Revista Rua

2018-11-15T12:43:07+00:00 Atelier, Moda, Personalidades

Filipa Júlio

"Tenho a certeza que se uma mulher sonha, uma mulher faz acontecer."
Redação2 Março, 2017
Filipa Júlio
"Tenho a certeza que se uma mulher sonha, uma mulher faz acontecer."

É com as paisagens de Braga sempre no coração que a marca Josefinas partiu à conquista do mundo. Por detrás do sucesso destas bailarinas, um tipo de sapato feito à mão e tradicionalmente associado à prática de ballet, está uma equipa de mulheres que ajudaram a trazer o sonho de Filipa Júlio, fundadora da marca, à luz do dia. Hoje, Josefinas é sinónimo de qualidade, irreverência e elegância e, na sua essência, está um mote bastante direto: com  Josefinas nos pés, uma mulher pode conquistar o mundo. E não é isso que toda a mulher quer?

Começaríamos esta conversa por evidenciar uma frase que está escrita na apresentação da marca Josefinas: “Acreditamos que ao ajudar uma mulher se contribui para um mundo melhor e mais justo”. Para si, o que representa ser mulher?

Acredito que temos o dever de sermos mulheres para mulheres. E na Josefinas somos isso mesmo: uma marca feita por mulheres para mulheres! A sensibilidade e a determinação de uma mulher é incrível. Somos muitas vezes subestimadas e as nossas capacidades questionadas, mas acredito que qualquer mulher alcança aquilo a que se propuser.

A Filipa acredita na célebre frase eternizada por Coco Chanel: com os sapatos certos, uma mulher pode conquistar o mundo? 

Sem dúvida, principalmente se forem Josefinas! (risos). Quando criei a Josefinas com as minhas sócias, a Maria Cunha e a Sofia Oliveira, tínhamos um mote: “Onde te levam as tuas Josefinas?” Esse mote persiste: com Josefinas nos pés, qualquer mulher pode conquistar o mundo.

Todo este mundo da Josefinas nasceu de um sonho. Quer contar-nos como tudo surgiu?

A história da Josefinas é uma história de persistência: é a história de uma mulher que um dia sonhou, outras juntaram-se, e nasceu a Josefinas! Em 2013, conheci a Maria Cunha numa espécie de concurso de ideias – nessa altura, ainda só tinha a ideia. O nome ‘Josefinas’ viria depois. Entretanto, juntou-se a Sofia Oliveira e a marca ficou pronta para conquistar o mundo.  Num país em plena crise, onde sonhar tinha pouco espaço, o facto de fazer sapatos à mão ganhou novo nome. Em Portugal, há algo que nunca morreu: o savoir-faire dos artesãos e a paixão por uma ideia. O lema “nunca desistir” deu um cunho à Josefinas e aos valores que representa. O nome ‘Josefinas’ nasceu em homenagem à minha avó, Maria Josefina. Ela tornou sempre a minha vida numa carinhosa aventura, especialmente quando me levava às aulas de ballet.

Então, para si, cada peça que desenha é como se revisitasse as suas memórias de criança, a caminho das aulas de ballet?

Sempre que crio bailarinas dou comigo a pensar nas caminhadas com a minha avó até às aulas de ballet. Mas são as histórias de mulheres fortes e corajosas que me inspiram todos os dias.

Hoje em dia, as Josefinas são sinónimo de objeto de luxo, com pormenores pensados até ao mais ínfimo pormenor. Olhando para o percurso da marca, pensaria que seria possível chegar até aqui? Destaca alguma dificuldade?

 Quando criámos a Josefinas criámos uma marca para o mundo. No nosso ADN está a criação de um objeto único e exclusivo para cada mulher. Não há dois pares iguais. Olhando para trás, sinto um orgulho enorme pela jornada que atravessámos e nunca duvidei que seríamos capazes. Afinal de contas, trabalho com as mais talentosas mulheres! (risos)

 

As Josefinas já se alastraram para além das nossas fronteiras. Qual é o balanço que faz da marca neste momento? A abertura da loja em Nova Iorque abriu novos horizontes, correto?

A marca Josefinas está a crescer, mas ainda há muito caminho a percorrer. A loja de Nova Iorque foi o culminar de um dos muitos sonhos que temos. E carregamos com orgulho o facto de sermos a primeira marca nacional, gerida por mulheres, a abrir uma loja 100% sua, em Nova Iorque. Esperamos ser a primeira de muitas!

 

Mulher com um negócio de sucesso, a Filipa Júlio é um exemplo concreto de uma mulher persistente à conquista do mundo. Acha que com determinação, uma mulher consegue destacar-se num mundo de homens? 

Tenho a certeza que se uma mulher sonha, uma mulher faz acontecer. Não há nada mais forte que a determinação e perseverança de uma mulher. A Josefinas é o exemplo disso.

 

Alguma vez se sentiu diferenciada de alguma forma, no mundo dos negócios, por ser mulher? 

Quando começámos a Josefinas não fomos levadas a sério. Acredito que agora a história seja diferente… (risos)

 

Há uma tendência tradicional para acreditar que os homens têm um valor acrescentado em termos de capacidades de gestão. No entanto, como vimos, a marca Josefinas compõe-se através de uma equipa feminina. Isso pode funcionar como uma afirmação?

Somos mulheres motivadas pela paixão e pela missão de mudar o mundo – e é quando recebemos mensagens, telefonemas e cartas de mulheres que nos chegam de todo o mundo, que percebemos que todo o nosso esforço tem ajudado outras mulheres a afirmarem-se.

 

Acreditamos que as mulheres têm uma visão do mundo muito especial. A Filipa Júlio considera-se uma mulher que vê o melhor lado do mundo? É uma romântica nesses termos?

Sim, sem mulheres quão triste seria o mundo? (risos)

 

Quer deixar uma mensagem de incentivo a todas as mulheres que, tal como a Filipa, aguardam por cumprir um sonho? Qual é o segredo para conseguir pôr o mundo a seus pés (ou conquistar os pés de mulheres de todo o mundo, neste caso)? 

O segredo é simples: tudo começa com um sonho e uma vontade. Por isso, sonhem muito e nunca deixem que vos digam que estão a sonhar alto demais. Tudo é possível quando sonhamos e nos deixamos apaixonar.

Partilhar Artigo: