Revista Rua

2019-10-01T16:02:56+01:00 Radar

Hoje é o Dia Mundial da Música. Lembra-se destas?

É fã de alguma destas bandas? E que músicas não lhe saem da cabeça?
Redação1 Outubro, 2019
Hoje é o Dia Mundial da Música. Lembra-se destas?
É fã de alguma destas bandas? E que músicas não lhe saem da cabeça?

Texto: Inês Rodrigues

A propósito do Dia Mundial da Música, que se celebra esta terça-feira, 1 de outubro, selecionamos alguns álbuns intemporais que fizeram história, tanto em Portugal como no mundo. Será que se lembra destes álbuns e das respetivas músicas?

Álbuns de maior sucesso em Portugal

Mingos & Os Samurais, de Rui Veloso

Um dos melhores e mais aclamados discos de sempre no nosso país, Mingos & Os Samurais é o quinto álbum de estúdio do cantor Rui Veloso, lançado em 1990. O disco narra musicalmente a história de uma pequena banda suburbana das décadas de 60 e 70 do século XX. Não deve existir português algum que não saiba cantar, pelo menos, os refrões de “Não Há Estrelas no Céu”, “A Paixão (Segundo Nicolau da Viola)” ou “Baile da Paróquia”.

Mutantes S.21, dos Mão Morta

É o quarto álbum do grupo português Mão Morta, lançado em 1992. De acordo com a revista Blitz, este foi o segundo melhor álbum de música portuguesa dos anos 90. É considerado pela crítica especializada, bem como pelos fãs, o melhor álbum dos Mão Morta. Um dos singles do álbum, a canção “Budapeste (Sempre a Rock & Rollar)”, tornou-se num dos temas mais populares da banda.

Viagens, de Pedro Abrunhosa e Os Bandemónio

Viagens é o álbum de estreia de Pedro Abrunhosa e Os Bandemónio. A produção foi de Mário Barreiros, Pedro Abrunhosa e Quico Serrano. O disco conta com a participação do conhecido saxofonista de James Brown, Maceo Parker. Atingiu a marca de tripla platina com vendas superiores a 240 mil unidades. Lembra-se de temas como “Não posso mais”, “É preciso ter calma”, “Socorro” e “Tudo o que eu te dou”? Faziam parte deste álbum.

Ser Maior – Uma História Natural, dos Delfins

Editado em 1993 e fora do mercado desde 1995, Ser Maior é considerado como o álbum conceptual dos Delfins. “Ao Passar Um Navio”, “A Queda de Um Anjo” e “Ser Maior” continuam, 22 anos depois, hinos da música nacional e facilmente reconhecidos e cantados por todos.

Álbuns de maior sucesso internacional

Their Greatest Hits, dos Eagles

O álbum Their Greatest Hits 1971-1975 vendeu 38 milhões de cópias desde o seu lançamento, em fevereiro de 1976, ultrapassando as 33 milhões de unidades comercializadas do mítico álbum Thriller, de Michael Jackson, lançado em 1982. A coletânea reúne uma coleção de canções da primeira fase da vida dos Eagles. Abre com “Take It Easy”, passa por “Desperado” e “One Of These Nights” mas não inclui “Hotel California”.

Thriller, de Michael Jackson

Clássico supremo da pop, sintetiza a era dourada de Michael Jackson, iniciada com “Off The Wall” (1979) e acabada com “Bad” (1987). Em nove canções, sete foram single: “The Girl Is Mine”, “Billie Jean”, “Beat It”, “Wanna Be Startin’ Somethin’”, “Human Nature”, “P.Y.T. (Pretty Young Thing)” e “Thriller”. Apesar de já não ser o álbum mais vendido, Michael Jackson ficará para a história da música como o Rei da Pop.

The Wall, dos Pink Floyd

Foi o último álbum da banda lançado com a formação original, que contava com David Gilmour na guitarra e vocais, Roger Waters no baixo, Richard Wright nos teclados e Nick Mason na bateria. A produção do disco foi tão agitada que gerou uma discórdia entre Waters e Wright, fazendo com que o teclista abandonasse a banda pouco depois do lançamento. “Another Brick in the Wall” faz parte do disco.

Led Zeppelin IV, dos Led Zeppelin

O álbum saiu sem nome nem indicação de qual banda o havia produzido. A ideia surgiu de Jimmy Page, como forma de enganar as críticas negativas dos discos anteriores. O disco continha a música “Stairway to Heaven”, considerada por muitos uma das melhores faixas de rock de todos os tempos.

Back In Black, dos AC/DC

A gravação do álbum aconteceu nas Bahamas, na primavera de 1980, e a banda foi apanhada de surpresa por uma tempestade tropical que passou pela região, atrapalhando o trabalho. A capa preta e o nome do álbum são sinais de luto pela morte de Bon Scott, vocalista do grupo, que faleceu pouco antes do início das gravações (substituído por Brian Johnson). “You Shook Me All Night Long“, um dos temas emblemáticos da banda australiana, faz parte do álbum.

The Beatles, dos The Beatles

Conhecido também como The White Album (“O Álbum Branco”), foi o único disco duplo lançado pela banda em toda a sua carreira. A maioria das canções foi escrita na cidade de Rishikesh, na Índia, utilizando uma técnica de meditação transcendental. A prática fez aparecer a criatividade da banda, que voltou à Inglaterra com cerca de 40 novas músicas. Canções como “Julia”, “I’m So Tired”, “Long, Long, Long” ou “Don’t Pass Me By” faziam parte do álbum.

Boston, dos Boston

O álbum de estreia da banda Boston, lançado em julho de 1976, pela Epic Records, foi totalmente gravado e produzido no porão da casa de Tom Scholtz, guitarrista e fundador da banda. Apesar de não ter experiência no ramo da produção musical, ele guardou dinheiro para montar o seu estúdio caseiro enquanto trabalhava como designer de produtos na empresa Polaroid. A canção “More Than a Feeling” fazia parte deste álbum.

Appetite For Destruction, dos  Guns N’ Roses

Appetite for Destruction é considerado como um dos mais importantes lançamentos da história do rock por trazer canções que se tornaram clássicas e são populares até hoje como “Welcome to the Jungle”, “Paradise City” e “Sweet Child o’ Mine”, entre outras.

Hotel California, dos Eagles

É o quinto álbum de estúdio da banda Eagles e também o nome da música de maior sucesso do grupo. O disco, lançado a 8 de dezembro de 1976, está no número 37 da lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos, divulgada pela revista Rolling Stone em 2003. Com a música “Hotel California”, a banda ganhou um Grammy na categoria de Record Of The Year.

Partilhar Artigo: