Revista Rua

2019-03-21T15:14:27+00:00 Cultura, Outras Artes

Na “BoCA” de Braga

VOLMIR CORDEIRO: RUA/©Miguel Estima
Redação
Redação21 Março, 2019
Na “BoCA” de Braga

BoCA – Biennial of Contemporary Arts é o evento que, desde 2017, estrutura uma série de atividades continuadas ao longo de cada dois anos, compostas por residências artísticas, programação, produção, circulação nacional e internacional, e programa educativo, colocando em diálogo as artes visuais, a performance, as artes cénicas e a música.

Ao nomes já anunciados de Marlene Monteiro Freitas, Pedro Barateiro, Angélica Liddell e Gabriel Ferrandini juntam-se mais 48 dos quais: Marina Abramovic com a instalação “Spirit House”, inaugurada em 1997, no Matadouro das Caldas da Rainha e não mais exposta em Portugal; estreia absoluta de Beyoncé Mass, de Yolanda Norton, celebração religiosa de adoração feminina que usa a música e a vida pessoal de Beyoncé como uma ferramenta que promove um discurso de empoderamento sobre os marginalizados e esquecidos, particularmente as mulheres negras – as suas vidas, os seus corpos e as suas vozes; Gonçalo M. Tavares & Os Espacialistas propõem “Os Animais e o Dinheiro”, três conferências-performance sobre as potencialidades artísticas do quotidiano; o conceituado fotógrafo Wolfgang Tillmans dá o seu primeiro concerto em Portugal, Volmir Cordeiro apresenta a sua nova coreografia e interpretação baseada em Brecht intitulada ‘Rua’.

Jonathan Saldanha apresentar-se-á no S. Carlos; as INMUNE estarão, pela primeira vez no Porto, na Mala Voadora e Maus Hábitos; Tânia Bruguera apresenta o seu trabalho pela primeira vez em Lisboa, através de uma nova instalação pensada para o espaço público; o coro Gulbenkian irá interpretar uma peça de Stockhausen no Lux.

A 1ª edição da BoCA – Biennal of Contemporary ArtsA BoCA teve a primeira edição em 2017 e contou com a participação de 59 artistas nacionais e internacionais, 22 instituições culturais, 52 atividades – 37 em estreia, das quais 19 são mundiais e 18 nacionais. Tal como aconteceu no período entre edições – que levou as atividades da primeira BoCA às cidades de Castelo Branco, Viseu, Braga, Évora, Loulé, Montemor-o-Novo, Paris, Bruxelas, Hamburgo, Lausanne, Valência, Santiago do Chile e Buenos Aires – também na segunda edição está prevista a circulação nacional e internacional que reflecte o interesse em contribuir, de forma continuada, para uma abrangente visibilidade dos diferentes criadores e formatos artísticos produzidos e apresentados.

Partilhar Artigo: