Revista Rua

2021-02-04T10:46:19+00:00 Bem-Estar, Radar

Mudanças eco-friendly para 2021

As dicas amigas do ambiente para seguir este ano.
Redação4 Fevereiro, 2021
Mudanças eco-friendly para 2021
As dicas amigas do ambiente para seguir este ano.

Por Mariana Sousa Lopes

Há quem defenda que o ser humano demora cerca de 21 dias para criar um hábito. A RUA sugere-lhe alguns novos hábitos e dicas amigas do ambiente para este ano, desde casa, férias, roupa, alimentação e viagens.

Cuide de si e preocupe-se com o ambiente

A área das cosméticas e do bem-estar tem diversas opções amigas do ambiente, nos mais pequenos pormenores pode fazer a diferença. Substituindo a tradicional escova de dentes (em plástico), por uma em bambu, ainda existe o bónus de opções, onde apenas necessita de mudar a cabeça da escova. Em 2018, a União Europeia acordou que a partir de 2021 seria proibido o uso de plástico de apenas uma utilização, devido à poluição marítima. Anualmente cerca de 12 milhões de toneladas de plástico acabam no oceano. A proibição inclui a utilização dos cotonetes, que podem ser substituídos por cotonetes em bambu. No mundo da cosmética existem várias opções biológicas, que normalmente estão assinaladas nas embalagens. Para o cuidado do cabelo, a utilização de champô e amaciadores sólidos é muito importante, evitando a utilização de plástico, e com uma maior rentabilização. Para algodões desmaquilhantes e pensos diários existem opções reutilizáveis, permitindo uma maior longevidade do produto, por ser possível mais do que uma utilização.

Já existem várias marcas com opções eco-friendly, como: Garnie, PLUME Organic Care, MPL’ beauty, Lush Portugal, Mind the trash e GREENSENSE Natural Cosmetics.

Novos hábitos em casa

Há pequenos pormenores, em casa, que mudados podem fazer a diferença, como a utilização de palhinhas reutilizáveis, de aço inoxidável ou de bambo. Recorrer a métodos como a Estação ECO, que permite o reenchimento de garrafas, em várias lojas Pingo Doce, também é uma sugestão. Outra forma de evitar o uso de plástico é a utilização de garrafas de reutilizáveis, normalmente de vidro. Ainda sobre a prática de reaproveitar, a compra de sacos reutilizáveis ou de pano são muito importantes – caso prefira aposte em sacos compostáveis e biodegradáveis.

Outra alternativa ecológica é entregar o óleo alimentar usado em postos de recolha, que o utilizam para produzir detergentes biodegradáveis. Ainda sobre detergentes, existem opções de detergentes em tiras, ou em cápsulas, que reduzem a quantidade de plástico. A compra a granel também é uma ótima opção para reduzir o desperdício, seja em detergentes ou mesmo especiarias, chás, leguminosas e outras inúmeras opções.

Reciclar também é um ponto importante para o ambiente. Diariamente cada pessoa produz 1.3 kg de resíduos, sendo que 9% são embalagens de plástico. O alumínio é uma das embalagens mais difíceis de se degradarem por completo. Várias marcas de café têm atenção à reciclagem de cápsulas, como a Nespresso, Delta, Pingo Doce, que incentivam e criam meios para os clientes reciclarem as cápsulas.

A mudança no mundo passa pelo guarda-roupa

O mundo da moda já tomou consciência do impacto ambiental que esta indústria tem no mundo. Marcas reconhecidas, como a Hush Puppies, H&M, Nike, The North Face ou Timberland já criaram coleções mais amigas do ambiente. Contudo, a criação de produtos com um impacto menor no ambiente proporciona custos extras. Desta forma, uma maneira mais económica de ter um armário eco-friendly é apostar na compra de roupa em segunda mão, que é um fenómeno que cresce de dia para dia em várias cidades.

O uso de cortiça também é muito importante para um planeta mais verde, além de ser uma característica da cultura portuguesa. Cada vez existem mais opções, mas as mais conhecidas são as carteiras, malas, calçado e até cadernos em cortiça. Assim consegue ter produtos naturais, renováveis e biodegradáveis.

Alimentação e compras locais mudam o ambiente

A sociedade tem-se mostrado cada vez mais interessada na natureza e ambiente e um dos passos é a mudança da alimentação. Alimentação sem carne e sem peixe é a mais amiga do ambiente, mas uma redução da porção semanal de carne, para duas ou três refeições, já faz a diferença. Para criar um quilo de carne de vaca são necessários cerca de 15 500 litros de água, mais as elevadas emissões de CO2 e energia necessária para a produção são elementos muito prejudiciais para o ambiente. Ao mesmo tempo, mais de metade do total das emissões de gases que causam o efeito de estufa são causados pela atividade pecuária.

Por outro lado, outra das dicas e hábitos importantes ao comprar alimentos é tentar comprar no comércio local, de forma a melhorar a economia e evitar percorrer grandes distâncias para as compras. Outro cuidado a ter é lutar contra o desperdício, assim como comprar alimentos frescos e da época. Outra opção eco-friendly é respeitar a sazonalidade dos alimentos, desta forma evita-se a utilização de fertilizantes e combustíveis.

Não viaje sozinho, ajude o ambiente

Os transportes são essenciais para a qualidade de vida de cada pessoa, mas é preciso refletir sobre as opções que tomamos, devido às consequências ambientais: alterações climáticas, poluição atmosférica e de ruído. Ao longo dos tempos, há uma maior oferta de transportes públicos e maiores benefícios económicos. Um dos principais objetivos que vai sendo cumprido é a transição para transportes menos poluentes e mais eficientes e a sua descarbonização.

O mercado automóvel também toma em atenção aos cuidados ambientais e há cada vez uma maior aposta em carros elétricos. O Governo tem incentivos para a compra de veículos elétricos, através de comparticipações. Nas grandes cidades são criadas, cada vez mais, ciclovias e opções, como aluguer de trotinetes e bicicletas elétricas.  Outra opção amiga do ambiente é a partilha de viagens, seja com conhecidos ou através de aplicações, como BlaBlaCar-Boleias. Desta forma, além do benefício económico há um cuidado para evitar a circulação de mais veículos na estrada.

Lugares ecológicos para descobrir em Portugal

Depois de um ano atípico é necessário apoiar o setor da hotelaria, mas ao mesmo tempo pode preocupar-se com o ambiente. Em Portugal existem dezenas de hotéis focados na sustentabilidade ambiental. Em Vila Pouca de Aguiar, existe o Pedras Salgadas Spa & Nature Park, com 20 hectares. O hotel situa-se no Parque de Pedras e assume sempre uma atitude de preocupação e responsabilidade ambiental. Pestana Tróia Eco-Resort & Residence fica na Península de Tróia com 100 hectares de espaço. Uma das suas maiores preocupações é a eficiência energética e o respeito pela fauna e flora da região. No Alentejo, uma das opções é Zmar Eco Experience que tem 300 casas de madeira, numa área de 81 hectares e há uma constante aposta na inovação. O hotel tem uma forte preocupação na reciclagem, na redução do consumo de eletricidade, gás e água. Na Comporta, o Cocoon Eco Design Lodges, perto da praia do Pego, com 30 hectares de área privada e com a opção de lodges T1 ou suites é também uma sugestão. O hotel oferece várias atividades para os hóspedes, como piscina biológica, bicicletas e área infantil. O Santa Barbara Eco Beach Resort, situado nos Açores, contém 30 villas e studios para os seus hóspedes. Todas as etapas do hotel foram pensadas com cuidado, como os materiais de construção de origem local e nacional e ainda a limpeza da praia de Santa Bárbara, acreditando que possa influenciar mais pessoas a fazer o mesmo.

Partilhar Artigo: