Revista Rua

2021-07-08T12:02:41+01:00 Sabores, Vinhos

José Avillez e Dirk Niepoort criam dois vinhos da região do Douro

Os novos vinhos estão disponíveis para consumo nos restaurantes de José Avillez.
©D.R.
Redação8 Julho, 2021
José Avillez e Dirk Niepoort criam dois vinhos da região do Douro
Os novos vinhos estão disponíveis para consumo nos restaurantes de José Avillez.

O reconhecido produtor de vinhos, Dirk Niepoort, e o embaixador da gastronomia portuguesa, José Avillez, uniram-se para criar dois novos vinhos que oferecem uma viagem sensorial pela deslumbrante região do Douro:Avillez/Niepoort Tinto 2017 e Avillez/Niepoort Branco 2017.

Para José Avillez “é muito interessante poder desenvolver vinhos do Douro assinados. Os vinhos e a gastronomia têm uma relação muito próxima, valorizam-se mutuamente e aprecio muitíssimo os produtos do Douro. Os novos vinhos foram pensados e desenvolvidos em parceria com o Dirk Niepoort, um produtor com grande valor, tradição e experiência na região e estou muito contente com o resultado final”.

Avillez/Niepoort Tinto 2017

Um vinho muito gastronómico.

Provém de vinhas velhas com cerca de 50 anos, vizinhas à Quinta de Nápoles. Mistura castas típicas do Douro, com ênfase na Touriga Franca, Tinta Amarela e Tinta Roriz. Apresenta-se com uma cor rubi aberta, de coração mais fechado; no nariz é bastante tímido, desdobrando-se ao longo do tempo, mostrando aromas a fruta vermelha e alguma fruta do bosque, aliadas a notas de estágio em madeira. Na boca é leve e fresco. Com grande potencial de envelhecimento, é um vinho com profundidade média, muito gastronómico. Acompanha bem pratos condimentados, carnes vermelhas, caça, grelhados, peixes gordos e pratos vegetarianos com cogumelos.

Avillez/Niepoort Branco 2017

Um vinho fresco, com um enorme potencial de envelhecimento.

É um vinho que expressa a vinha e o local de origem: vinhas que se situam a cerca de 600 metros de altitude, em solos de micaxisto, com uma idade superior a 80 anos e maioritariamente situadas na margem direita do rio Douro. Com uma vertente mineral muito intensa e profunda, é muito complexo no aroma, com excelentes notas de tosta da barrica e ervas finas perfeitamente integradas no perfil citrino e ligeiramente floral. Com muita presença na boca, mostra-se muito fino e delicado nas notas de fruto branco e algumas especiarias. Um branco para ser apreciado em copo tipo Borgonha e que acompanha bem peixe assado, carnes brancas, pratos à base de natas, gratinados e risottos.

Partilhar Artigo: