Revista Rua

2018-11-21T16:57:50+00:00 Cultura, Pintura

Jovens de Famalicão transformam lendas e tradições locais em arte urbana

Partilhar Artigo:
Projeto Urban Youth na Freguesia de Bairro
Redação21 Novembro, 2018
Jovens de Famalicão transformam lendas e tradições locais em arte urbana
Partilhar Artigo:

O projeto Urban Youth surge com o objetivo de mostrar as lendas e tradições das freguesias de Vila Nova de Famalicão através da representação artística em pinturas murais, espalhando arte pelas ruas de todo o concelho.

Resultante de uma parceria do Pelouro da Juventude do Município de Famalicão, a partir da Casa da Juventude, com o Centro Artístico – A Casa Ao Lado, este projeto apresenta-se, até ao final do ano, em oito freguesias, estando já previstas para os próximos dois anos mais oito pinturas murais em freguesias diferentes.

As pinturas estão a ser executadas “por jovens de Famalicão, sendo que o objetivo passa por proporcionar-lhes a oportunidade de usufruir da experiência artística e de adquirir valores no sentido de promover uma cidadania mais participativa”, explica o diretor artístico do Centro Artístico – A Casa Ao Lado, Ricardo Miranda.

Há pinturas murais já concluídas nas freguesias de Sinçães, Requião, Jesufrei, zona das Lameiras e Santiago D’Antas e Bairro, a mais recente freguesia a ver um mural ser concluído. Ao longo de 24 metros de comprimento, o mural da freguesia de Bairro, criado por 15 jovens famalicenses, ilustra a forte ligação da localidade ao barro e à cerâmica. Desde 1979 que a Fundação Castro Alves criou a Escola de Cerâmica Artística, que formou centenas jovens que hoje são artesãos reconhecidos em todo o país.

A “descentralização da arte urbana para os meios rurais tem sido muito bem acolhida nas freguesias e até têm sido os próprios presidentes das Juntas a contactar o Pelouro da Juventude, de forma a usufruírem do projeto”, revela Ricardo Miranda. O ponto alto seria conseguir que o projeto chegasse às “48 freguesias de Famalicão para, no final, produzir um livro ilustrativo de toda a obra realizada”, remata.

Partilhar Artigo: