Revista Rua

2018-09-26T10:48:13+00:00 Cultura, Fotografia, Radar

Fotografia de retrato

As dicas de Daniel Camacho
© Daniel Camacho
Daniel Camacho
Daniel Camacho26 Setembro, 2018
Fotografia de retrato
As dicas de Daniel Camacho

O retrato é das temáticas mais antigas a ser explorada na fotografia. Desde os primeiros tempos que o retrato assumiu um papel fundamental na história da fotografia. No século XIX as técnicas de iluminação eram baseadas nos princípios da pintura, ou seja, uma luz de janela a entrar numa sala ou num estúdio de forma a suavizar a luz sobre o rosto.

Nos dias de hoje continuamos a fazer muitas fotos de retratos de família, de amigos, de desconhecidos, mas de certa forma, nenhum retrato é realmente verdadeiro porque retrata a visão de quem fotografa.

Quando falamos de retrato não falamos apenas de fotografias de rosto, podemos ter diferentes abordagens, primeiro plano, plano médio, plano geral, pormenores e também, ter diferentes abordagens sobre o mesmo: retrato de rua, institucional, artístico, moda, etc. Qualquer uma destas abordagens proporciona-nos mil e uma opções diferentes a nível de técnica, luz ou composição.

© Daniel Camacho

Abordando a temática de forma genérica, podemos desde logo assumir pontos fundamentais, como por exemplo, a abertura do diafragma. Por norma um retrato tem pouca profundidade de campo para dar destaque ao nosso elemento retratado. Costuma-se usar um diafragma aberto (Ex: f/5.6) para criar esse efeito de desfoque no plano de fundo ou no primeiro plano. O foco normalmente é feito nos olhos usando uma focagem estática (AF-S/ONE SHOT) com apenas um ponto de foco ou com focagem manual. Se estivermos a fotografar muito próximos (ou com muito zoom) e usarmos um diafragma demasiado aberto (Ex: f/2.8) podemos correr o risco de ter o nariz desfocado ou um dos olhos desfocados se o nosso plano não for frontal.

Normalmente as objetivas que se usam para retrato, são standard (Ex: 50mm) ou então teleobjetivas (Ex: 70-200mm). Não é costume fazer-se retrato com grande angular, ou seja, sem zoom, por causa da profundidade de campo e da distorção. Um retrato de rua feito sem zoom pode tornar-se distrativo e com demasiada informação sem interesse.

No que toca a luz, um dia de céu azul a meio da tarde, não é uma boa opção para o retrato porque irá provocar sombras e contrastes demasiado fortes, uma luz difusa, um céu nublado, será bastante mais equilibrado. É necessário ter alguns cuidados com a luz, o elemento retratado pode estar à sombra mas se o fundo tiver demasiada luz será problemático. O ideal será escolher um ambiente mais homogéneo a nível de luz.

Pose ou espontâneo? Esta é uma das dúvidas que muitas vezes se coloca e depende sempre do que pretendemos e da ideia que temos para o nosso retrato. Devemos pensar sempre na finalidade que temos para o retrato em causa.

Bons retratos.

Partilhar Artigo: