Revista Rua

2018-12-18T11:15:11+00:00 Cultura, Pintura

Joan Miró em destaque em Serralves até março

"Joan Miró e a Morte da Pintura" é a exposição que traz o artista catalão a Serralves até março.
Fotografias ©Nuno Sampaio
Redação18 Dezembro, 2018
Joan Miró em destaque em Serralves até março
"Joan Miró e a Morte da Pintura" é a exposição que traz o artista catalão a Serralves até março.

A Casa de Serralves, com o apoio da Sonae como mecenas, apresenta a exposição Joan Miró e a Morte da Pintura, colocando em evidência obras da Coleção do Estado Português com outras provenientes de importantes coleções espanholas e francesas (que são expostas pela primeira vez no nosso país). Centrando-se na produção artística do artista catalão no ano de 1973 – altura em que, com 80 anos, Miró preparava uma importante retrospetiva no Grand Palais, em Paris -, esta exposição tem curadoria de Robert Lubar Messeri, prestigiado especialista da obra do artista plástico, que examina, no catálogo que acompanha a exposição, o conceito de “assassinato estético” e o envolvimento de Miró na corrente que, entre 1927 e 1928, foi denominada como “anti-pintura”.

Fotografia ©Nuno Sampaio

Nesta exposição, aberta ao público até 3 de março, encontram-se telas com detalhes queimados, revelando a “raiva estética” de Miró e ainda esculturas feitas com materiais variados, como tapetes e panos, decorados com cordas, lãs ou tesouras. “Com oitenta anos de idade, Joan Miró preparou uma importante retrospetiva no Grand Palais, em Paris, para a qual concebeu uma série de telas perfuradas (março de 1973), de relevos tecidos (“Sobreteixims” e “Sobreteixims-Sacks”, 1972 e 1973) executados em colaboração com Josep Royo, e cinco “Toiles brûlées”, telas queimadas produzidas entre 4 e 31 de dezembro de 1973, obras através das quais Miró deu largas à sua raiva estética”, pode ler-se na descrição da exposição.

Miró regressa assim a Serralves, dois anos depois da primeira exposição da coleção Miró, propriedade do Estado, Joan Miró: Materialidade e Metamorfose, visitada por cerca de 240 mil pessoas.

Partilhar Artigo: