Revista Rua

2019-06-26T12:36:21+01:00 Ao Volante, Atelier

Peugeot e-Legend – O passado à frente

Partilhar Artigo:
Fotografias ©Automobiles Peugeot
Nuno Sampaio26 Junho, 2019
Peugeot e-Legend – O passado à frente
Partilhar Artigo:

Antes de falarmos neste concept- car da marca francesa que, segundo o CEO da marca do Grupo PSA, Jean-Philippe “não é apenas um manifesto tecnológico, mas a visão da Peugeot, ativamente empenhada num futuro otimista e altamente desejável”, recuamos uns bons anos para falar daquele que deu origem a toda esta dinâmica automóvel indumentada de uma “retro-febre”, o Peugeot 504 Coupé. Este bad boy nunca foi tão famoso como nos dias que correm. Apresentado em 1968, com o Coupé e Cabrio a chegar um ano depois, manteve a produção até 1983. Ambos distintos dos outros 504. A motorizar este coupé encontramos motores de quatro cilindros em linha com 1.8 e 2.0 partilhados com os restantes 504, mas receberia também o V6 PRV de 2.7 l, desenvolvido em conjunto com a Renault e Volvo. No total, entre o Coupé e Cabriolet, foram produzidas pouco mais de 31 mil unidades.

Mas estamos enganados se pensarmos que o e-Legend é um copy-paste do Coupé original. Este é um carro do futuro, com uma visão mais musculada e sofisticada – de alguns ângulos quase passaria por uma muscle car americano. A carroçaria esconde o futuro real, ou seja, um automóvel 100% elétrico e também autónomo. Do lado elétrico, o e-Legend vem equipado com um conjunto de baterias com uma capacidade de 100 kWh, dois motores elétricos — um por eixo —, totalizando 340 kW (462 cv) e 800 Nm de binário, capazes de lançá-lo até aos 100 km/h em menos 4,0s e atingir os 220 km/h de velocidade máxima.

A autonomia máxima anunciada é de 600 km, com a Peugeot a afirmar que bastam 25 minutos num posto de carga rápida para ter energia suficiente para mais 500 km, e com o carregamento a poder ser feito via indução (sem cabos). Em modo autónomo, este protótipo tem dois modos de atuação: o Soft, para uma condução mais relaxada, ou o Sharp, que torna as reações mais instintivas. Para o condutor, quando este aceita a tarefa de conduzir, existem igualmente dois modos: o Legend e o Boost. Os interiores são arrojados e futuristas e recheado de tecnologias como as telas de 29 polegadas nas portas e uma tela curva gigante, de 49 polegadas no painel central. A parceria com a SoundHound faz com que este modelo possa ter um assistente pessoal que permite controlar vários sistemas pela voz e um sistema sonoro de alta-fidelidade da Focal.

Para já a marca francesa não tem planos para produzir o e-Legend, mas o impacto e o sucesso foi tal que já existe uma petição online para o produzir. Até o próprio CEO da Peugeot, ao ter conhecimento da petição, lançou um desafio via twitter: caso a petição atinja as 500 mil assinaturas a Peugeot não se compromete em avançar com a produção do e-Legend, mas sim, será seriamente considerada. Fingers crossed.

Partilhar Artigo: