Revista Rua

2021-03-18T17:29:38+00:00 Cultura, Outras Artes

Guimarães apresenta uma plataforma digital para promover a criação artística

Com mais de 30 espetáculos já disponíveis e uma agenda repleta de momentos especiais, a plataforma Em Guimarães pretende aproximar o público ao setor artístico.
Maria Inês Neto18 Março, 2021
Guimarães apresenta uma plataforma digital para promover a criação artística
Com mais de 30 espetáculos já disponíveis e uma agenda repleta de momentos especiais, a plataforma Em Guimarães pretende aproximar o público ao setor artístico.

O Município de Guimarães anuncia o lançamento de uma nova plataforma digital que promete impulsionar os artistas, os projetos e a criação artística, assegurando oportunidades de trabalho e projetando o que de melhor se faz na cidade. A plataforma foi apresentada esta manhã, no Centro Cultural Vila Flor (CCVF).

Este novo espaço digital funde a cultura e a criatividade em Guimarães, permitindo dar a conhecer, não apenas aos vimaranenses, mas num espectro nacional, o tecido artístico e criativo que caracteriza a cidade, assim como os equipamentos existentes. A plataforma serve também para impulsionar o dinamismo que a cidade vive em torno da arte, da cultura e da criatividade, promovendo também o turismo. Desde os espetáculos de teatro às visitas guiadas ou a programação que contempla a agenda cultural, a plataforma divulga também o diretório de artistas e os espaços culturais, assim como transmissões em direto.

Com mais de 30 espetáculos já disponíveis e uma agenda repleta de momentos especiais, a plataforma Em Guimarães pretende aproximar o público ao setor artístico com uma simples ligação ao universo digital, promovendo assim o que a Cidade Berço cria e produz, numa perfeita relação de proximidade. A plataforma vem criar soluções excecionais para um tempo atípico, não substituindo a primazia ao consumo artístico presencial.

A apresentação da plataforma iniciou com as palavras da vice-presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Adelina Pinto, que reforçou a vontade do Município em apoiar a criação artística, através de oportunidades dirigidas a quem trabalha e vive da cultura. “Já tínhamos esta noção de que precisávamos de migrar para o digital e fazer a ligação com os nossos artistas.  Os artistas precisaram de nós nestes tempos difíceis, mas nós (Município) também precisamos muito deles. Não há aqui nenhuma atitude que seja apenas altruísmo, é também egoísmo do ponto de vista do Município, para que continue a ter esta valência cultural”, afirma a vice-presidente, Adelina Pinto.

É através da plataforma que serão promovidos os concertos do Festival Internacional de Música Religiosa de Guimarães (FIMRG), transmitidos de 27 de março a 3 de abril, pelas 21h30, readaptando-se à nova realidade de promoção digital. Segundo a diretora do FIMRG, Elisabete Matos: “Guimarães teve a capacidade de se recriar e reinventar num esforço estratosférico para continuar a prestar serviço público e permitir trabalho aos artistas que estão a passar por dificuldades. Esta solução mostra que Guimarães é uma cidade com capacidade de reação e reinvenção imediata”. O Festival contempla sete concertos que serão gravados em diferentes espaços de Guimarães. Também o músico vimaranense, Rui Souza, dos Dada Garbeck, esteve presente no lançamento da plataforma, reforçando a aposta do Município no apoio aos artistas e à produção artística. Segundo o músico, a plataforma irá “dar voz aos artistas”, assim como possibilitar as condições necessárias para “produzir gravações com qualidade, através de um serviço que muitas vezes não é possível para os artistas, dado os custos elevados”. Aproveitou ainda para reforçar que será uma boa forma de chegar a novos públicos e a mais programadores na área da cultura, assegurando oportunidades de emprego.

Partilhar Artigo: