperador Guilherme I, o czar Alexandre II, bem como por figuras como Dostoiévski e Richard Wagner, seduzidos pela elegância dos edifícios, em especial do Salão de Mármore, pelos jardins e também pelos eventos, desde estreias mundiais de peças de teatro a bailes cheios de glamour.

Conta com 15 nascentes de água – benéfica, por exemplo, no alívio de problemas digestivos ou do trato respiratório – destacando-se a Robert-Kampe, que atinge os 57º C e chega a ter um repuxo de 8 metros! Foi daqui que surgiram, há já 150 anos, as famosas pastilhas Emser, feitas dos sais minerais após a evaporação da água e muito apreciadas por cantores de ópera, entre outros artistas.

A oferta de serviços de bem-estar é ampla e diversificada, incluindo desde a primeira sauna fluvial flutuante da Alemanha à maior clínica ayurveda da Europa, além de Shinrin Yoku, a designação japonesa para “banhos de floresta”, tratamentos de beleza e até de reabilitação.

A não perder um passeio no funicular Kurwaldbahn, um dos mais íngremes do mundo, que percorre cerca de 150 metros em apenas dois minutos.

Mais informações aqui.

Bad Kissingen

Já era uma estância termal no século XVI mas foi ganhando fama a partir de 1830 e, sobretudo, de 1874 com as visitas do chanceler do Império Germânico Otto von Bismarck. Outros visitantes célebres foram contribuindo para a sua reputação a nível internacional, nomeadamente Sissi, a imperatriz da Áustria, Leo Tolstoy, Theodor Fontane, George Bernard Shaw ou Richard Strauss.

Hoje, cerca de 250.000 visitantes procuram anualmente Bad Kissingen – situada a aproximadamente 90 minutos de automóvel de Frankfurt – não só para usufruir dos benefícios das suas águas, nomeadamente no alívio de problemas digestivos e respiratórios, mas também para relaxar ou mesmo recuperar de alguma enfermidade numa das várias clínicas especializadas, todas focadas em promover um estilo de vida saudável e também a saúde mental.

Passear pelo Kurgarten, o jardim central, criado para que os hóspedes socializassem; visitar as salas magníficas do Regentenbau, nomeadamente o salão principal, considerado uma das melhores salas de concertos da Europa; beber um copo de água termal enquanto a Staatsbad Philharmonie Kissingen toca no edifício construído em 1912, que impressiona pelo seu tamanho, as fontes de cerâmica e os azulejos; subir ao parque Altenberg para apreciar a paisagem; ou espreitar o jardim de rosas são atividades que devem fazer parte da estadia. Acrescem vários eventos como a Rakoczy Fest, no último fim-de-semana de julho, com música ao vivo e actores encarnando antigos hóspedes como imperadores, reis e artistas famosos.

Mais informações aqui.

Partilhar Artigo: