Revista Rua

2021-04-06T17:25:00+01:00 Cultura, Outras Artes

Gnration apresenta uma programação cultural diversificada para os próximos meses

Durante a semana de lançamento da agenda cultural será possível conhecer a instalação The Stage is (a)live, na galeria do gnration, da artista portuguesa Joana Chicau com o artista norte-americano Renick Bell.
©Salomé Lamas
Redação
Redação6 Abril, 2021
Gnration apresenta uma programação cultural diversificada para os próximos meses
Durante a semana de lançamento da agenda cultural será possível conhecer a instalação The Stage is (a)live, na galeria do gnration, da artista portuguesa Joana Chicau com o artista norte-americano Renick Bell.

A propósito da comemoração dos oito anos de existência, o gnration apresenta uma agenda cultural recheada para os próximos meses, com espetáculos e exposições a não perder. Após meses encerradas, as portas do gnration encontram-se novamente abertas, retomando a programação com periodicidade trimestral.

O novo programa cultural arranca este mês e prolonga-se até junho, propondo várias atrações artísticas, incluindo a nova exposição da cineasta Salomé Lamas e a estreia em palco da colaboração entre os percussionistas João Pais Filipe e Pedro Melo Alves. De abril a junho, o espaço cultural bracarense será exclusivamente dedicado à criação, à performance e à exposição no domínio da música contemporânea e da relação da arte com a tecnologia, oferecendo um programa intenso e diverso. Esperam-se concertos, exposições, instalações, conversas e atividades de serviço educativo que contemplam um programa preenchido que promete celebrar esta data importante para o gnration.

Durante a semana de lançamento da agenda cultural será possível conhecer a instalação The Stage is (a)live, na galeria do gnration, da artista portuguesa Joana Chicau com o artista norte-americano Renick Bell. Inspirada no mundo digital, a instalação trabalha as interações entre dançarinos algorítmicos que colocam em movimento uma infinidade de peças de áudio e elementos visuais. Ainda na galeria, poderá ser conhecida a exposição coletiva Invasor Abstracto #3 apresentada por membros do coletivo Osso, de 17 a abril a 30 de junho.

© Joana Chicau + Renick Bell

Já na galeria INL, Salomé Lamas apresenta a nova exposição Gaia, um trabalho resultante de residência artística em que a cineasta e artista portuguesa apresenta duas peças: uma obra do seu último projeto multidisciplinar Extration: The Raft of the Medusa e a Gaia. A exposição perdura até dia 29 de maio, sendo que as visitas às exposições e instalações do programa cultural são gratuitas.

Até ao dia 2 de maio, o gnration está à procura de artistas ou coletividades residentes (ou naturais) no distrito de Braga que se proponham a desenvolver conteúdos artísticos originais nos domínios da imagem, do som, da performance, da música ou da dança, entre outros, num possível cruzamento de áreas distintas. Esta iniciativa resulta da sétima edição dos Laboratórios de Verão, um programa de apoio à criação artística em contexto de residência, com o gnration a disponibilizar 1500 euros para cada um dos quatro projetos vencedores.

Visando refletir acerca de questões em torno do racismo e a discriminação racial em Portugal, a sexta edição do ciclo de conversas e cinema, intitulado De que falamos quando falamos de racismo, regressa a 29 e 30 de abril. No primeiro dia é apresentado o filme Posto Avançado do Progresso (2015) do realizador português Hugo Vieira da Silva, ao passo que no segundo dia, o vice-presidente da Federação Calhim Portuguesa e ativista defensor da comunidade cigana, António Pinto Nunes, é convidado para uma conversa que decorrerá no formato digital.

Em abril arranca um novo ciclo de conversas. Territórios Periféricos e Criação Contemporânea procura dissertar sobre a programação artística fora dos dois grandes polos urbanos do país. O primeiro convidado é Luís Sousa Ferreira, diretor do 23 Milas – Ílhavo, consultor da Braga’27 e fundador do festival Bons Sons para uma conversa que acontecerá a 24 de abril. Segue-se Paula Mota Garcia, ex-diretora do Teatro Viriato, a 22 de maio, e Sandra Oliveira, diretora do festival Jardins Efémeros, a 19 de junho. O acesso às conversas é gratuito, sendo que a primeira acontece virtualmente e as segundas contam com participação presencial.

Na vertente da música, o gnration dá a conhecer Arcos, o novo disco do artista português Marco Franco, num concerto agendado para dia 23 de abril, às 21h15. Também a esta hora, mas no dia 30 de abril, é altura de receber Chão Maior que apresentam Drawing Circles, numa estreia aguardada. Já a 22 de maio, é a vez de Rafael Toral Space Quartet, um quarteto liderado pelo músico Rafael Toral e composto por Hugo Antunes, Nuno Mourão e Nuno Torres. Better Way é o disco de estreia a solo de Casper Clausen que se apresenta a 29 de maio, seguindo-se uma estreia no palco da Blackbox a 2 de junho: a nova colaboração de João Pais Filipe e Pedro Melo Alves.

No âmbito do programa de apoio à criação artística local, intitulado Trabalho da Casa, os bracarenses Omie Wise apresentam o novo disco de estreia, Wind and Blue, a 9 de junho. A fechar a programação de música, Kali Malone retorna a Braga após três sucessivos adiamentos, para se apresentar ao público a 19 de junho, num espetáculo que se encontra já esgotado.

Em junho, de 9 a 19, há também dois novos trabalhos artísticos em destaque na programação: Evoking a Simulated Past, a nova instalação da artista Mariana Vilanova, e a exposição Heart of sky centro do vento, do artista português, Nuno da Luz. A entrada é gratuita para ambas as exposições.

Todas as informações relativas à aquisição dos bilhetes podem ser conhecidas na íntegra no site do gnration.

Partilhar Artigo: