Revista Rua

2020-03-26T10:38:00+00:00 Cinema, Cultura, Radar

Parasitas: um êxito inesperado e arrebatador em noite de Óscares

Já viu este filme?
©D.R.
Redação
Redação10 Fevereiro, 2020
Parasitas: um êxito inesperado e arrebatador em noite de Óscares
Já viu este filme?

A 92ª. cerimónia dos Óscares 2020 aconteceu na madrugada de hoje, em Los Angeles, na Califórnia, mais concretamente no Teatro Dolby, onde o evento se repete anualmente desde 2002. Do discurso comovente de Joaquin Phoenix à atuação surpresa de Eminem – que levou o público ao rubro com Lose Yourself – há todo um repertório de momentos imperdíveis, numa noite que, uma vez mais, não ficou aquém das expectativas.

Joaquin Phoenix venceu o Óscar de Melhor Ator Principal, em Joker – o que já se fazia prever – seguindo-se Brad Pitt como Melhor Ator Secundário, em Once Upon a Time…in Holywood, Lauren Dern, em Marriage Story, também como Melhor Atriz Secundária e 1917, de Roger Deakins, que comprovou o Óscar de Melhor Cinematografia, mas foi Parasitas, um filme de Bong Joon-ho, a grande revelação, arrebatadora e inesperada, da noite. O filme sul-coreano foi distinguido com quatro Óscares (tendo vencido nas quatro categorias para o qual estava nomeado), conquistando o Óscar de: Melhor Filme, Melhor Filme Internacional, Melhor Realizador e Melhor Argumento Original. Em 92 anos de Óscares, esta é a primeira vez que o Óscar de Melhor Filme vai para um filme que não é falado em inglês, sendo também uma estreia para o realizador a vencer nesta categoria.

©D.R.

O filme que já tinha ganho um Palma de Ouro, depois da sua exibição no Festival de Cannes, em 2019, conquistou cada vez mais notoriedade nas semanas que antecederam a cerimónia dos Óscares e, embora já fosse um dos favoritos da crítica, o resultado foi surpreendente.

O drama relata a história de uma família sul-coreana – um casal de meia idade, ambos desempregados, e dois filhos quase adultos – que vai escapando à penúria à custa de pequenos biscates, vivendo numa pequena cave, imunda e acanhada. Esta família que vive na miséria vê a esperança a chegar em jeito de um convite, que é dirigido ao filho do casal, para que este substitua um amigo, aceitando o papel de explicador de inglês da filha de um casal abastado. A pouco e pouco, os quatro membros desta família infiltram-se nesta casa, à procura de trabalho permanente: a mãe assegura as lida da casa, enquanto governanta, o pai como motorista e a irmã como terapeuta. A partir deste ponto, tudo se descontrola, sem que os personagens tenham tempo – e vontade – de se denunciarem enquanto parentes. Do drama à comédia, do mistério ao trágico, as histórias cruzam-se nesta sátira social que chega ao grande ecrã com uma forte mensagem por detrás, num retrato crítico da realidade sul-coreana, alertando para as desigualdades económicas que dividem o país. Esta antítese é visível na narrativa: de um lado vemos a milionária família Park e, no outro polo oposto, a família Kim, que vai deambulando por entre tentativas para sobrevirem.

De norte a sul do país, Parasitas está ainda disponível em diversas salas de cinema.

Partilhar Artigo: