Revista Rua

2020-03-26T10:40:55+00:00 Radar, Sabores, Vinhos

Os melhores vinhos para ter na sua mesa

Os vinhos para este Natal
Redação23 Dezembro, 2019
Os melhores vinhos para ter na sua mesa
Os vinhos para este Natal

Texto: Inês Rodrigues

Portugal é país de vinhos de excelência e são cada vez mais as marcas com reputada qualidade. A RUA fez uma lista dos melhores vinhos para ter à sua mesa nesta quadra festiva. Há brancos, tintos, espumantes e até licores!

Quinta Vale D. Maria, Vinha da Francisca (tinto)

A Quinta Vale D. Maria Vinha da Francisca é um vinho com uma concentração impressionante e uma frescura marcante. Os tintos têm uma grande profundidade de cor, violeta e vermelho escuro, com enorme concentração de aroma de frutos vermelhos maduros, cereja negra e ameixa, aos quais se segue a elegância do tradicional toque de framboesa dos vinhos do Vale D. Maria.

Grande Rocim 2015 (tinto)

A Herdade do Rocim tem cerca de 70 hectares de vinha, sendo 53 de castas tintas e os restantes 17 de castas brancas. Caracterizada por apresentar solo franco argiloso e arenoso, a Herdade do Rocim apresenta critérios que visam a produção de uvas com elevada qualidade. Um tinto que casa muito bem com pratos de carne e pode ser degustado naqueles longos almoços de família. Os vinhos produzidos ou misturados com a casta Touriga Nacional são bastante equilibrados.

Casa da Lavand’eira, Avesso Escolha 2018 (verde)

A Casa da Lavand’eira, na região demarcada dos vinhos verdes, em pleno Douro, apresenta o Lavandeira Avesso Escolha 2018, um vinho cheio de história. A propriedade conta com mais de 14 hectares, é um projeto caracterizado pela proximidade com a natureza e pela preservação da biodiversidade. Este vinho com um paladar seco, com uma acidez fina e equilibrada, é fresco e apresenta boa intensidade, destacando-se as ervas aromáticas (tomilho e limão), frutos citrinos, os frutos de polpa branca (pêssego) e ligeiras notas florais. Tudo o torna um vinho com personalidade.

Villa Oliveira Encruzado 2016 (branco)

Sendo a primeira marca criada pela Casa da Passarella, Villa Oliveira nasceu originalmente há mais de 100 anos. Grandes vinhos nasceram desta casa e destas vinhas. Numa edição rigorosamente limitada a 2000 garrafas, este vinho 100% encruzado provém de uma vinha com 40 anos.

Quinta de Ventozelo (rosé)

Das encostas de Ventozelo, voltadas para o Rio Douro, nasce um Rosé que, apesar da sua cor pálida, tem um temperamento tudo menos apático. De uvas vindimadas na altura exata e vinificadas a baixas temperaturas com o máximo cuidado, conseguimos produzir um vinho que se mantém fiel à sua frescura e vivacidade originais. Sólido, com leves amargos, mas ao mesmo tempo muita leveza e frescura que se prolonga no final largo, com toques quase citrinos.

Soalheiro Alvarinho 2017 (branco)

Soalheiro é a primeira marca de Alvarinho em Melgaço e um dos primeiros produtores portugueses de Alvarinho. Aqui, o Alvarinho é especial, o terreno é protegido por um conjunto de montanhas que criam condições de chuva, temperatura e horas de sol necessárias para o melhor amadurecimento das uvas.

Quinta Pedra Escrita Reserva Bio 2017 (branco)

Uma proposta do Douro, mais precisamente do produtor Rui Roboredo Madeira que está entre os melhores do ano. Um aroma mineral e cítrico de toranja e frutos exóticos, com notas discretas de barrica bem integradas. O Douro Superior, o solo granítico muito pobre da quinta limita as produções, fazendo com que haja um equilíbrio natural entre produtividade e concentração de aroma nas uvas.

Luiz Costa Pinot Noir & Chardonnay 2015 (espumante)

A Caves São João elaborou este espumante único a partir das castas mais valorizadas cultivadas na propriedade. Este espumante produzido pelo método clássico, com um período de estágio de 20 meses em garrafa sobre borras, tem cor amarela palha. Tem aroma a casca de citrinos, flores secas, ligeira tosta, biscoito de manteiga e cera de abelha, entre outras notas aromáticas de paleta rica e complexa. Possui excelente textura.

Quinta do Vale Meão 2016 Red (tinto)

As propriedades de D. Antónia Ferreira, também conhecidas como Ferreirinha, são provavelmente as mais emblemáticas do Vale do Douro. O vinho Quinta do Vale Meão na colheita inaugural de 1999 foi considerado, por qualidade, um dos melhores vinhos do Douro. Por isso, Quinta do Vale Meão é sempre uma boa escolha para ter na sua mesa. A nossa sugestão: Quinta do Vale Meão 2016 Red, um vinho com várias castas – Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca e Tinta Roriz. 

Muros de Melgaço (branco)

Este é um vinho de Anselmo Mendes, produtor reconhecido em Portugal e no estrangeiro, pela qualidade do que produz e pela inovação que aporta ao setor. Neste caso, as uvas de Alvarinho são fermentadas em barrica de madeira. Aroma profundo, muito orientado para a fruta citrina, lembrando casca de laranja, tangerina e toranjas maduras.

Alvarinho Deu-La-Deu Reserva (branco)

A matéria-prima, aliada à cuidada seleção das uvas e à entrega da Adega Cooperativa Regional de Monção, conjugada com a tecnologia moderna de vinificação e um contacto de proximidade com os clientes, são a garantia da qualidade.  Este vinho, com aroma limpo e fresco, com forte presença do aroma a flor de laranjeira, marucujá, pêssego e alperce e aroma macio e encorpado é uma sugestão imperdível.

Chryseia 2016 (tinto)

A família Symington propôs a Bruno Prats a participação num novo projeto, que consistia em produzir um grande vinho não fortificado no Douro. A sua concretização deu-se em 1999, com a criação da PRATS & SYMINGTON como uma parceria equitativa entre as duas famílias. Algumas vinificações experimentais nesse primeiro ano permitiram definir e escolher as melhores parcelas e as castas mais adequadas para o projeto. O Chryseia 2000 foi a primeira colheita a ser comercializada. Uma das nossas sugestões é o Chryseia 2016, um vinho de cor púrpura, com abundantes notas de frutos vermelhos, mas pouco macerados.

Alambre Moscatel de Setúbal

O Alambre 20 Anos é feito a partir da casta Moscatel, que é um tipo de uva que prima pelo seu carácter frutado, melado com aroma a fruta tropical. Este vinho é um lote de 19 colheitas em que a mais nova tem pelo menos 20 anos e a mais antiga perto de 80 anos.

Sabia que?

Os principais especialistas em vinhos dos EUA recomendaram Portugal, nomeadamente o Alentejo, como uma das melhores regiões vinícolas do mundo para visitar em 2020.

Partilhar Artigo: