Revista Rua

2020-01-20T17:57:10+00:00 Gastronomia, Radar, Sabores

FOGO: a nova irreverente proposta gastronómica do chef Alexandre Silva

FOGO não é apenas fogo de vista, mas pretende despertar sensações incomparáveis, num espaço que tem como missão recuperar memórias gustativas de um país.
Chef Alexandre Silva © Paulo Barata
Redação
Redação13 Janeiro, 2020
FOGO: a nova irreverente proposta gastronómica do chef Alexandre Silva
FOGO não é apenas fogo de vista, mas pretende despertar sensações incomparáveis, num espaço que tem como missão recuperar memórias gustativas de um país.

Inaugurado apenas há um mês, em Lisboa, o restaurante FOGO é o novo projeto gastronómico do reconhecido chef português Alexandre Silva, que já teria sido responsável por LOCO – restaurante galardoado com uma estrela Michelin – e Garfo de Ouro para o guia Boa Cama Boa Mesa.

“Vamos trabalhar só com produto nacional e biológico, de pequenos produtores, mas não vamos ter nada fixo, porque não queremos ficar agarrados ao mau produto, queremos ficar agarrados à estação e ao que de melhor existir no mercado”, explica o chef Alexandre Silva, continuando: “Queremos trazer os sabores que a lenha consegue transportar e que é impossível conseguir com outra qualquer”.

O nome do espaço é autoexplicativo e não necessita de grandes definições: o fogo é o elemento central nesta cozinha, dado que todos os pratos são confecionados a lenha, seja no forno, na grelha, no espeto ou num tacho de 80 kg. A ignição mantém-se sempre a mesma, ainda que os produtos trabalhados possam ser de carne, peixe, legumes ou marisco… não há limite para a imaginação do chef e da sua equipa, na qual se destacam mais dois nomes: o chef residente Manuel Liebaut e o sous-chef Ronald Sim.

Chef Alexandre Silva ©Paulo Barata

É no número 57 da Avenida Elias Garcia, em Lisboa, que as portas deste FOGO se abrem com um objetivo: ter uma forte componente sensorial, que promete estimular o imaginário de quem lá entra. Este frenesim particular estende-se até ao bar do espaço, onde o barman João Bruno prepara os melhores cocktails. Já na sala, as operações são lideradas por Francisco Oliveira, que acumula funções de chefe de sala e escanção, ao passo que um dos elementos-chave da equipa é o ex-sommellier do restaurante Eleven e do hotel Penha Longa, que conta com uma garrafeira que abarca mais de 180 referências de vinhos – todos de produção nacional, muitos deles naturais, biodinâmicos ou biológicos.

FOGO não é apenas fogo de vista, mas pretende despertar sensações incomparáveis, num espaço que tem como missão recuperar memórias gustativas de um país cujas bases culturais foram construídas em torno da fogueira – não fosse o fogo a descoberta que mudou para sempre a humanidade.

Com uma cozinha aberta todos os dias, os clientes são convidados a acompanhar a ação de preparo dos alimentos em redor das chamas, numa experiência que se revela memorável.

Partilhar Artigo: