Revista Rua

2019-01-23T18:21:48+00:00 Cultura, Pintura

Forum Arte Braga apresenta Corpo, Abstração e Linguagem

A exposição conta com obras em depósito da Secretaria de Estado da Cultura na Coleção de Serralves e estará patente até 24 de março.
©Nuno Sampaio
Redação
Redação23 Janeiro, 2019
Forum Arte Braga apresenta Corpo, Abstração e Linguagem
A exposição conta com obras em depósito da Secretaria de Estado da Cultura na Coleção de Serralves e estará patente até 24 de março.

A programação de 2019 do Forum Arte Braga, a galeria de arte contemporânea com curadoria de Guilherme Braga da Cruz e Duarte Sequeira, é inaugurada com Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa, uma exposição que traz obras de Anna Jotta, Julião Sarmento, Júlio Pomar, Paula Rego, Álvaro Lapa, Ângelo de Sousa, António Sena, Nikias Skapinakis, Rui Sanches e muitos outros artistas à cidade de Braga. Esta exposição é um resultado da parceria estabelecida em 2015 entre a Fundação Serralves e o Município de Braga e integra-se no vasto programa de exposições e apresentações de obras da Coleção de Serralves em diversos locais, de modo a levar a arte contemporânea a “públicos diversificados de todas as regiões do país”.

Joaquim Rodrigo, Paris-Orio (1975) ©Nuno Sampaio

Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa, cuja inauguração contou com a presença da Ministra da Cultura, Graça Fonseca, do Presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, e da Presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho, demonstra a importância que a pintura e a escultura tiveram ao longo das décadas de 1960-80 na renovação das linguagens artísticas em Portugal. “As obras escolhidas atestam os diversos níveis de diálogo e confluência formais que os artistas portugueses souberam estabelecer entre si e com o contexto internacional a partir do pós-guerra”, pode ler-se na descrição da exposição.

Colocando a arte contemporânea ao dispor do público, estas obras recordam artistas cujas carreiras se iniciaram no período de ditadura, marcada pela censura e repressão política. Apesar de não existir uma ligação associada a mensagem artística propriamente dita, a exposição conduz o público pela arte das décadas de 60 a 80 de uma forma simples e envolvente, numa organização que nos encaminha para a apoteose de Reprodução, uma obra em tinta acrílica sobre tela, de 1985, de Eduardo Batarda.

“Temos tido várias iniciativas de colaboração com Serralves e esta exposição corporiza a responsabilidade do sector privado na interação com o sector público e, acima de tudo, a capacidade de promover uma verdadeira descentralização cultural”, destacou o autarca de Braga, Ricardo Rio, acrescentando que esta exposição “é uma verdadeira viagem no tempo aos primórdios da própria Fundação Serralves”.

Já a Ministra da Cultura, Graça Fonseca, destacou a importância das exposições que têm dado ao público a oportunidade de contemplar as obras de arte que fazem parte do património público, retirando-as dos depósitos dos museus, vangloriando as iniciativas da Fundação de Serralves.

Recorde-se que o Forum Arte Braga foi inaugurado em abril de 2018 e é uma iniciativa da InvestBraga que tem como missão exibir artistas portugueses e internacionais num contexto favorável ao diálogo crítico e à polinização cruzada. Este ano, a programação inicia-se com esta exposição intitulada Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa, seguindo-se, entre 29 de março e 22 de junho, uma exposição da autoria do artista austríaco Oliver Laric, cujo trabalho escultórico é inspirado na cultura pop, media, a relação entre o passado e o presente e a globalização. De 28 de junho a 5 de outubro, a exposição de uma Colectiva de Jovens Artistas Portugueses coloca a geração mais jovem de artistas portugueses em destaque, promovendo a exposição das suas linguagens em solo português e dando alento a um dos principais anseios dos curadores do Forum Arte Braga: instigar e ativar novos diálogos com a nova geração. Por último, o artista portuense Jonathan Uliel Saldanha, com um trabalho que integra som, música, vídeo e gesto, invade a galeria de 11 de outubro a 10 de janeiro.

Partilhar Artigo:
Fechar