Revista Rua

2019-09-30T11:45:37+01:00 Cinema, Cultura

Family Film Project volta com uma programação a não perder

Produzida pelo Balleteatro, a 8ª edição volta à cidade do Porto entre 14 e 19 de outubro.
Redação30 Setembro, 2019
Family Film Project volta com uma programação a não perder
Produzida pelo Balleteatro, a 8ª edição volta à cidade do Porto entre 14 e 19 de outubro.

O Family Film Project – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória e Etnografia está de volta à cidade do Porto, entre os dias 14 e 19 de outubro. Produzida pelo Balleteatro, a 8ª edição traz um programa que pretende colocar-se sobre as fronteiras conceptuais do cinema, assim como invocar o diálogo com outras áreas do pensamento.

Este ano, o Cinema Trindade junta-se à lista de espaços que vão receber o festival, juntamente com o Cinema Passos Manuel, o Maus Hábitos e o Coliseu do Porto Ageas. Para além das sessões do primeiro dia do evento, o Cinema Trindade irá acolher ao longo da semana um conjunto de vídeo-instalações, concebidas pelo artista convidado, Hugo Mesquita, a partir de filmes selecionados.

O festival contará com sessões de cinema, uma masterclass, performances artísticas, vídeo-instalações e uma oficina dedicada aos mais novos. O evento vai dividir-se em diferentes zonas temáticas, cada uma com um nome particular. Desta forma, surgem zonas como: Vida e Lugares (que terá enfoque no registo biográfico e documental de habitat de quotidianos), Memória e Arquivo (será um espaço dedicado a olhares criativos, a partir de testemunhos e found footage) e Ligações (uma zona centrada nas dinâmicas interpessoais e comunitárias). Haverá, ainda, um espaço destinado à Ficção e Animação.

A competição do festival inclui mais de duas dezenas de filmes, entre curtas e longas-metragens, oriundos de diferentes países. A produção nacional deste ano pretende dar maior destaque a obras de Catarina Mourão, David Doutel e Vasco Sá, Dídio Pestana, Ivo M. Ferreira, João Salaviza, João Vladimiro, Leonor Noivo e Regina Pessoa.

A artista convidada para esta edição será Cláudia Varejão, que apresentará a mais recente longa-metragem, Ama-San, exibida na noite de abertura do festival e, também, o documentário No Escuro do Cinema Descalço os Sapatos, que será apresentado pela realizadora na cerimónia de entrega de prémios. Está programada uma sessão com a trilogia de curtas-metragens (Fim-de-semana, Um dia Frio e Luz da Manhã) e uma conversa sobre a obra da cineasta que será moderada pelo crítico de cinema, Luís Miguel Oliveira.

A edição deste ano pretende estabelecer, pela primeira vez, um intercâmbio cinematográfico com o (In)appropriationFestival de Cinema Experimental de Found-footage – sendo que haverá uma sessão inteiramente dedicada ao cinema de arquivo, com uma seleção de dez curtas-metragens cedidas pelo festival norte-americano. Para além das sessões de cinema, o programa inclui um espaço dedicado à performance e à vídeo-instalação.

Como não podia faltar neste que é um festival dedicado à família, o programa inclui uma oficina de cinema de animação destinada aos mais novos, que será orientada pelas realizadoras Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues. Os participantes serão convidados a refletir sobre as fotografias de família, através de exercícios que permitem a ilusão de movimento na imagem, explicando como funciona a criação de animação.

O programa a arranca no dia 14 de outubro com uma sessão competitiva no Cinema Trindade, pelas 14h10. Consulte todas as informações no site do festival.

Partilhar Artigo: