Revista Rua

2021-04-19T14:50:23+01:00 Radar, Sabores, Vinhos

Quinta de Lemos elege três das mais icónicas colheitas de Dona Santana

Partilhar Artigo:
Redação19 Abril, 2021
Quinta de Lemos elege três das mais icónicas colheitas de Dona Santana
Partilhar Artigo:

O enólogo da Quinta de Lemos, Hugo Chaves, reuniu três das mais icónicas colheitas de Dona Santana, uma das referências desta quinta do Dão, com uma excelente relação qualidade-preço. O pack inclui três garrafas: Santana 2005, Santana 2007 e Santana 2012.

O Santana 2005 caracteriza-se por descrever o primeiro ano de colheita na Quinta de Lemos, seguindo-se o Santana 2007, uma referência premiada que recebeu 92 pontos do prestigiado crítico de vinhos Robert Parker e que ao fim de 14 anos continua a revelar excelentes condições de reserva. O terceiro vinho a completar o pack é “um vinho mais fluído, mais gastronómico, que casa bem em inúmeras ocasiões”, segundo o enólogo da quinta.

Elaborado a partir de castas Touriga Nacional, Touriga Roriz, Jaen e Alfrocheiro, o Dona Santana estagia – assim como todos os vinhos da Quinta de Lemos – durante cinco anos em adega, dos quais 15 a 18 meses estagia em barricas de carvalho francês extrafino. Tal como acontece com todas as Donas de Quinta de Lemos, o vinho presta homenagem a uma figura feminina da família do fundador, Celso de Lemos, neto de Dona Santana. Recordada como uma senhora bondosa, de afetos e sempre bem-disposta, é também uma referência de vinho obrigatória para todos os enófilos.

Como notas de prova, o Dona Santana 2005 descreve alguma frescura, notas de torrefação, chocolate e ligeiras notas de noz-moscada. Já na boca, revela uma boa concentração, com alguma acidez, notas de violeta e um final mais longo e complexo. Os seus 16 anos confirmam a mais-valia do envelhecimento dos vinhos da Quinta de Lemos, sendo um verdadeiro reflexo do Dão na sua plenitude. Quanto ao Dona Santana 2007, apresenta notas de violeta, ameixa preta e especiarias, ao passo que na boca descreve um bom volume, com notas de fruta preta e vermelha confitada. Os taninos são finos e equilibrados, propondo um final longo e persistente. Finalmente, o Dona Santana 2012 revela grande concentração de notas de café e aromas de fruta vermelha, com alguma frescura e notas balsâmicas. Já na boca é notável uma grande amplitude com fruta muito presente e alguma mineralidade. Em todos os casos, a decantação dos vinhos é aconselhada.

Quanto a pairings, o chef Diogo Rocha, fã assumido do vinho Dona Santana, aprecia servi-lo com “pratos de estufados em longas horas e cheios de especiarias, carnes assadas ou pratos vegetarianos, em que a beterraba ou a batata-doce estão muito presentes”. Ainda assim, trata-se de um vinho que acompanha muito bem diversas propostas gastronómicas distintas.

O pack tem um valor de 37€, sendo uma boa opção para oferecer a alguém.

Partilhar Artigo: