Revista Rua

2020-08-18T16:49:21+00:00 Cultura, Literatura, Radar

Leituras de verão: o que ler na praia

©D.R.
Redação
Redação14 Agosto, 2020
Leituras de verão: o que ler na praia

Verão é tempo de praia e praia é tempo de pôr a leitura em dia. Um dia à beira mar pode transformar-se numa viagem onde não há limite para a imaginação. Para isso basta resistir durante algumas horas à invasão tecnológica e adotar a leitura como forma de descanso pleno.

Deixamos aqui algumas sugestões de livros que o podem acompanhar numa nova aventura, numa viagem no tempo ou apenas uma simples estimulação cerebral.

Histórias daqui e dali, de Luis Sepúlveda

São 25 histórias para onde somos transladados para diversos cenários, distintas situações, países daqui e dali, mas as palavras do autor remetem-nos sempre para um mesmo território literário: o território dos derrotados que se negam a aceitar a derrota. Um território bem conhecido dos leitores de Luis Sepúlveda que, neste livro, se reencontrarão com algumas das melhores passagens da sua extensa obra literária.

O golfinhode Mark Haddon

 Uma recém-nascida é a única sobrevivente de um desastre aéreo. O pai, um homem demasiado protetor e com um segredo terrível, cria-a em total isolamento, o que a leva a refugiar-se num mundo de livros e aventuras antigas.

Porém, um dia, esta menina é visitada por Darius, um jovem que compreende bastante mais do que devia sobre o pesadelo em que ela vive, o que o deixa em grande perigo. Perseguido por alguém que o vê como uma ameaça, a fuga por mar torna-se a única opção. Daí em diante, Darius será Péricles – o príncipe de Tiro – e a sua vida encher-se-á de lances arriscados, de acasos, mas também de amor.

Assim começa uma aventura épica que vai dos nossos dias ao mundo antigo, passando por Londres nos tempos de Shakespeare. Deusas vingativas, ninfas protetoras, mitos antigos e os eternos e insondáveis desígnios das Parcas atravessam também as páginas deste livro.

No novo romance de Mark Haddon, as fronteiras entre o real e o imaginado diluem-se para dar lugar a uma narrativa única e imperdível, com ecos de histórias distantes, e onde a força e a resiliência femininas ecoam a cada momento.

E, de Repente, a Alegriade Manuel Vilas

Desde o coração das suas memórias, um homem que arrasta tantos anos de passado como ilusões de futuro, recorre às suas recordações para iluminar a sua história. A história de um filho que tem de aprender a viver sem os pais, e de um pai que precisa de aceitar a viver mais longe dos filhos. Uma história que por vezes dói, mas que sempre acompanha.

Neste romance, a meio caminho entre a ficção e a confissão, o protagonista viaja pelo mundo e pelas suas memórias. É uma viagem com duas faces: a face pública, em que o protagonista-autor encontra os seus leitores; e o lado íntimo, em que aproveita cada momento de solidão para procurar a sua verdade.

Os Vivos e os Outrosde José Eduardo Agualusa

 José Eduardo Agualusa nunca foi tão longe no lirismo da sua prosa – nem, ao mesmo tempo, no desenho de personagens tão reais que parecem inventadas.

Para onde vamos depois do fim? Talvez para uma pequena ilha, pois, como diz uma das personagens deste romance, «depois que o mundo acabar, recomeçará nas ilhas». Daniel Benchimol, personagem de A Sociedade dos Sonhadores Involuntários e Teoria Geral do Esquecimento, regressa logo na primeira página do novo livro de Agualusa. O cenário é o da beleza única e mágica da Ilha de Moçambique – onde decorre um festival literário que reúne três dezenas de escritores africanos que, na sequência de uma violentíssima tempestade no continente (e de um evento muito mais trágico, que só depois se revelará), permanecerão totalmente isolados durante sete dias. Mas a história leva-nos mais longe: a uma série de estranhos e misteriosos acontecimentos, que colocam em causa a fronteira entre realidade e ficção, passado e futuro, a vida e a morte, e inquietam os escritores e a população local.

Meia-Noite em Chernobyl; A história secreta do maior desastre nuclear de semprede Adam Higginbotham

 A história definitiva do acidente de Chernobyl, baseada numa investigação profunda sobre como a propaganda, o secretismo e os mitos encobriram a verdade de um dos maiores desastres do século XX.

O dia 25 de abril de 1986 foi um ponto de viragem na História. O acidente em Chernobyl não mudou apenas a nossa perceção da energia nuclear, mas também o conhecimento da delicada ecologia do planeta. Chernobyl foi igualmente importante na destruição da URSS e, como tal, na vitória dos Estados Unidos na Guerra Fria. Para Moscovo, foi um desastre político e financeiro – provocando a bancarrota de uma economia já vacilante -, mas também ambiental e científico.

O Carteiro de Auschwitz; Só aqueles que mantêm a esperança são capazes de resistir, de Joe Rosenblum e David Kohn

 O Carteiro de Auschwitz é a história verdadeira de um adolescente a quem tentaram roubar a vida e os sonhos. Apanhado no turbilhão do Holocausto, este jovem sobreviveu a uma sequência de dramas tão angustiantes que se torna difícil aceitá-los como factos reais. Uma confiança inabalável, uma bondade sem limites, um exemplo perfeito de bravura e caráter.

Joe Rosenblum era ainda criança quando assistiu à invasão nazi da sua pequena cidade na Polónia. Foi por pouco que escapou à execução em massa de que foi vítima o irmão. Joe mudou-se primeiro para uma quinta, onde trabalhou, e cujos proprietários o protegeram e o ajudaram a prover o sustento da família durante algum tempo. Depois, viu-se obrigado a refugiar-se junto de ex-prisioneiros russos. a sua inacreditável jornada de sobrevivência começa após ser capturado pelos alemães.

Os Passos em Volta, de Herberto Helder

Aparentemente um livro de contos, histórias de enredos simples, mas romanticamente transcendentes, representam os passos de um homem em torno da sua existência, sem respostas paradigmáticas, num vazio que se procura transformar em matéria. Sobeja-lhe o corpo, divino, prodigioso e redentor, onde regressa sempre.

Partilhar Artigo: