Revista Rua

2020-12-15T15:47:08+00:00 Gastronomia, Radar, Sabores

Portugal arrecada mais duas estrelas Michelin

Depois do Algarve ser eleito internacionalmente como o Melhor Destino de Praia do Mundo de 2020, é a vez da ocidental praia lusitana arrecadar mais duas estrelas Michelin.
©D.R.
Redação
Redação15 Dezembro, 2020
Portugal arrecada mais duas estrelas Michelin
Depois do Algarve ser eleito internacionalmente como o Melhor Destino de Praia do Mundo de 2020, é a vez da ocidental praia lusitana arrecadar mais duas estrelas Michelin.

Por Vera Salazar

Portugal é um dos países mais aclamados da Europa pela sua beleza paisagística, riqueza histórica, hospitalidade e, claramente, a gastronomia. Depois de o Algarve ser eleito internacionalmente como o Melhor Destino de Praia do Mundo de 2020, é a vez da ocidental praia lusitana arrecadar mais duas estrelas Michelin.

Num período tão atípico, sobretudo em termos de restauração, é extremamente importante fortalecer e dar relevância aos restaurantes, sobretudo os que melhor representam a cultura portuguesa. Num total de 28 restaurantes, a lista de Estrelas Michelin em Portugal tem agora duas novidades: o restaurante 100 Maneiras, em pleno Bairro Alto, do mediático chef Ljubomir Stanisic e o Eneko Lisboa, do chef basco Eneko Atxa, que há pouco mais de um ano se instalou em Alcântara, conquistaram com distinção um lugar na atribuição das estrelas Michelin.

A RUA apresenta algumas novidades e curiosidades dos emblemáticos restaurantes.

 

100 Maneiras, Lisboa
Chef Ljubmir Stanisic

A frase “a dificuldade faz o homem” é comprovada tanto na vida do cozinheiro de ascendência bósnia, Ljubomir Stanisic, como no processo de criação do seu restaurante 100 Maneiras, na Rua do Teixeira 39, no Bairro Alto, já que a restauração do local onde está situado o restaurante demorou cerca de quatro anos.

O 100 Maneiras não é “só” um restaurante e não é “apenas” o novo restaurante de um dos cozinheiros mais famosos de Portugal. Este restaurante conta a história de vida de Ljubomir Stanisic e de todas as pessoas que couberam dentro das paredes que se forram a pedra e veludo. Um projeto que, apenas nove meses após a abertura, foi escolhido para integrar a lista dos 50 Best Discovery, compilada pela organização dos The World’s 50 Best.

Os menus de destaque são A História, O Conto, Ecos do 100, um menu vegetariano, Harmonização Com Risco, constituído por 12 bebidas, Harmonização 100 Risco, com nove bebidas e o Harmonização da Sorte, com dez bebidas. Os preços diferem entre os 90 e os 125 euros.

Emocionada, a mulher e assessora do chef, Mónica Franco, realça que a atribuição da Estrela Michelin é uma conquista enorme depois de um ano especialmente difícil de carência, de luta e de fome. “É um prémio que sabe a champanhe e caviar num ano de pão e água. É a realização de um sonho, a equipa está “muito emocionada”, finalizou Mónica.

 

Eneko, Lisboa
Chef Eneko Atxa

Eneko Atxa possui já no currículo três estrelas Michelin no Azurmendi, em Larrabetzu, em Espanha, restaurante que está na lista dos 50 melhores restaurantes do mundo.

Regendo-se da filosofia “revisitando as nossas raízes para sonhar, viajar, descobrir, sentir e despertar os sentidos”, o restaurante Eneko Lisboa, do chef basco Eneko Atxa, é o mais recente projeto gastronómico do Penha Longa Resort e pretende trazer a Lisboa um bom jantar com “mais nuances locais”.

No Eneko Lisboa, os clientes irão experimentar a essência, intensidade e sabor único da cozinha tradicional basca com toques modernos e inovadores. Destacam-se dois menus de degustação de excelência: Erroak e Adarrak. O primeiro, Erroak (raízes), consiste em pratos que permaneceram na ementa devido à sua singularidade. A segunda ementa, Adarrak, é composta pelas mais recentes criações do chef Eneko Atxa. Ambas as ementas são complementadas por uma vasta seleção de vinhos de todo o mundo.

O chef mostrou estar muito satisfeito com esta conquista, sendo um raio de luz neste ano sombrio. “Estou muito feliz, acima de tudo, por todas as pessoas que tornam o Eneko Lisboa possível”, acrescenta Eneko Atxa.

É de realçar que, mesmo num ano em que a dificuldade foi muito relevante, os restantes restaurantes portugueses com uma e duas estrelas mantiveram as distinções do guia do ano passado, apenas o São Gabriel, em Almancil, que encerrou, deixou de fazer parte do Guia Michelin.

Partilhar Artigo: