Revista Rua

2020-01-23T19:08:04+00:00 Radar

Guimarães é reconhecida como Cidade Resiliente pelas Nações Unidas

Este reconhecimento integra uma campanha liderada pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNDRR).
Redação23 Janeiro, 2020
Guimarães é reconhecida como Cidade Resiliente pelas Nações Unidas
Este reconhecimento integra uma campanha liderada pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNDRR).

A cidade de Guimarães acaba de receber a distinção de Cidade Resiliente, atribuída pelas Nações Unidas, na sequência do trabalho desenvolvimento pelo município, no âmbito da Proteção Civil.

Este reconhecimento integra uma campanha liderada pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNDRR), com o objetivo de elevar e honrar o perfil de resiliência e redução de riscos de desastres entre governos locais e comunidades urbanas em todo o mundo. Guimarães assume, assim, a visão estratégica da proteção civil municipal, consciente dos riscos existentes, assegurando a existência de infraestruturas e serviços organizados com o fim de minimizar os efeitos de eventuais acidentes graves ou catástrofes, zelando pela proteção dos cidadãos.

Com base em instrumentos de informação e preparação, contando com o contributo de todos os atores da proteção civil municipal, estão em curso diversos projetos e iniciativas que visam a proteção, assim como a implementação de boas práticas pelo município. O Serviço Municipal de Proteção Civil pretende, desta forma, continuar o desenvolvimento e a execução de projetos que promovam a proteção dos bens do município e a segurança das pessoas, tantos os habitantes do concelho como de quem visita Guimarães todos os dias.

O documento que oficializa a entrada de Guimarães na iniciativa da Estratégia Internacional para a Redução de Catástrofes foi assinado pelo presidente da Câmara Municipal, Domingos de Bragança, assim como pela representante especial das Nações Unidas para a Redução dos Riscos de Desastres, Mami Mizutori.

Partilhar Artigo: