Revista Rua

2018-07-13T11:31:50+00:00 Cultura, Música

Festivais de verão 2018: O que vem aí?

Se há coisa que o Minho sabe fazer bem, é música... mais concretamente, festivais! A lista expande-se de ano para ano, com cartazes cada vez mais preenchidos e públicos entusiastas que agradecem a vasta possibilidade de escolha. Nos próximos meses, saiba quem lhe vai dar música!
Emanuel Roriz
Emanuel Roriz2 Julho, 2018
Festivais de verão 2018: O que vem aí?
Se há coisa que o Minho sabe fazer bem, é música... mais concretamente, festivais! A lista expande-se de ano para ano, com cartazes cada vez mais preenchidos e públicos entusiastas que agradecem a vasta possibilidade de escolha. Nos próximos meses, saiba quem lhe vai dar música!
Miguel Estima
Miguel Estima

EDP Vilar de Mouros 2018 (23 a 25 de agosto)

O pai dos festivais em Portugal, o nosso Woodstock… assim nos referimos de forma carinhosa ao festival nacional com a maior história e que felizmente parece estar de volta com a força que merece para que se realize regularmente ano após ano.

O cartaz de 2018 volta a ter como foco bandas clássicas, muitas delas com tradição de concertos em Portugal e até em Vilar de Mouros. Ora vejamos: Johnny Rotten, ex-líder dos Sex Pistols está de volta com os seus Public Image Ltd; Peter Murphy vem celebrar os 40 anos de carreira dos Bauhaus. Tudo isto na primeira noite do festival onde também teremos Chrissie Hynde a cantar “Don’t get me wrong” com os seus The Pretenders. Los Lobos, autores da versão mais badalada de “La Bamba” estarão em palco no segundo dia de festival, e para o último dia está reservada a presença de John Cale, membro fundador dos Velvet Underground.  A música portuguesa não fica obviamente de fora nesta festa. Até ao momento estão já anunciados concertos dos GNR e David Fonseca ao lado de grandes nomes da música moderna como os norte-americanos Incubus ou Crystal Fighters.

Hugo Lima
Hugo Lima

Vodafone Paredes de Coura (15 a 18 de agosto)

Depois da grandiosa celebração do 25º aniversário, o mítico cenário natural da Praia Fluvial do Taboão volta a ser palco de mais uma edição do Vodafone Paredes de Coura. Seja na descoberta de novas promessas da música mundial como na consagração de artistas de carreiras já bem firmadas, este é um festival que prima pela qualidade da música que por lá se ouve.

Uma vez mais é de louvar a quantidade de propostas do panorama da música nacional que figuram no cartaz. Nomes emergentes como Grandfather’s House, Ermo, Fugly, Keep Razors Sharp ou Conan Osiris serão “apadrinhados” por The Legendary Tigerman, Dead Combo, Linda Martini ou X-Wife! O Dj Nuno Lopes tem sido uma presença assídua nos cartazes do festival e este ano não é exceção. Impossível de perder será certamente o regresso dos Arcade Fire, o testemunho ao vivo da criatividade sem limites dos King Gizzard & The Lizard Wizard ou a aparição das polémicas Pussy Riot. A estes todos junta-se um excelente cardápio repleto de boa música: Curtis Harding, Jungle e …And You Know Us By The Trail Of The Dead chegam perfeitamente para abrir o apetite.

Nuno Sampaio
Nuno Sampaio

Laurus Nobilis Music Famalicão (26 a 28 de julho)

Depois de, nas três primeiras edições, o cartaz do festival ter experimentado dias dedicados a diferentes conceitos musicais, na edição de 2018 o Laurus Nobilis encontra-se totalmente apontado ao Heavy Metal. Apostando em crescer com o apoio das economias locais, o festival parece ter encontrado o seu rumo.

O primeiro dia do festival será inteiramente destinado a bandas nacionais – Infraktor, Cruz de Ferro e Booby Trap – e aos galegos Atreides. Nos dias seguintes, os nomes nacionais estarão também presentes em grande força. A par dos nomes históricos como WEB, Tarântula ou Mata-Ratos, estarão bandas mais jovens como os Hills Have Eyes, Equaleft, The Temple ou Low Torque. O grande chamariz será encabeçado pelos titânicos Septicflesh, vindos da Grécia, com o seu death metal sinfónico; e também pelas lendas do death metal sueco, os primordiais Dark Tranquillity.  Para além destes, certamente que os nuestros hermanos Crisix também ajudarão a mostrar o valor deste cartaz.

Nuno Sampaio
Nuno Sampaio

Rodellus (19 a 21 de julho)

Este é o festival para quem não tem medo do campo! Assim diz o slogan que ajudou a edificar a identidade deste evento rural que acontece desde 2015 na freguesia de Ruílhe, em Braga.

O cartaz é sempre diversificado q.b. a nível de estilos musicais. Portanto, entre o rock alternativo e a música eletrónica, há campo para tudo no Rodellus. E não há que ter medo do rock psicadélico dos escoceses The Cosmic Dead ou do punk rock dos The Caveman. Aos vários grupos vindos de fora do nosso país, juntemos o rol de artistas nacionais que vão passar uns dias no campo: Imploding Stars, Filho da Mãe, Astrodome, Grandfather’s House, Fugly, entre muitos outros. “Quem pode, poda” e quem quer vai ao Rodellus.

J.C.Satàn - DR
J.C.Satàn - DR

Souto Rock (5 a 7 de julho)

É na Freguesia de Roriz, em Barcelos, no meio da rua (literalmente), que se realiza desde 2005 este singular festival de música independente. Por aqui têm passado novos projetos nacionais, não faltando espaço para projetos locais. O Souto Rock tem entrada livre, não fosse ele realizado no meio da rua. Em 2018 têm também uma participação vinda de fora. Os franceses J.C. Satàn trazem stoner rock na bagagem e juntam-se aos fascinantes Black Bombaim, aos divertidíssimos 800 Gondomar e aos Paraguaii para encabeçar as duas noites principais do evento. Para além destes, podem também assistir aos concertos de El Señor, O Gringo Sou Eu, Baleia Baleia Baleia, This Penguin Can Fly, Doutor Assério e Hüll.

Bed Legs - Nuno Sampaio
Bed Legs - Nuno Sampaio

Gerês Rock Fest (27 e 28 de julho)

É mais um festival novo a surgir a norte e a apostar no rock. Em Campo do Gerês, junto ao Núcleo Museológico de Vilarinho da Furna/Porta do PNPG, oferecem-se cinco dias de campismo gratuito, que garantem o divertimento e duas noites de muito rock a um preço modesto. À cabeça do cartaz temos os Moonspell a prometerem abanar a terra com a apresentação do álbum mais recente 1755 e Linda Martini com a sua identidade inconfundível. À exceção dos espanhóis Calle Del Ruído, todos os outros projetos são portugueses. Assim, para que não falte festa, conta-se também com a ajuda dos sensacionais Bed Legs, dos Blame Zeus, entre outros.

Miguel Estima
Miguel Estima

Sonic Blast Moledo (10 e 11 de agosto)

Praia, sol, surf, skate e rock ‘n roll!!! É tudo o que se passa em Moledo no segundo fim de semana de agosto como já tem vindo a ser tradição nos últimos verões. As raízes do festival continuam bem assentes nas sonoridades que o fizeram crescer. Stoner rock, com sludge à mistura, doom e até algum punk. Entre os aguardados regressos dos Kadavar, Samsara Blues Experiment ou The Atomic Bitchwax, é com grande expectativa que se aguarda pela vinda dos germânicos Mantar, dos norte-americanos Earthless ou dos monolíticos Conan! O contingente rockeiro nacional também vai estar em destaque com a presença dos The Black Wizards e Solar Corona.

Neopop Festival (8 a 11 de agosto)

Também à segunda semana de agosto, Viana do Castelo torna-se indubitavelmente na capital da música eletrónica em Portugal. Ao longo de quatro noites, no porto histórico da cidade, atracam grandes nomes da techno, distribuindo Dj set entusiastas e momentos live que prometem ficar para a prosperidade. Cada vez mais popular por toda a Europa, o Neopop volta à carga em 2018 com os sonantes Jeff Mills, St. Germain, Josh Wink, Agents Of Time como mestres de cerimónia nas várias noites junto ao Oceano Atlântico. É de pé na areia, na praia de moledo, que surgimos este mês, convidando-o a descobrir o melhor que pode encontrar na nossa costa minhota. Comer, beber, relaxar e apreciar paisagens, águas e pores de sol… Há tempo para tudo nesta edição da rua. Porque, afinal, é verão!

Partilhar Artigo: