Revista Rua

2020-09-28T16:39:49+00:00 Descobrir, Radar, Viagens

Hotel da Barrosinha, onde o silêncio impera

O leitor deverá ter em atenção duas palavras essenciais que caracterizam não só o espaço, como a estadia neste local: paz e tranquilidade.
©D.R.
Cláudia Paiva Silva
Cláudia Paiva Silva28 Setembro, 2020
Hotel da Barrosinha, onde o silêncio impera
O leitor deverá ter em atenção duas palavras essenciais que caracterizam não só o espaço, como a estadia neste local: paz e tranquilidade.

No limbo entre quem regressa de umas férias estranhas no verão atípico, mas quente de 2020, e quem aproveita sempre o outono para parar um pouco, há ainda muito para ver e descobrir em Portugal. A pouco mais de dois quilómetros de Alcácer do Sal, encontra-se o Hotel da Barrosinha, integrado na área da Herdade com o mesmo nome, na localidade, claro está, homónima.

Antes de dar continuidade ao texto, o leitor deverá ter em atenção duas palavras essenciais que caracterizam não só o espaço, como a estadia neste local: paz e tranquilidade. São estes os principais lemas a juntar ao contacto privilegiado com a Natureza em pleno paralelo com o curso do Rio Sado, que o cliente típico encontra nesta unidade hoteleira de quatro estrelas.

Os inícios da Herdade da Barrosinha começam com a fundação em 1947 da Companhia Agrícola da Barrosinha SA, aproveitando a instalação de várias empresas e desenvolvimento de indústria logo após a Segunda Guerra Mundial em Portugal. Desses tempos ainda se distribuem pelos 2000 hectares a herança dos trabalhadores, desde as suas pequenas casas, à escola primária, passando pela adega, cantina, serração e, claro, os edifícios que correspondiam às fábricas de descasque e embalamento de arroz e produção de rações. Um pouco mais longe, entrando pela zona de serra que fará parte de percursos guiados, encontram-se ainda duas capelas (Nossa Senhora da Conceição e Senhor das Chagas). Hoje em dia, a produção de vinho (cerca de 100 ha de vinhas) e ainda a produção de arroz continuam a ser a principal fonte de negócio, após vários anos em que a Herdade sofreu fortes restruturações.

Passado e Presente

Em 2009, Barrosinha Nature Farm Resort era o nome de um gigante e futuro empreendimento a ser construído na Herdade. Para um espaço temporal de 12 anos estava previsto o desenvolvimento de uma mega estrutura hoteleira, compreendendo o conceito de rural chic dentro da mesma escala do que se via e ainda vê acontecer entre a região da Comporta e Melides. Dois hotéis de quatro e cinco estrelas respetivamente, campo de golfe e 11 aldeamentos turísticos que se espalhavam pela totalidade da área, desde a zona mais serrana até às margens do Sado. Aprovado pela Câmara Municipal de Alcácer do Sal em 2011, o projeto viu-se cair após falência do seu então promotor. Mudando o rumo dos acontecimentos, a Companhia Agrícola da Barrosinha foi então colocada no Fundo de Lazer, Imobiliário e Turismo, e passados dez anos desde a ideia inicial, inaugura em novembro de 2019 o Hotel da Barrosinha onde antes se encontrava uma antiga estalagem e reaproveitando outros espaços dedicados à indústria rural.

Uma recuperação feita ponderadamente, sem pressas, adaptando-se à realidade do mercado e reabilitando espaços e atividades que estavam parados desde 2012, enquadrados perfeitamente dentro da arquitetura típica de uma cooperativa outrora bastante ativa. A sala/salão de estar principal, antigo armazém, é pautado por fotografias que relembram como era o espaço antes da transformação (a própria zona da piscina exterior está localizada na zona dos antigos carris que transportavam os produtos para dentro deste mesmo local) e não é difícil reencontrar pelo hotel utensílios e máquinas pertencentes à manufatura dos produtos.

©D.R.

Ao todo são 35 quartos e duas suites, modernizados em estilo industrial em respeito e lembrando a história do recinto, com vista para o campo ou piscina, e seis casas (ou villas) totalmente equipadas, adequadas para famílias numerosas e/ou com crianças. Estas casas, recuperadas das antigas casinhas dos trabalhadores que foram sendo abandonadas ao longo das décadas, localizam-se contíguas ao espaço do hotel, mantendo a traça original. Pitorescamente, mas relembrando o espírito de cooperativa, os atuais trabalhadores da herdade ainda moram nas remanescentes casas em banda, não só na mesma rua onde os visitantes se alojam, como à beira da estrada nacional 5, a caminho do Torrão e também em pequenos fogos localizados um pouco mais distantes, mas dentro dos caminhos que podem ser percorridos a pé, ao longo de toda a área, sendo impossível não os fotografar. Nesses caminhos aproveite para caminhar até ao cais da Herdade, acompanhando os arrozais, e inspire fundo quando atingir o Sado, deixando que o bucólico lhe encha o espírito.

Para além das acomodações, a unidade possui também loja de produtos regionais onde o vinho, arroz, mel, compotas várias, queijos e as típicas pinhoadas encabeçam a lista de iguarias, Taberna, onde podemos saborear petiscos divinos, o vinho da “casa” e pratos tradicionais, Restaurante e Bar, podendo ser apreciados entre outras bebidas, gins tipicamente nacionais e alentejanos, como o Sharish e Black Pig. A Adega, centro de operações da Herdade, pode ser visitada mediante marcação. Todos os dias, pelas 17 horas, também com marcação, podem ser realizadas provas de vinho na loja. Tudo isto dentro do mais rigoroso selo de Clean&Safe.

O Hotel da Barrosinha pauta também por dois aspetos essenciais: a limpeza e higienização dos e nos espaços sociais, a organização dos grupos de pequenos-almoços, o espaço e distâncias de segurança, mas também por ser um hotel acessível, ou seja, possibilitando que qualquer pessoa com deficiência possa usufruir do espaço, sem passar por dificuldades várias habitualmente encontradas noutros locais.

Dito isto…

Se o conceito de turismo rural pode não dizer muito a tantos, relembre-se das tais palavras-chave: paz e tranquilidade; é impossível não conseguir sentir o aroma a flores campestres durante a estadia, ou adormecer sem o menor ruído à beira da piscina. Reflexo que o silêncio impera. E a oferta de atividades não se reduz ao previamente descrito, simplesmente está em “pausa” nestes momentos tão delicados que atravessamos.

Se contudo sentir a falta de reboliço, dê um salto a Alcácer do Sal e percorra as ruas e ruinhas da cidade ribeirinha de origem árabe – não se esqueça da máquina fotográfica -, visite a Cripta Museológica no castelo e o museu Dom Pedro Nunes, onde se conta a história da cidade, e coma num dos muitos e deliciosos restaurantes (Porto Santana, Sabor Sadino, Brazão ou Quanto Baste, são alguns dos exemplos que aconselhamos). Se ainda assim não estiver satisfeito, pode percorrer em meia hora a estrada que liga Alcácer à Comporta, seguindo para as praias que compõem o extenso areal localizado entre o Atlântico dum lado e os sapais do outro, desde Troia até praticamente Melides.

Agora que o outono está a iniciar, aproveite para visitar o que de melhor Portugal tem para oferecer. A Barrosinha está à espera!

Partilhar Artigo: