Revista Rua

2019-01-08T11:07:15+00:00 Sabores, Vinhos

Ilha, o vinho da casta amaldiçoada

Diana Silva ©D.R.
Rita Almeida
Rita Almeida8 Janeiro, 2019
Ilha, o vinho da casta amaldiçoada

É na Adega de São Vicente, no Funchal, que Diana Silva começa esta história, uma história de resiliência. Apaixonada pelo sector vinícola, a jovem produtora Diana Silva é o rosto por detrás do Ilha, uma trilogia de Tinta Negra, uma casta desdenhada pelos madeirenses – e apelidada até como “casta amaldiçoada”. Apesar da dificuldade, Diana conseguiu surpreender com vinhos elegantes, numa trilogia criada a partir de uma única casta: um branco, que é “o primeiro Blanc de Noirs” da Madeira, um tinto surpreendente com 12% de teor alcoólico, e um rosé rubro e absolutamente diferente, feito “a partir da cor natural que a Tinta Negra dá”. A produtora explica que são vinhos muito salinos, gastronómicos e únicos, apesar de ter consciência que pode não agradar a todas as bocas.

“É um vinho de paixão”. É assim que Diana descreve o seu Ilha, um vinho DOP da Madeira, que não é vinho Madeira. “Muito criterioso, um vinho de nicho, que não se preocupa com as regras do mercado”, acrescenta. Diana não esconde o investimento pessoal que colocou neste trabalho: “É o projeto da minha vida”. Na rolha pode ler-se “Amor à terra e crença no terroir”.

A jovem produtora investiu fortemente nas parcerias que criou com os viticultores locais, nomeadamente em São Vicente, na Madeira, acreditando que é a terra mais apropriada para a casta Tinta Negra. Esta pequena produção, com cerca de 3500 garrafas de tinto e de branco e 3900 de rosé, resulta em vinhos de prestígio, elegantes e com baixo teor alcoólico (11,5% a 12%). Para o degustar não precisa necessariamente de se deslocar até à Madeira. Pode encontrar estes vinhos em algumas garrafeiras, como a Garrafeira Nacional e Garrafeira Imperial, no Clube Gourmet do El Corte Inglés e em alguns restaurantes de topo como o 100 Maneiras e o Belcanto.

Partilhar Artigo:
Fechar